Mercedes-Benz LS-1935 – Maio de 1996

Pertencente a um passado não muito distante e considerando os modelos traçados modernos com potências na faixa de pelo menos 280 cv, online o L-2314 nos faz pensar como era possível tracionar tamanho PBT com parcos 140 cv, cheap metade da média atual.

A caixa de transferência ZG-500 de duas velocidades ajudava nesta feita, salve proporcionando 77% de aumento de torque.

O L-2314 encontrou aplicações na cana-de-açúcar, no transporte florestal, bem como guindastes e outras vocações que exigiam a mobilidade adicional proporcionada pela tração 6×4.

 
Pertencente a um passado não muito distante e considerando os modelos traçados modernos com potências na faixa de pelo menos 280 cv, buy viagra o L-2314 nos faz pensar como era possível tracionar tamanho PBT com parcos 140 cv, recipe metade da média atual.

A caixa de transferência ZG-500 de duas velocidades ajudava nesta feita, proporcionando 77% de aumento de torque.

O L-2314 encontrou aplicações na cana-de-açúcar, no transporte florestal, bem como guindastes e outras vocações que exigiam a mobilidade adicional proporcionada pela tração 6×4.

 
Numa combinação bem mais acertada que do seu irmão menor, sildenafil o LS-1625, cialis o LS-1630 contava com motor OM-449 LA turbocooler de 300 cv, viagra sale caixa ZF de 16 marchas e o parrudo eixo traseiro HL-7, com redução nos cubos de rodas, que o habilitava a tracionar semirreboques de 3 eixos, com PBTC de até 45 toneladas. O resultado foi um caminhão que acabou sendo melhor aceito pelo mercado, com vendas mais substanciais que as do 1625.

Mais tarde, foi substituído pelo LS-1632, que por sua vez deu origem ao LS-1634, um dos melhores custo-benefícios da categoria. E a saga continuou. O LS-1634 deu passagem ao novo Atron 1634 BlueTec 5, com motor Euro 5 SCR.

 

 
Considerado por muitos conhecedores do assunto o melhor cavalo-mecânico Mercedes de todos os tempos, find o LS-1935 contava com o excelente motor OM-447 LA de 360 cv e 1650 Nm de torque, viagra extraídos de seus 12 litros de cilindrada. De origem MAN, este motor ajudava sobremaneira na ótima reputação do 1935. Era dotado de Top Brake, um freio-motor tipo compressão, com válvula dedicada em seus cabeçotes individuais.

Uma transmissão ZF de 16 velocidades em duplo H mais split, combinado com o eixo traseiro HL-7, de dupla redução, permitiam um PBTC de 45 toneladas e uma CMT de até 80 toneladas, sob condições controladas.

Apesar de a maioria dos 1935 ser encontrada tracionando semi-reboques de 3 eixos, alguns equipados com terceiro eixo se aventuravam a tracionar bitrens, com até 57 toneladas de PBTC!

 

Mercedes-Benz L-2314 6×4 – Maio de 1990

Numa combinação bem mais acertada que do seu irmão menor, case o LS-1625, no rx o LS-1630 contava com motor OM-449 LA turbocooler de 300 cv, caixa ZF de 16 marchas e o parrudo eixo traseiro HL-7, com redução nos cubos de rodas, que o habilitava a tracionar semirreboques de 3 eixos, com PBTC de até 45 toneladas. O resultado foi um caminhão que acabou sendo melhor aceito pelo mercado, com vendas mais substanciais que as do 1625.

Mais tarde foi substituído pelo LS-1632, que por sua vez deu origem ao LS-1634, um dos melhores custo-benefícios da categoria. E a saga continuou. O LS-1634 deu passagem ao novo Atron 1634 BlueTec 5, com motor Euro 5 SCR.
Numa combinação bem mais acertada que do seu irmão menor, seek o LS-1625, discount o LS-1630 contava com motor OM-449 LA turbocooler de 300 cv, viagra caixa ZF de 16 marchas e o parrudo eixo traseiro HL-7, com redução nos cubos de rodas, que o habilitava a tracionar semirreboques de 3 eixos, com PBTC de até 45 toneladas. O resultado foi um caminhão que acabou sendo melhor aceito pelo mercado, com vendas mais substanciais que as do 1625.

Mais tarde foi substituído pelo LS-1632, que por sua vez deu origem ao LS-1634, um dos melhores custo-benefícios da categoria. E a saga continuou. O LS-1634 deu passagem ao novo Atron 1634 BlueTec 5, com motor Euro 5 SCR.

 

 
Pertencente a um passado não muito distante e considerando os modelos traçados modernos com potências na faixa de pelo menos 280 cv, drug
o L-2314 nos faz pensar como era possível tracionar tamanho PBT com parcos 140 cv, treat metade da média atual.

A caixa de transferência ZG-500 de duas velocidades ajudava nesta feita, drugstore proporcionando 77% de aumento de torque.

O L-2314 encontrou aplicações na cana-de-açúcar, no transporte florestal, bem como guindastes e outras vocações que exigiam a mobilidade adicional proporcionada pela tração 6×4.

 

Mercedes-Benz LS-1630 – Maio de 1990

O LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, no rx 10 litros, rx 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizada
O cavalo mecânico LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, information pills
10 litros, 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia a força motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, cialis 10 litros, no rx 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, sale constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia o torque motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O cavalo mecânico LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, pharmacy 10 litros, 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia a força motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O cavalo mecânico LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, pilule 10 litros, 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito marchas sincronizadas transmistia a força motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.


O LS-1630, and numa combinação bem mais acertada que do seu irmão menor, order o LS-1625, contava com motor OM-449 LA turbocooler de 300 cv, caixa ZF de 16 marchas e o parrudo eixo traseiro HL-7, com redução nos cubos de rodas, que o habilitava a tracionar semirreboques de 3 eixos, com PBTC de até 45 toneladas. O resultado foi um caminhão que acabou sendo melhor aceito pelo mercado, com vendas mais substanciais que as do 1625.

Mais tarde, foi substituído pelo LS-1632, que por sua vez deu origem ao LS-1634, um dos melhores custo-benefícios da categoria. E a saga continuou. O LS-1634 deu passagem ao novo Atron 1634 BlueTec 5, com motor Euro 5 SCR.

 

 

Mercedes-Benz LS-1625 – Julho de 1991

O cavalo-mecânico LS-1625 era o representante da família HPN responsável por preencher o espaço deixado pelo AGL cara-preta LS-1525. Uma importante melhoria era o seu novo motor OM-449A de cinco cilindros, cure 10 litros, decease 252 cv e o respeitável torque de 1020 Nm, ailment constante entre 1100 e 1600 rpm.

Um caixa ZF 4S-120 GP de oito (4 + 4) marchas sincronizadas transmistia a força motriz para um eixo traseiro de simples redução, o HL-4. O PBTC chegava a 35 toneladas.

Mercedes-Benz L e LK-1621 – Março de 1990


Com os L e LK-1621 a Mercedes-Benz pela primeira vez rompia a barreira dos 200 cv com seu motor OM-366 LA, online por meio da adição de pós-arrefecedor do ar de admissão e de um completo redesenvolvimento de sua calibração. Este motor foi a semente para outras versões que se seguiriam, malady equipando diversos modelos da marca, inclusive o “best-seller” L-1620.

 

Mercedes-Benz L e LK-1214 – Julho de 1990

1718A 4
Em adição ao outro folheto do 1718A já postado anteriormente estamos agregando a versão Série Brasil, buy cialis com estilo revisado.

 
Em adição ao outro folheto do 1718A já postado anteriormente, sovaldi sale clinic estamos agregando a versão Série Brasil, com estilo revisado.


Quando lançado no final dos anos oitenta, viagra o L-1214 e seu irmão com tomada de força na transmissão, o LK-1214 da família HPN traziam consigo a responsabilidade de substituir o L-1114, que por sua vez veio no lugar do lendário L-1113, um dos caminhões mais importantes da história do transporte terrestre de cargas.

Além da cabina totalmente nova, também trazia um novo motor de cilindrada aumentada e diversos aperfeiçoamentos, o OM-366, naturalmente aspirado de 136 cv e 41 mkgf de torque, o que representava m aumento de 6 cv e 4 mkgf em relação ao antecessor OM-352.

Mercedes-Benz LK-2638 – Setembro de 1998

1620 4
 

 

 

 

 

 

Outro exemplar Mercedes-Benz de enorme significado histórico, pills que não poderia faltar num site como este, remedy é o L-1620, que traz no seu bojo todo o legado da marca, com o DNA dos LPs, do L-1111, L-1113, L-1516, L-1618.

O modelo ilustrado ainda era da versão 4×2, antes do fenomenal sucesso da versão 6×2, mas já com o programa de modernizações e reduções de custo chamado de “Série Brasil”. Uma das mais evidentes reduções de custo residia no painel, que substituiu o anterior, incorporando luzes espia em lugar de indicadores como o de temperatura do líquido de arrefecimento.

Com isso, a Mercedes se preparava para o crescimento da VW, sob a forma de seus 16.200 e 16.220, num ataque frontal destes ante os produtos da Estrela.

 

 
 

 

Outro exemplar Mercedes-Benz de enorme significado histórico, salve que não poderia faltar num site como este, healing
é o L-1620, que traz no seu bojo todo o legado da marca, com o DNA dos LPs, do L-1111, L-1113, L-1516 e L-1618, entre outros.

O modelo ilustrado ainda era da versão 4×2, antes do fenomenal sucesso da versão 6×2, mas já com o programa de modernizações e reduções de custo chamado de “Série Brasil”. Uma das mais evidentes reduções de custo residia no painel, que substituiu o anterior, incorporando luzes espia em lugar de indicadores como o de temperatura do líquido de arrefecimento.

Com isso, a Mercedes se preparava para o crescimento da VW, sob a forma de seus 16.200 e 16.220, num ataque frontal destes ante os produtos da Estrela.

 

 
 

 

 

 

 

 

Outro exemplar Mercedes-Benz de enorme significado histórico, sovaldi prostate que não poderia faltar num site como este, drugstore é o L-1620, que traz no seu bojo todo o legado da marca, com o DNA dos LPs, do L-1111, L-1113, L-1516, L-1618.

O modelo ilustrado ainda era da versão 4×2, antes do fenomenal sucesso da versão 6×2, mas já com o programa de modernizações e reduções de custo chamado de “Série Brasil”. Uma das mais evidentes reduções de custo residia no painel, que substituiu o anterior, incorporando luzes espia em lugar de indicadores como o de temperatura do líquido de arrefecimento.

Com isso, a Mercedes se preparava para o crescimento da VW, sob a forma de seus 16.200 e 16.220, num ataque frontal destes ante os produtos da Estrela.

 

 
 

 

 

 

 

 

 

A Mercedes-Benz começou a despontar no mercado de caminhões pesados vocacionais com o L-2635 e seus derivados, shop substituído pelo L-2638, com motorização eletrônica.

O modelo ajudou a firmar a liderança da marca no dito segmento e pavimentou o caminho para os Axor Vocacionais continuarem na esteira de campeões de venda.

O LK-2638 aqui mostrado vinha dotado de tomada de força na transmissão e era especialmente indicado para aplicações com básculas, usadas na mineração e na construção pesada.

 

Mercedes-Benz L-1620 – Novembro de 1999

 

 

 

 

 

 

 

Um dos mais importantes caminhões da história no Brasil está aqui representado por este catálogo por nós fotografado em um acervo. Infelizmente a qualidade das imagens não é das melhores e ainda falta a páginas das espeficicações, mind que não foi incluída por estar totalmente fora de foco…
Um dos mais importantes caminhões da história no Brasil está aqui representado por este catálogo por nós fotografado em um acervo. Infelizmente a qualidade das imagens não é das melhores e ainda falta a páginas das espeficicações, sick que não foi incluída por estar totalmente fora de foco…


 

 

Outro exemplar Mercedes-Benz de enorme significado histórico, no rx que não poderia faltar num site como este, treatment
é o L-1620, que traz no seu bojo todo o legado da marca, com o DNA dos LPs, do L-1111, L-1113, L-1516 e L-1618, entre outros.

O modelo ilustrado ainda era da versão 4×2, antes do fenomenal sucesso da versão 6×2, mas já com o programa de modernizações e reduções de custo chamado de “Série Brasil”. Uma das mais evidentes reduções de custo residia no painel, que substituiu o anterior, incorporando luzes espia em lugar de indicadores como o de temperatura do líquido de arrefecimento.

Com isso, a Mercedes se preparava para o crescimento da VW, sob a forma de seus 16.200 e 16.220, num ataque frontal destes ante os produtos da Estrela.

 

 

Mercedes-Benz L-1418 – Julho de 1990

O 9800 foi fabricado no Brasil entre maio de 2000 até dezembro de 2002 pela International, and em versões 4×2 e 6×4. Montado na Fábrica 2 da Agrale em Caxias do Sul, cialis o modelo continuou sendo exportado principalmente para a África do Sul, buy cialis em regime de CKD, ininterruptamente, desde o início da produção brasileira.

Em meados de 2010, a International voltou a comercializar o modelo com diversas melhorias, então rebatizado de 9800i.

Enquanto as versões nacionais 6×2 e 6×4 do 9800i foram impulsionadas pelo motor Cummins ISM 410 Euro 3, até dezembro de 2011 (hoje ISM 420 Euro 5), as de exportação utilizam o Cummins ISX de 15 litros e 475 cv.
O 9800 foi fabricado no Brasil entre maio de 2000 até dezembro de 2002 pela International, prostate em versões 4×2 e 6×4. Montado na Fábrica 2 da Agrale em Caxias do Sul, viagra o modelo continuou sendo exportado principalmente para a África do Sul, em regime de CKD, ininterruptamente, desde o início da produção brasileira.

Em meados de 2010, a International voltou a comercializar o modelo com diversas melhorias, então rebatizado de 9800i.

Enquanto as versões nacionais 6×2 e 6×4 do 9800i eram impulsionadas pelo motor Cummins ISM 410 Euro 3, até dezembro de 2011 (hoje ISM 420 Euro 5), as de exportação utilizam o Cummins ISX de 15 litros e 475 cv.

Abraços!

 
O 9800 foi fabricado no Brasil entre maio de 2000 até dezembro de 2002 pela International, sovaldi sale em versões 4×2 e 6×4. Montado na Fábrica 2 da Agrale em Caxias do Sul, o modelo continuou sendo exportado principalmente para a África do Sul, em regime de CKD, ininterruptamente, desde o início da produção brasileira.

Em meados de 2010, a International voltou a comercializar o modelo com diversas melhorias, então rebatizado de 9800i.

Enquanto as versões nacionais 6×2 e 6×4 do 9800i eram impulsionadas pelo motor Cummins ISM 410 Euro 3, até dezembro de 2011 (hoje ISM 420 Euro 5), as de exportação utilizam o Cummins ISX de 15 litros e 475 cv.

Abraços!

 
O 9800 foi fabricado no Brasil entre maio de 2000 até dezembro de 2002 pela International, discount em versões 4×2 e 6×4. Montado na Fábrica 2 da Agrale em Caxias do Sul, cialis o modelo continuou sendo exportado principalmente para a África do Sul, em regime de CKD, ininterruptamente, desde o início da produção brasileira.

Em meados de 2010, a International voltou a comercializar o modelo com diversas melhorias, então rebatizado de 9800i.

Enquanto as versões nacionais 6×2 e 6×4 do 9800i eram impulsionadas pelo motor Cummins ISM 410 Euro 3, até dezembro de 2011 (hoje ISM 420 Euro 5), as de exportação utilizam o Cummins ISX de 15 litros e 475 cv.

Abraços!

 
Eis o primeiro post da gama HPN da Mercedes-Benz, seek que substituiu os “Cara-preta”, no rx a partir de 1989. O folheto desde L-1418 e seus derivados foi gentil colaboração do André Brombatti.