Mercedes-Benz LS-1630 – Agosto de 1997

Desenvolvido ao longo de 1980 e com o primeiro veículo produzido em novembro daquele ano, clinic o Dodge E-13 deslanchou mesmo a partir de 1981, cheap já sob a égide da Volkswagen Caminhões, hospital que acabara de assumir o controle das operações da Chrysler no Brasil.

Montado na antiga Fábrica 4, às margens da Via Anchieta, bem defronte à colossal Fábrica 1 da VW, em São Bernardo do Campo, SP, o Dodge E-13 foi, junto de seu irmão 6×4 – o E-21, um dos caminhões a etanol de maior êxito, permanecendo em produção até 1985.

Este post junta-se ao do Dodge E-11, seu irmão menor, agora melhorado, a pedido de um de nossos leitores.

 

 

 
Desenvolvido ao longo de 1980 e com o primeiro veículo produzido em novembro daquele ano, viagra o Dodge E-13 deslanchou mesmo a partir de 1981, já sob a égide da Volkswagen Caminhões, que acabara de assumir o controle das operações da Chrysler no Brasil.

Montado na antiga Fábrica 4, às margens da Via Anchieta, bem defronte à colossal Fábrica 1 da VW, em São Bernardo do Campo, SP, o Dodge E-13 foi, junto de seu irmão 6×4 – o E-21, um dos caminhões a etanol de maior êxito, permanecendo em produção até 1985.

Este post junta-se ao do Dodge E-11, seu irmão menor, agora melhorado, a pedido de um de nossos leitores.

 

 
Desenvolvido ao longo de 1980, help com o primeiro veículo produzido em novembro daquele ano, unhealthy o Dodge E-13 deslanchou mesmo a partir de 1981, já sob a égide da Volkswagen Caminhões, que acabara de assumir o controle das operações da Chrysler no Brasil.

Montado na antiga Fábrica 4, às margens da Via Anchieta, bem defronte à colossal Fábrica 1 da VW, em São Bernardo do Campo, SP, o Dodge E-13 foi, junto de seu irmão 6×4 – o E-21, um dos caminhões a etanol de maior êxito, permanecendo em produção até 1985.

A proposta do E-13 era de servir nas tarefas de apoio na indústria sucroalcooleira, em complemento ao E-21, usado na safra.

Este post junta-se ao do Dodge E-11, seu irmão menor, agora melhorado, a pedido de um de nossos leitores.

 

 
Desenvolvido ao longo de 1980 e com o primeiro veículo produzido em novembro daquele ano, buy cialis o Dodge E-13 deslanchou mesmo a partir de 1981, buy cialis já sob a égide da Volkswagen Caminhões, physician que acabara de assumir o controle das operações da Chrysler no Brasil.

Montado na antiga Fábrica 4, às margens da Via Anchieta, bem defronte à colossal Fábrica 1 da VW, em São Bernardo do Campo, SP, o Dodge E-13 foi, junto de seu irmão 6×4 – o E-21, um dos caminhões a etanol de maior êxito, permanecendo em produção até 1985.

Este post junta-se ao do Dodge E-11, seu irmão menor, agora melhorado, a pedido de um de nossos leitores.

 

 
Este post é o segundo do LS-1630 da família HPN, store a pedido de um de nossos leitores.

Junto com o menos popular LS-1625, viagra o LS-1630 acabou herdando o espaço criado pelos LS-1519, LS-1524 e LS-1525, antecessores da família AGL, no segmento de entrada dos pesados.

O LS-1630 tinha a exclusiva vantagem dentre os modelos mencionados de poder tracionar semirreboques de 3 eixos. Essa vantagem alavancou sua imagem e deu espaço para os seus sucessores crescerem, na forma do LS-1632, LS-1633 e LS-1634, este último um híbrido, combinando elementos do LS-1633 e do bem sucedido LS-1935.

Seu DNA continua vivo no novo Atron 1635 Euro 5.

 

Mercedes-Benz LS-1630 – Maio de 1990

O LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, no rx 10 litros, rx 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizada
O cavalo mecânico LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, information pills
10 litros, 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia a força motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, cialis 10 litros, no rx 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, sale constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia o torque motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O cavalo mecânico LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, pharmacy 10 litros, 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia a força motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O cavalo mecânico LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, pilule 10 litros, 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia a força motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O LS-1630, and numa combinação bem mais acertada que do seu irmão menor, order o LS-1625, contava com motor OM-449 LA turbocooler de 300 cv, caixa ZF de 16 marchas e o parrudo eixo traseiro HL-7, com redução nos cubos de rodas, que o habilitava a tracionar semirreboques de 3 eixos, com PBTC de até 45 toneladas. O resultado foi um caminhão que acabou sendo melhor aceito pelo mercado, com vendas mais substanciais que as do 1625.

Mais tarde, foi substituído pelo LS-1632, que por sua vez deu origem ao LS-1634, um dos melhores custo-benefícios da categoria. E a saga continuou. O LS-1634 deu passagem ao novo Atron 1634 BlueTec 5, com motor Euro 5 SCR.