Caminhoneiro Prisioneiro – Fiat 190 H 6×2

Fiat 190 PR

Nosso amigo Roberto Dias Alvares nos presenteou com mais um de seus saborosos textos. Neste, check com saudoso Fiat 190 H de coadjuvante, thumb o autor mescla “escravidão, futebol, e claro uma pitada de romance”.

Para ilustrar a crônica, nada melhor que uma imagem do próprio Fiat, de autoria do próprio Roberto, clicado “em uma manhã fria em Ubiratã, oeste do Paraná”.

Obrigado, Roberto!

 

CAMINHONEIRO PRISIONEIRO
FIAT 190 H 6×2

Acordo cedo lavo o rosto.
Tomo um pingado com pão.
Abasteço meu bruto no posto
e vou cumprir minha missão.

Sou um honesto caminhoneiro.
Na estrada vivo muitas aventuras.
Cada pedaço desse solo brasileiro
Ando sem fazer loucuras.

Na rodovia meu estradeiro,
Cavalo FIAT cento e noventa
leva-me pelo Brasil inteiro.
Nele, só mulher bonita senta.

Alegrias o trecho me proporciona.
É a estrada que me sustenta.
Viajando, a coragem vem a tona,
a bordo do FIAT turbo cento e noventa.

Sou um lobo solitário
rasgando o dia ou a noite.
Faço meu próprio salário.
No cavalo chego o açoite.

O bruto responde no ato
Pondo-se em desabalada carreira.
Sou bom caminhoneiro de fato
levando progresso da Nação brasileira.

Meu reboque basculante,
anda com a caçamba cheia.
Este solitário viajante,
ganha a vida transportando areia.

Feita a apresentação
ao caro amigo leitor,
minha e de meu caminhão.
Contarei fato assustador.

Saí do porto areeiro
trinta toneladas tracionando.
Distante rincão brasileiro,
este carregamento levando.

Em grande propriedade rural
feita imensa construção.
Para mim uma viagem normal.
Dirigindo feliz meu caminhão.

No dia seguinte chegaria.
Já pensava no que fazer depois.
Na marca dos oitenta seguia,
Meu FIAT turbo seis por dois.

Cheguei na entrada da fazenda.
Estrada até lá bem conservada.
Teria nesse frete boa renda.
Dois homens armados na entrada.

Pediram identificação.
Falei do carregamento de areia.
Abriram um grande portão.
Sujeitos olhavam com cara feia.

Fui ao local da construção.
Lá havia um encarregado.
Parei ali meu caminhão.
Aguardei até ser chamado.

Também estava armado,
falou apenas o necessário.
Onde deveria ser descarregado,
naquele espaço agrário.

Observei bem o terreno
para não ter risco de tombamento.
Estava tranquilo, sereno,
quando acionei o equipamento.

Terminei de descarregar a areia
e fui conversar com administrador.
Já era meio dia e meia.
Pensava no almoço este trabalhador.

O capataz e administrador
era um homem mal encarado.
Tinha cara de matador,
e um caráter dissimulado.

Fui encaminhado a um refeitório
onde trabalhadores abatidos
comiam, mas era notório,
em más condições eram mantidos.

De um grupo deles sentei junto,
e comecei a me alimentar.
tentei com eles puxar assunto,
mas não queriam ou podiam falar.

Quando terminou o almoço,
fui conversar sobre o pagamento.
O administrador mostrou-se grosso,
e me vi cercado naquele momento.

Não entendendo o que acontecia
Quis conversar com o capataz.
Ele disse-me sem euforia,
que de lá não sairia mais.

Dei dois passos para trás,
e virei-me para ir embora.
não tinha como fugir mais.
O que eu faria agora?

Homens bem armados
impediram minha saída.
Cercado por todos os lados,
Vi a situação comprometida.

Impediram minha partida
ele falou sem rodeio:
“Trabalharia por comida”
e banho pra manter o asseio.

Naquele momento entendi
que usavam trabalho escravo.
Nos trabalhadores, desânimo vi,
Um dos homens empurrou-me bravo.

Levou-me ao caminhão
e lá assumi o volante.
Reagir seria em vão.
A cidade estava distante.

Homem armado e forte
a bordo entrou também.
Contava somente com sorte,
mas não conseguiria ir além.

O meu trabalho ali era
transportar a safra á cooperativa.
Dentro do caminhão ficava a espera.
Dois homens faziam ameaça viva.

Um deles ia a meu lado
outro com revólver atrás.
Dirigia meu cavalo trucado
e no volante sentia uma paz.

Tentei fazer amizade
com outros trabalhadores.
Jovens e com mais idade.
Rosto sofrido daqueles senhores.

Assim conheci o Zoca-Cola
Edson Capilé, Coutinho e Andrada.
Mauro, Gilmar, Zeto, Dalmo Angola
Limengalvio, Pepi e o  Dorvet Salada

No domingo era o único dia
ao descanso dedicado
Á tarde sempre havia,
Jogo de futebol disputado.

Jogavam com simplicidade
alguns até tinham talento.
Raro momento de felicidade
dava a todos um alento.

Só então víamos o proprietário,
do jogo de futebol era afeito.
Observei esse fato extraordinário
e pensei que poderia tirar proveito.

Era o Senhor Armando
Parecia culto e educado.
Quem o visse conversando
não imaginava que agia errado.

Enquanto o bruto era carregado,
procurei aproximar-me do fazendeiro.
Para conversar, o chamei de lado,
demonstrou interesse verdadeiro.

Fiz a seguinte proposta:
Um jogo de futebol a ser realizado
De seus peões, era a minha aposta,
contra os trabalhadores escravizados.

Ele ficou de pensar com carinho.
Vi que ficou sensibilizado.
Neste plano não estava sozinho,
tinha os trabalhadores do meu lado.

A ideia era usar a partida
para servir como distração.
Se a fuga fosse bem sucedida
Deixaríamos aquela escravidão.

Voltei para o cavalo mecânico
levando a colheita para a cidade.
O trabalho era dinâmico,
feito com pouca dificuldade.

Quando ia até a cidade
era sempre acompanhado.
Privavam minha liberdade
Só era livre no meu trucado.

Naquela cidade pequena
Povo simples e humildade.
Tratava-se de gente serena
Usando trabalho contra a dificuldade.

O fazendeiro veio então
conversar comigo certo dia.
Disse que uma grande multidão
ao jogo presenciaria.

O capataz e administrador
do time, era o capitão.
Considerado bom jogador.
Perder, não admitia não.

Todos os seus comandados
Obedeciam a ele cegamente.
Era o grupo de homens armados,
que faziam parte do time atualmente.

Toda a comunidade
viria na fazenda ver o jogo.
O fazendeiro na verdade
queria por na disputa fogo.

Argumentei que precisaria
Tempo maior para treinar.
Homens trabalhavam todo o dia.
Teriam que melhor se alimentar.

Fazia quatro viagens por dia
levando de cereais uma imensidão.
No caminhão eu dormia,
mas não deixavam a chave de ignição.

Quando era noite estrelada
vidros abertos deixava.
Noite chuvosa ou enluarada,
admirando-a eu ficava.

Era curto o trajeto,
vinte quilômetros somente.
Poucas curvas quase reto.
O caminhão seguia tranquilamente.

Chegava a ser tedioso
aquele caminho sempre igual.
Um caminhão vigoroso,
fazendo trabalho tão banal.

Durante a curta viagem
puxava sempre uma prosa.
Tentando usar a malandragem
mas de maneira melindrosa.

Falava de futebol com estes malfeitores.
Aos poucos a conversa foi se estendendo.
Não esperava deles favores
mas  ganhar confiança estava querendo.

Aos poucos acabei por descobrir
que eram muito exigidos.
Vencer tinham sempre que conseguir.
ou eram pelo capataz agredidos.

Durante o dia trabalhando na terra
e a tarde fazíamos um treino puxado.
Percebi que o jogo seria uma guerra,
O time teria de estar bem preparado.

Sempre fui bom motorista,
dirigindo meu caminhão.
Nos treinos era meio campista.
Esta era a minha posição.

Tivemos a felicidade
Conversando com um trabalhador.
Um homem de avançada idade
Já fora de futebol, treinador.

Prontificou-se a dar orientação
baseado na sua experiência.
Não venceríamos sem dedicação
disso também tinha ciência.

O time deles jogava junto
tinham bom entrosamento.
Com meus passageiros puxando assunto
contaram como era o treinamento.

Jogavam com times da região
Muitos anos de invencibilidade.
O capataz era técnico e capitão.
A vitória era a grande prioridade.

Os dois homens saíram do caminhão
me deixando sozinho na boleia.
pensei em fugir mas mudei de opinião,
esta não era a melhor ideia.

Mesmo que tivesse conseguido,
deixaria meus amigos para traz.
E eles estariam perdidos.
Disso eu não era capaz.

Um trabalhador no vestiário
uma rota de fuga descobriu.
Uma porta atrás do armário,
um túnel ele ali viu.

Este túnel terminava,
do lado de fora da propriedade.
Era a solução que faltava
para conseguirmos nossa liberdade.

Este túnel não fora descoberto
porque o dono jamais imaginaria
que alguém no momento certo
um dia o encontraria.

Seria usado pelo patrão
se fosse tudo descoberto.
Para da polícia fazer evasão,
tinha um caminho de fuga certo.

Havíamos combinado
que no intervalo iríamos fugir.
Independente do resultado.
Aproveitaríamos para partir.

O caminhão ficaria parado
final do túnel na saída.
Quando tivéssemos escapado
No FIAT Turbo seria a partida.

Todos os trabalhadores engajados
até os que não iriam jogar.
Ao grupo seriam integrados.
Afinal, pra trás ninguém iria ficar.

O patrão tinha uma filha
que me olhava diferente.
De Deus uma maravilha.
Mexia com minha mente.

Menina muito bonita
com jeito meigo e delicado.
Chamava-se Maria Rita.
Lançou-me olhar apaixonado.

Quando o administrador viu
Ela me olhando, eu olhando pra ela,
o sangue dele subiu.
Ele estava de olho nela.

Com olhar cheio de ira
Disse-me: “Ela não é pro seu bico”.
“Os olhos dela você tira,
pois é filha de um homem rico”.

Por ele isso foi dito.
Eu fiquei na minha.
Ele queria ganhar no grito
o amor da sinhazinha.

Parei de olhar para a moça.
Ela estranhou minha atitude.
Eu que não era trouxa
prezava pela minha saúde.

Mas não teve jeito,
ela veio conversar comigo.
Chegou bem perto do meu peito.
Disse-lhe que eu corria perigo.

Contei-lhe que o capataz
havia me ameaçado.
O seu nome era Brás.
Ele ficou ainda mais irado.

A jovem chamou sua atenção.
Fez-lhe até uma ameaça,
Contaria a seu pai, o patrão,
e que acabaria com sua raça.

Brás conteve a irritação,
mas o ódio transparecia.
Piorara minha situação.
Ele certamente se vingaria.

Conversou com seus subordinados
que acompanhavam-me na cabina.
Eram homens malvados,
com índole violenta e assassina.

A viagem para a cidade
com o possante carregado.
Puxei assunto e na verdade
Eles permaneceram calados.

Retornando com o bruto vazio
Um dos homens disse: “Para”.
Estávamos próximos de um rio.
Tentou dar um soco na minha cara.

Já fora do caminhão,
partiram pra cima com violência.
Consegui evitar a agressão.
Eu era de paz só na aparência.

Esquivei-me rapidamente
Ele tentou me chutar.
Seu pé passou a minha frente
mas não conseguiu me acertar.

O outro homem como louco
Tentou me imobilizar.
O primeiro deu-me um soco
desviei e ao outro acabou por acertar.

Revidei a agressão.
Eles se viram surpreendidos.
Um soco, joguei outro no chão.
Estavam ambos caídos.

Ali parado meu FIAT cara chata.
e eu em completa ação.
Dei em um deles uma gravata.
O outro segurava revolver na mão.

Naquela briga houve de tudo.
Peguei o revólver do imobilizado.
Usando ele como escudo
Para o outro o 38 foi apontado.

Mandei jogar a arma no rio
ou apertaria mais seu pescoço.
O revólver dentro da água sumiu.
O rio formava ali um grande poço.

A arma na minha mão
joguei também dentro do rio.
Empurrei o homem para o chão
e com um soco ele dormiu.

O outro homem assustado
Veio em minha direção.
Logo ele foi derrubado.
Potente soco e foi ao chão.

Os dois homens desacordados
na caçamba eu joguei.
Todos olharam admirados,
quando na fazenda eu os tirei.

O capataz com homens armados
a jovem e seu pai, o patrão.
Todos olharam-me admirados,
Vendo os dois homens no chão.

O proprietário queria saber
o significado daquilo.
O administrador, sem entender
e eu ali bem tranquilo.

Foram para a enfermaria.
Eu tinha apenas um arranhão.
O capataz não acreditava no que via.
Aumentou o ódio em seu coração.

A moça  falou desesperada
para seu pai mandá-lo embora.
A decisão por ele tomada.
Não iria pô-lo pra fora.

A minha situação contudo
acabou ficando melhor.
O administrador ouviu mudo
Se algo me acontecesse pra ele seria pior.

O dia do jogo se aproximava.
Aproximava-se também a filha do patrão.
Ela no fundo me desejava
e eu por ela também tinha atração.

Com seu pai não concordava
Fazendo uso da escravidão.
As vezes ela argumentava,
mas dele não havia aceitação.

Aumentava mais meu desejo
de fugir e com ela estar a sós.
Certo dia dei-lhe um beijo
Fez explodir o amor entre nós.

Nossos encontros eram escondidos
enquanto o caminhão era carregado.
Excitavam-nos as situações de perigos.
Eram rápidos pra ninguém ficar desconfiado.

O dia do jogo se aproximava.
Nosso time bem preparado.
Chance de fuga me animava.
Mas o coração estava apaixonado.

Encontrei o proprietário
e lhe fiz outro pedido.
Não era nada de extraordinário.
Se uniforme podia ser conseguido.

Ele falou que quando eu fosse á cidade
providenciasse o fardamento.
O pessoal ficaria feliz de verdade
pois não tínhamos nada até o momento.

Dei partida no FIAT cento e noventa.
No bruto nunca dei tranco.
Loja de esportiva vestimenta.
Comprei uniforme todo branco.

Quando daquela loja saí
os dois homens no caminhão.
Estacionado próximo ví
Um carro de outra região.

Este automóvel de fora,
cidade de outro Estado.
Antes dele ir embora
um bilhete por mim foi jogado.

O bilhete caiu no banco traseiro.
Contava com a sorte de ser lido.
Falava de grupo de homens prisioneiro
em uma fazenda era mantido.

Quem sabe a divina providência
viesse em meu auxílio.
Se alguém tomasse do fato ciência,
terminaria de todos o exílio.

Camisas, meias, calções, completo
vários pares de chuteiras havia.
Na fazenda, pro alojamento fui direto
Ao verem sentiram grande alegria.

Entre eu e a filha do patrão
encontros eram mais frequentes.
Do capataz diminuiu a perseguição.
Namorávamos naquelas tardes quentes.

No sábado nos encontramos.
Meu coração estava apertado.
Bons momentos nós passamos,
mas ela achou-me chateado.

Viu a minha tristeza
misturada com preocupação.
Perguntou-me com delicadeza
o que afligia meu coração.

Eu nada podia contar
pois poria em risco a evasão.
Ela insistiu pra eu falar,
mas controlei a emoção.

Falei a ela de meu amor.
Que conquistara meu coração.
Eu que sempre fora namorador,
Nutria por ela verdadeira paixão.

Fim de tarde, a noite chegou.
Brilhavam estrelas na escuridão.
Na cabine leito ela ficou,
Passamos a noite no caminhão.

Ela dormiu em meus braços.
No sofá cama da cabine leito.
Trocamos beijos e abraços,
mas mantive por ela o respeito.

Quando acordei no outro dia
No céu o sol estava brilhante.
Ao meu lado, ela eu não mais via.
O coração leve e a alma radiante.

Levei o meu cavalo trucado
de volta para a sede da fazenda.
Lá deixei o bruto estacionado.
A fuga seria por difícil senda.

Um domingo ensolarado
prenunciava um dia ideal.
O jogo a tarde realizado
Fugiríamos dali afinal.

Aos companheiros me juntei.
Estranharam minha ausência.
Onde estava não falei.
Pedi concentração e paciência.

Por volta das catorze horas
Começou a chegar o povo da cidade.
Trajes esporte ou com botas e esporas
De gente era uma enormidade.

Encheram as arquibancadas
e muita gente esperando de pé.
Servidas as pessoas recém chegadas
tinha refrigerante, leite, bolo e café.

Iríamos tentar a vitória,
mas fugir era a grande conquista.
Muitos começariam nova história
fugindo dali sem deixar pista.

Entre os torcedores eu via
pessoas simples da região.
Mas alguns homens havia
que eu nunca vira na povoação.

Como era uma pequena cidade,
os rostos tornaram-se familiares.
Homens bem vestidos na verdade
em torno do campo estavam aos pares.

Não era nenhum dos capangas
Pois a maioria deles iria jogar.
Naquele calor, camisas de mangas,
estavam vigilantes e tudo a observar.

Pareciam homens duros.
Bem vestidos, caras de mau.
Usavam óculos escuros
e trajavam roupa social.

Lá dentro do vestiário
Estava tudo preparado.
Em campo, não éramos páreo.
O importante era ter escapado.

Quando adentrou o gramado
o time da fazenda primeiro.
Pela torcida foi vaiado
Assustando o fazendeiro.

Todo negro o fardamento
Sentiam-se senhores da situação.
Entramos naquele momento
e da torcida grande ovação.

Os torcedores tomaram partido
iriam torcer para nossa equipe.
Espontaneamente foi decidido.
Insensível não há quem fique.

Com a camisa dez nas costas
eu estava bastante animado.
Na torcida faziam apostas,
Time do fazendeiro o mais cotado.

Ás dezesseis horas o jogo iniciado
ainda buscávamos posicionamento.
Pelo time da fazenda foi marcado
da partida o primeiro tento.

Chamei de todos a atenção,
pra jogarmos com seriedade.
A torcida da povoação,
esperava de nós dignidade.

Pensando em ter facilidade
o time da fazenda se surpreendeu.
Jogando com naturalidade
o nosso futebol apareceu.

Levamos o segundo tento
quando estávamos para empatar.
Da arquibancada som barulhento.
A torcida queria nos empurrar.

Torcia pra seu time, o fazendeiro.
Sua filha torcia para o time oposto.
A cada lance eu via o desespero
estampado em cada rosto.

O terceiro gol arrefeceu
o ânimo da torcida.
A arquibancada emudeceu.
O golpe foi por ela sentida.

O primeiro tempo chegando ao final.
Peguei a bola e driblei seis jogadores.
Na saída do goleiro, toque magistral.
Golaço e vibração dos torcedores.

Olhei para a filha do patrão
De seus lábios leve sorriso.
Ela conteve a emoção.
Perto de seu pai era preciso.

Fiz belo lançamento,
Edson Capilé foi derrubado.
Juiz deu inexistente impedimento
e o pênalti não foi marcado.

É bom que fique claro
que o trio de arbitragem
suborno cobraram caro.
Nos roubavam na malandragem.

A torcida voltou a vibrar
quando terminou a primeira etapa.
No vestiário fui o ultimo a entrar
A liberdade desta vez não escapa.

Ouve uma troca de olhares
Ela pressentiu algo diferente.
No vestiário em meio a meus pares
Maria Rita entrou de repente.

Queria saber o que acontecia
Quando viu túnel atrás do armário.
Disse que o grupo fugiria,
Este fora nosso objetivo diário.

Disse a ela que minha vontade
era ficar, por ela e pra terminar a partida.
Sabia que era só eu na verdade
a pensar desta forma suicida.

Os homens ficaram assustados
com a presença de Maria Rita ali.
Os capangas seriam avisados
Pus-me a frente dela e a defendi.

Ela disse que nada contaria
e pediu-me para ficar.
Desapontá-la eu não conseguiria.
As consequências iria enfrentar.

Entreguei a chave do caminhão.
Um deles, o Andrada sabia dirigir.
O que fazia, não tinha noção.
Eles tinham que logo dali partir.

Pedi a ela que voltasse
e de seu pai ficasse perto.
Pois se desconfiado ficasse,
descobriria tudo por certo.

Maria Rita fez o que eu pedi.
Amigos no túnel tinham entrado.
Sozinho para o gramado subi,
Pensando se teriam escapado.

O capataz veio em minha direção,
perguntando onde estavam os demais.
Disse que logo o meu esquadrão
voltaria para tirar-lhe a paz.

Vinte minutos já transcorridos
Certamente já teriam escapado.
Assustei quando vi meus amigos
vindo do vestiário para o gramado,

Olhei para eles, espantado.
O que aconteceu, não sabia bem.
O técnico falou emocionado:
” Você fica e nós ficamos também”.

Olhei para minha princesa
ela chorava de emoção.
Disse a eles: “tenham certeza,
neste jogo daremos o coração”.

A torcida impaciente
Vibrou com o recomeço do jogo.
Nosso time mais presente,
fez a partida pegar fogo.

Eles vinham para atacar.
nosso time se defendia.
Conseguíamos nos safar
e para o gol a gente partia.

Marcamos o segundo tento
foi meu amigo Zoca Cola.
Aproveitou o cruzamento
e meteu a cabeça na bola.

O time do fazendeiro
começou a apelar.
O capataz matreiro
batia sem parar.

O juiz era conivente
e estava vendido.
Isso não pararia a gente
e o empate foi conseguido.

Consegui entrar na área
Driblei também o goleiro.
Com disposição extraordinária,
toquei, gol de Mauro Pinheiro.

O jogo estava empatado
sentia-se no ar a pressão.
O capataz inconformado
gritava e pedia disposição.

O jogo chegando ao final
Faltava um minuto somente.
A atenção era total,
Apreensão daquela gente.

Para nós um escanteio
Havia esta ultima chance.
Fiquei ali pelo meio,
Tentando aproveitar o lance.

Escanteio batido, bola afastada,
fiquei na área parado.
A pelota no pé do Andrada.
o lançamento efetuado.

De costas para a meta
matei a bola no peito.
Dei uma linda bicicleta,
Ela entrou no ângulo direito.

A torcida não se segurou
e invadiu o gramado.
Minha amada comemorou,
mesmo tendo o pai a seu lado.

Com aquela invasão,
era possível tentar fugir.
Foi grande a confusão.
Nossa fuga tentariam impedir.

Os capangas bem armados
Não sabiam a quem perseguir.
Estavam desesperados,
não sabiam como agir.

Mesmo assim foi pego
um dos nossos amigos.
Deram-lhe um achego
e o levaram a um dos abrigos.

Fui correndo até o local.
O capataz vinha com arma na mão.
Aproximou-se com cara de mau.
Se aproveitaria da situação.

Apontou a arma pra atirar
mas foi de repente surpreendido.
Um homem com autoridade no olhar
armado, disse que estava detido.

Outros homens no gramado
faziam dos capangas a prisão.
Um deles identificou-se como delegado
e comandava toda a operação.

Em meio aquela comemoração
Maria Rita disse que seu pai sumira.
Vendo de seus capangas a prisão,
provavelmente ele fugira.

As pessoas ali presentes
perceberam algo de errado.
Alguns homens diferentes,
tinham aos capangas desarmado.

Aproximei-me do policial
homem dos mais altivos.
Disse ser da Polícia Federal
E que viera libertar os cativos.

Procurou o fazendeiro em vão,
pois seria detido e averiguado.
Acusado de escravidão,
manter pessoas em cárcere privado.

Maria Rita quis assumir responsabilidade.
Disse não ser ela, ao delegado.
Prender o fazendeiro era necessidade.
De muitos crimes seria acusado.

As pessoas da cidade partiram.
Fazendeiro procurado nesse intervalo.
Do campo todos saíram.
Fui buscar meu potente cavalo.

Peguei a chave de ignição,
boa distância tive de andar.
Entrei no meu caminhão,
e pus ele para rodar.

Eu o trouxe até o celeiro.
Ali presos capangas e o capataz.
Eis que foi pego o fazendeiro
na caçamba, escondido lá atrás.

O delegado descobriu
tendo subido lá para olhar.
Dentro da caçamba então viu
o fazendeiro que se pôs a chorar.

Maria Rita ficou chateada.
Ver seu pai naquela situação.
Mas não poderia fazer nada
Pelo que fez iria para prisão.

Ao Delegado da Polícia Federal,
perguntei como tinham descoberto
que havia escravos naquele local
e chegarem no momento certo?

Assim respondeu-me o delegado
após prender o fazendeiro:
“Dentro de carro bilhete encontrado
indicando o lugar e seu paradeiro”.

A polícia Federal na investigação
filmara o local denunciado.
Constatara que havia escravidão
e pessoas em cárcere privado.

Esperaram a melhor ocasião.
Souberam do jogo que haveria.
Misturaram-se com a multidão.
O melhor momento ali aconteceria.

Maria Rita tomou as rédeas da situação.
Os erros de seu pai, ela corrigiria.
Pagaria aos cativos indenização.
Quem ficasse ela contrataria.

Eu fiquei ao lado dela
até tudo ser resolvido
Depois fiz um pedido a ela:
“Se me aceitava por marido”?

A maioria dos escravizados
preferiram ficar no lugar.
Foram todos registrados
com dignidade trabalhar.

Que viagem mais bonita.
No caminhão sentia-me no céu.
Ia comigo Maria Rita.
Viajamos em lua de mel.

A história termina assim:
Um belo final feliz.
A felicidade junto a mim
porque meu amor ela quis.

Da escravidão fui liberto,
mas ficou prisioneiro meu coração.
Este caminhoneiro de nome Roberto
tornou-se escravo da paixão.

Autor: Roberto Dias Alvares.

 

 

6 ideias sobre “Caminhoneiro Prisioneiro – Fiat 190 H 6×2

  1. Evandro, espero que você e os leitores gostem do texto. Tenho outros prontos mas sempre usando caminhão, aventura e romance.
    Mais uma vez obrigado pela oportunidade e permitir que outras pessoas possam conhecer e ler meu trabalho.
    Grande abraço.

    • Roberto, estas crônicas são muito bacanas, muito bem elaboradas! O espaço está aberto ao amigo, sempre que quiser publicar. Ficamos no aguardo. Um grande abraço e grato por dividir seu trabalho conosco.

    • Julio, muito obrigado pelas suas palavras.
      Tenho já inúmeras histórias da estrada prontas e pelo alcance que este blog tem, tenho certeza que muitas pessoas tem oportunidade de conhecer minhas obras.
      Em breve iniciarei a publicação de algumas delas intituladas Aventuras pela América, relatando as aventuras de um carreteiro brasileiro dirigindo pelas diversas rodovias dos países sulamericanos, desde a Patagônia Argentina, passando por Chile, Bolívia, Peru entre outros. Aguarde.
      Grande abraço
      Roberto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete a conta. *