Cabine Scania – Brasinca – Maio de 1981

cheapest ‘sans-serif’; font-size: 12pt;”>Recorrendo ao grande acervo de catálogos enviado pelo amigo Fernando Luiz de Araújo, search hoje dividimos com você este catálogo completo da linha Cargo 1990.

Naquela época, a motorização Ford 6.6 e 7.8 entrava em seu ocaso, entrando em seu penúltimo ano de vida antes de ceder lugar aos Cummins C8.3 e B5.9.

Esta literatura representa o estágio final de evolução do Cargo com motor FNH, incluindo modelos pouco conhecidos como o aspirado 1615-T, homologado para tracionar até 30 toneladas e assim obter o benefício das linhas de financiamento do FINAME; o 2319, um trucado de fábrica com motor 6.6; ou mesmo o raríssimo 2324, outro 6×2, mas com o motorzão 7.8 usado também no cavalinho 3224.

Linha Cargo 1990 01 Linha Cargo 1990 02 Linha Cargo 1990 03 Linha Cargo 1990 04 Linha Cargo 1990 05 Linha Cargo 1990 06 Linha Cargo 1990 07 Linha Cargo 1990 08

 

 
Para registrar o bom estado de conservação do Mercedes-Benz L-1516 de seu tio, thumb nosso amigo Lucas Claudio nos enviou algumas fotos do mesmo que se encontra em plena atividade. Num tempo em que boa parte dos Mercedes AGL ganharam “upgrades” com a cobiçada cara-preta, salve é bom ver que ainda restam exemplares originais, see com a bela frente tradicional de faróis redondos, tal qual eles foram concebidos na terra da matriz.

Apenas a grade sem os “bigodes” parece ter substituída pelo modelo mais moderno, como é possível notar nas imagens. Os emblemas laterais pretos também não são iguais aos originais cromados, mas pelo menos não são dos modelos com tipografia imitando a de modelos mais recentes e de gosto questionável.

L1516 1 L1516 2 L1516 3

 
Para registrar o bom estado de conservação do Mercedes-Benz L-1516 de seu tio, salve nosso amigo Lucas Claudio nos enviou algumas fotos do mesmo que se encontra em plena atividade. Num tempo em que boa parte dos Mercedes AGL ganharam “upgrades” com a cobiçada cara-preta, see é bom ver que ainda restam exemplares originais, nurse com a bela frente tradicional de faróis redondos, tal qual eles foram concebidos na terra da matriz.

Apenas a grade sem os “bigodes” parece ter sido substituída pelo modelo mais moderno, como é possível notar nas imagens. Os emblemas laterais pretos também não são iguais aos originais cromados, mas pelo menos tampouco são dos modelos imitando a tipografia mais recente e de gosto questionável, incompatível com o belo caminhão.

L1516 1 L1516 2 L1516 3

 
Para registrar o bom estado de conservação do Mercedes-Benz L-1516 de seu tio, malady nosso amigo Lucas Claudio nos enviou algumas fotos do mesmo que se encontra em plena atividade. Num tempo em que boa parte dos Mercedes AGL ganharam “upgrades” com a cobiçada cara-preta, treat é bom ver que ainda restam exemplares originais, remedy com a bela frente tradicional de faróis redondos, tal qual eles foram concebidos na terra da matriz.

Apenas a grade sem os “bigodes” parece ter sido substituída pelo modelo mais moderno, como é possível notar nas imagens. Os emblemas laterais pretos também não são iguais aos originais cromados, mas pelo menos tampouco são dos modelos imitando a tipografia mais recente e de gosto questionável, incompatível com o belo caminhão.

L1516 1 L1516 2 L1516 3

 
Com a chegada da nova Série 2 em 1981, ampoule a Scania continuou confiando a produção completa de suas cabines à tradicional e saudosa Brasinca, more about
que tanto contribuiu para a indústria automotiva brasileira em inúmeros projetos de distintos fabricantes.

O anúncio da Brasinca trazia duas belas imagens do T112 M, com cabine simples e leito. Destinado a aplicações em estradas em boas condições, a versão M de chassi aliviado logo deixaria de ser oferecida em favor da mais polivalente H, que se estabeleceria como carro chefe das Séries 2 e 3.

A Brasinca foi fundada em 1949 em São Paulo e produziu carrocerias e cabines para ícones como a Veraneio, o FNM, e o raro automóvel Brasinca 4200 GT, além de picapes cabine dupla de marca própria sobre chassi Chevrolet – as Andaluz, Passo Fino e Mangalarga, por exemplo.

Depois da reabertura das importações no início dos anos 90 e decorrente declínio deste mercado de cabines dupla, a companhia entrou em crise. Em 1999, a Usiminas passou a controlar a empresa integralmente e seu nome foi alterado para Usiparts. Nesta altura, entre outros, a fábrica de Pouso Alegre, MG, fabricava as cabinas dos International 9800, 4700 e 4900, as portas dianteiras da Kombi, a carroceria completa (inclusive a caçamba) da Mitsubishi L200. Mais tarde, a Usiparts foi rebatizada como Automotiva Usiminas.

Esta peça publicitária foi enviada pelo amigo Rafael T. Coelho.

Brasinca- Maio de 1981

 

 

14 ideias sobre “Cabine Scania – Brasinca – Maio de 1981

  1. Me chamou a atenção esse post por um certo detalhe: já era sabido por mim a fabricação de cabines de FNM pela Brasinca, visto meu apreço pela marca e contato com grandes colecionadores. Porém nessa nova fase da brasinca, chamada de Scania, ela fabricava todas as cabines dos scanias ou somente algumas da série?

    • Caro Jordan, a Brasinca era a fornecedora das cabines das Séries 2 e 3 da Scania. Um abraço e grato por comentar.

  2. Parabens por voçês fazerem esse belíssimo trabalho de resgate da memoria do caminhão brasileiro sou muito fã de voçês e admiro muito o trabalho de voçês, sobre esse anuncio dos SCANIA; cheguei a arrepiar de saudade um forte abraço e fique com DEUS.

    • Amigo Luciano, grato por suas palavras. Estamos juntos nesta empreitada. Um forte abraço também!

    • Daniel, são muito raros mesmo. Interessante observar o “S” estilizado na grade dianteira, que segundo consta indicava o “Six” debaixo do capô. Grato.

  3. Minha dúvida é por exemplo: série 2 da scania: 100% das cabines dessa série foram Brasinca ou apenas um percentual delas?

    • Caro Jordan, acredito que 100%. Senão a Scania teria de investir em caros ferramentais duplicados, para fechar a cabine em duas fábricas distintas. Os ferramentais de estamparia são os mais caros da indústria automotiva. Grato.

  4. Caro amigo, discordo que o “S” seja de “six”, pois já vi inúmeros 142 com o “S” na grade frontal, nas revistas Rei da Estrada de época. Posso estar enganado, mas acho que em uma das publicações menciona “Super”.

    • Amigo Fernando, você tem razão. Retiro o que disse. Fico curioso para confirmarmos o significado do “S”. Se achar nas publicações, agradeço se puder dividir conosco. Abraço e desculpe a falha.

  5. Talvez o S na grade tenho o mesmo significado da época dos Jacarés,Super

    Um forte abraço,
    Ramiro Crespo

    • Caro Ramiro, pesquisando mais sobre o assunto, encontrei um material da Scania (a ser postado) que explica exatamente isso. De fato, conforme afirma o amigo Fernando acima, o “S” indicava “Super”, ou motor turboalimentado. Obrigado por sua contribuição!

Comentários encerrados.