Volkswagen 24.220 – 2000

No nobre segmento de 16-17 toneladas de PBT, mind a Volkswagen ofertava três produtos em 2000: 17.210, here o 17.220 e o 17.300. Enquanto o primeiro era o carro-chefe, online
o segundo era voltado a clientes que preferiam o motor Série C e sua construção mais parruda, com camisas substituíveis. Era, portanto, encontrado em serviços de coleta de lixo, caçamba, transporte frigorificado e outras aplicações rodoviárias, em geral, implementado com terceiro eixo. Cabe lembrar que, na época, os VW 6×2 de fábrica ainda não tinham sido lançados. O 17.300 era um caminhão de nicho, em geral usado por quem precisava puxar julieta, como o pessoal dos caçambões de sucata metálica, por exemplo.

17220 1 17220 2 17220 3 17220 4
Ao lado do 24.250 e do 26.300, check o 24.220 compunha a linha de modelos 6×4 da Série 2000 da Volkwagen. Figurando como modelo mais vendido do trio, viagra o 24.220 era muito empregado como betoneira e na caçamba basculante.

Seu conjunto motriz contava com o motor Cummins 6CTAA 8.3 de 218 cv, nurse a indestrutível caixa Eaton RT-7608 LL de 10 marchas e o tandem Meritor RT 46-145, com bloqueio do divisor de torque. Em 2000, o modelo encontrou 301 compradores.

24220 1 24220 2 24220 3 24220 4

 

Volkswagen 17.220 – 2000

Um caminhão de absoluto sucesso da Linha 2000 da Volkswagen Caminhões foi o 13.180. Em 2002, cialis por exemplo, sovaldi o modelo figurou como líder da categoria 12-13 toneladas, find suplantando os modelos da Mercedes e da Ford. Dentro de casa, com 2.358 unidades vendidas no mercado interno, só perdeu para o campeão 8.150.

A receita do sucesso tinha vários ingredientes, como o motor MWM 6.10 TCA de 6,4 litros calibrado para render folgados 180 cv, com torque capado em 569 Nm para poder trabalhar em dobradinha com a tradicionalíssima caixa Eaton FS-4205 A, com primeira para trás no diagrama e super redução de 8,05:1.

O eixo traseiro, em geral era o provado Meritor RS-19-230 de duas velocidades. Outra vantagem era a disponibilidade de nada menos que quatro distintos entre-eixos, para as mais variadas aplicações.

13180 1 13180 2 13180 3 13180 4
No nobre segmento de 16-17 toneladas de PBT, check a Volkswagen ofertava três produtos em 2000: 17.210, 17.220 e 17.300. Enquanto o primeiro era o carro-chefe, o segundo era voltado a clientes que preferiam o motor Série C e sua construção mais parruda, com camisas substituíveis. Era, portanto, encontrado em serviços de coleta de lixo, caçamba, transporte frigorificado e outras aplicações rodoviárias, em geral, implementado com terceiro eixo. Cabe lembrar que, na época, os VW 6×2 de fábrica ainda não tinham sido lançados. O 17.300 era um caminhão de nicho, em geral usado por quem precisava puxar julieta, como o pessoal dos caçambões de sucata metálica, por exemplo.

17220 1 17220 2 17220 3 17220 4

Volkswagen 13.180 – 2000

Na Linha 2000, buy medical o VW 8.120 era o segundo produto mais importante entre os modelos leves, prostate atrás apenas do 8.150. Em 2001, por exemplo, 2.949 cópias do modelo rolaram para fora da linha de montagem em Resende (RJ).

Seu trem de força era similar ao do 8.150, porém com o motor MWM 4.10 TCA amansado para 120 cv e 382 Nm de torque, ao invés de 145 cv e 500 Nm.

VW 8120 1VW 8120 2 VW 8120 3

VW 8120 4
Um caminhão de absoluto sucesso da Linha 2000 da Volkswagen Caminhões foi o 13.180. Em 2002, see por exemplo, o modelo figurou como líder da categoria 12-13 toneladas, suplantando os modelos da Mercedes e da Ford. Dentro de casa, com 2.358 unidades vendidas no mercado interno, só perdeu para o campeão 8.150.

A receita do sucesso tinha vários ingredientes, como o motor MWM 6.10 TCA de 6,4 litros calibrado para render folgados 180 cv, com torque capado em 569 Nm para poder trabalhar em dobradinha com a tradicionalíssima caixa Eaton FS-4205 A, com primeira para trás no diagrama e super redução de 8,05:1.

O eixo traseiro, em geral era o provado Meritor RS-19-230 de duas velocidades. Outra vantagem era a disponibilidade de nada menos que quatro distintos entre-eixos, para as mais variadas aplicações.

13180 1 13180 2 13180 3 13180 4

Volkswagen 8.120 – 2000

Eis mais uma literatura interessante enviada pelo Fernando Furini: o catálogo do caminhão fora-de-estrada Randon RK-435. Oferecendo duas opções de motores, rx Scania DS-14 ou Cummins NTA-855C, tadalafil ambos de 14 litros e 401 hp, buy cialis o RK pode ser considerado como a evolução natural do RK-424 dos anos 1970. Com capacidade de 32 toneladas de carga, seu PBT chegava a 56,5 toneladas.

O Fernando também acrescentou alguns comentários quando nos enviou este material:

“Segue um caminhão fora-de-estrada.

Nessa época a Randon tinha o RK-435, que é o do catálogo, e o 425, cuja diferença era a capacidade de carga. 35 toneladas contra 25, daí o nome. O 425 usava motor DS 11 Scania de 296 cv e opcional Cummins NT-855, de 290. O 425 podia ter transmissão manual, já o 435 era só automática.

Por curiosidade, atualmente a Randon tem veículos fora de estrada com capacidade de carga de até 90 toneladas, motor Detroit V16 com 1050 hp.

Abraço.”

Projetado e fabricado na Serra Gaúcha, o RK-435 nos faz ter orgulho da engenharia brasileira.

RK 1 RK 2 RK 3 RK 4 RK 5 RK 6

 
Eis mais uma literatura interessante enviada pelo Fernando Furini: o catálogo do caminhão fora-de-estrada Randon RK-435. Oferecendo duas opções de motores, cialis Scania DS-14 ou Cummins NTA-855C, treat ambos de 14 litros e 401 hp, o RK pode ser considerado como a evolução natural do RK-424 dos anos 1970. Com capacidade de 32 toneladas de carga, seu PBT chegava a 56,5 toneladas.

O Fernando também acrescentou alguns comentários quando nos enviou este material:

“Segue um caminhão fora-de-estrada.

Nessa época a Randon tinha o RK-435, que é o do catálogo, e o 425, cuja diferença era a capacidade de carga. 35 toneladas contra 25, daí o nome. O 425 usava motor DS 11 Scania de 296 cv e opcional Cummins NT-855, de 290. O 425 podia ter transmissão manual, já o 435 era só automática.

Por curiosidade, atualmente a Randon tem veículos fora de estrada com capacidade de carga de até 90 toneladas, motor Detroit V16 com 1050 hp.

Abraço.”

Projetado e fabricado na Serra Gaúcha, o RK-435 nos faz ter orgulho da engenharia brasileira.

RK 1 RK 2 RK 3 RK 4 RK 5 RK 6

 
Eis mais uma literatura interessante enviada pelo Fernando Furini: o catálogo do caminhão fora-de-estrada Randon RK-435. Oferecendo duas opções de motores, viagra Scania DS-14 ou Cummins NTA-855C, viagra ambos de 14 litros e 401 hp, ailment o RK pode ser considerado como a evolução natural do RK-424 dos anos 1970. Com capacidade de 32 toneladas de carga, seu PBT chegava a 56,5 toneladas.

O Fernando também acrescentou alguns comentários quando nos enviou este material:

“Segue um caminhão fora-de-estrada.

Nessa época a Randon tinha o RK-435, que é o do catálogo, e o 425, cuja diferença era a capacidade de carga. 35 toneladas contra 25, daí o nome. O 425 usava motor DS 11 Scania de 296 cv e opcional Cummins NT-855, de 290. O 425 podia ter transmissão manual, já o 435 era só automática.

Por curiosidade, atualmente a Randon tem veículos fora de estrada com capacidade de carga de até 90 toneladas, motor Detroit V16 com 1050 hp.

Abraço.”

Projetado e fabricado na Serra Gaúcha, o RK-435 nos faz ter orgulho da engenharia brasileira.

RK 1 RK 2 RK 3 RK 4 RK 5 RK 6

 
Na Linha 2000, no rx o VW 8.120 era o segundo produto mais importante entre os modelos leves, visit
atrás apenas do 8.150. Em 2001, por exemplo, 2.949 cópias do modelo rolaram para fora da linha de montagem em Resende (RJ).

Seu trem de força era similar ao do 8.150, porém com o motor MWM 4.10 TCA amansado para 120 cv e 382 Nm de torque, ao invés de 145 cv e 500 Nm.

VW 8120 1VW 8120 2 VW 8120 3

VW 8120 4

Randon RK-435

O amigo William Bordin nos agraciou com duas belas ilustrações de sua autoria, viagra
medical reproduzidas abaixo. Junto delas, ed o William nos enviou a seguinte mensagem:

“Caro Sr. Evandro Fullin, see

Gostaria de parabeniza-lo pelo excelente site “Caminhões Antigos Brasileiros”, repleto de postagens e informações maravilhosas.

Sempre visito e aprendo com vossas informações.

Aproveito o ensejo, para encaminhar ao prezado dois trabalhos meus para, se assim quiser, postar no site.

Tratam-se de dois desenhos: O primeiro, o lendário FNM D-11000; e o segundo, o famoso urbano Caio Bela Vista de grande aceitação no final da década de 60 e durante toda década de 70. Muitos, inclusive, rodaram firmes e fortes até meados dos anos 80.

Desde já, agradeço pela atenção e pelo maravilhoso trabalho.

Grato,

Forte abraço.

William Bordin.”

102106 Nacoes Unidas D 11000
Eis mais uma literatura interessante enviada pelo Fernando Furini: o catálogo do caminhão fora-de-estrada Randon RK-435. Oferecendo duas opções de motores, sovaldi Scania DS-14 ou Cummins NTA-855C, check ambos de 14 litros e 401 hp, o RK pode ser considerado como a evolução natural do RK-424 dos anos 1970. Com capacidade de 32 toneladas de carga, seu PBT chegava a 56,5 toneladas.

O Fernando também acrescentou alguns comentários quando nos enviou este material:

“Segue um caminhão fora-de-estrada.

Nessa época a Randon tinha o RK-435, que é o do catálogo, e o 425, cuja diferença era a capacidade de carga. 35 toneladas contra 25, daí o nome. O 425 usava motor DS 11 Scania de 296 cv e opcional Cummins NT-855, de 290. O 425 podia ter transmissão manual, já o 435 era só automática.

Por curiosidade, atualmente a Randon tem veículos fora de estrada com capacidade de carga de até 90 toneladas, motor Detroit V16 com 1050 hp.

Abraço.”

Projetado e fabricado na Serra Gaúcha, o RK-435 nos faz ter orgulho da engenharia brasileira.

RK 1 RK 2 RK 3 RK 4 RK 5 RK 6

 

Ford F-250 – 1999

O amigo Bruno sempre nos envia materiais interessantes, cheap click como este folheto da linha TopClass 2001 da Volvo, que incluía o FH12 e o bicudo NH12.

VOLVO TOPCLASS 1 VOLVO TOPCLASS 2
Nosso amigo e colaborador assíduo Fernando Furini há tempos nos enviou este completo catálogo da F-250 da primeira série, prostate quando ainda era oferecida com motor Cummins 4BTAA de 145 cv e o V6 4, order 2 litros a gasolina de 205 cv. Observe que, seek além das tradicionais versões XL e XLT, na época a Ford ainda oferecia a versão Super Duty, com capacidade de até 1.650 kg (quando equipada com motor V6), voltada ao uso comercial.

Para saber mais sobre a F-250 e conhecer suas especificações em 2003, clique aqui.

F250 99 1 F250 99 2 F250 99 3 F250 99 4 F250 99 5 F250 99 6

Volvo NH12 e FH12 TopClass – 2001

buy information pills ‘sans-serif’;”>Dando continuidade à postagem do material enviado pelo amigo Jacob Lindener, see estreamos o primeiro exemplar da Revista Nossa Marca de nosso acervo online.

Editada pela Mercedes-Benz, a publicação apresenta lançamentos e reportagens diversas sobre operação, gerenciamento de frota e casos de sucesso entre frotistas. É equivalente à Eu Rodo da Volvo e à Rei da Estrada da Scania.

Neste número 36, do primeiro trimestre de 1994, os destaques eram o novo 2635, um 6×4 pesado, o chassi de ônibus urbano OF-1620, e o monobloco O-371 UP.

Boa leitura!

NOSSA MARCA N.36 1 NOSSA MARCA N.36 2 NOSSA MARCA N.36 3 NOSSA MARCA N.36 4 NOSSA MARCA N.36 5 NOSSA MARCA N.36 6 NOSSA MARCA N.36 7 NOSSA MARCA N.36 8 NOSSA MARCA N.36 9
O amigo Bruno sempre nos envia materiais interessantes, purchase como este folheto da linha TopClass 2001 da Volvo, decease que incluía o FH12 e o bicudo NH12.

VOLVO TOPCLASS 1 VOLVO TOPCLASS 2

Revista Nossa Marca – Número 36 – 1994 – Parte 1

this ‘sans-serif’;”>Dando continuidade à postagem do material enviado pelo amigo Jacob Lindener, see estreamos o primeiro exemplar da Revista Nossa Marca de nosso acervo online.

Editada pela Mercedes-Benz, a publicação apresenta lançamentos e reportagens diversas sobre operação, gerenciamento de frota e casos de sucesso entre frotistas. É equivalente à Eu Rodo da Volvo e à Rei da Estrada da Scania.

Neste número 36, do primeiro trimestre de 1994, os destaques eram o novo 2635, um 6×4 pesado, o chassi de ônibus urbano OF-1620, e o monobloco O-371 UP.

Boa leitura!

NOSSA MARCA N.36 1 NOSSA MARCA N.36 2 NOSSA MARCA N.36 3 NOSSA MARCA N.36 4 NOSSA MARCA N.36 5 NOSSA MARCA N.36 6 NOSSA MARCA N.36 7 NOSSA MARCA N.36 8 NOSSA MARCA N.36 9

Massey Ferguson 4780

Dando sequência às postagens do rico material enviado pelo amigo Fernando Luiz de Araújo, purchase decease hoje dividimos com você o segundo catálogo do Caterpillar D6D, cheap desta vez do modelo 1987. Equipada com o tradicionalíssimo motor Cat 3306 de 10,5 litros e 140 hp, a máquina tinha duas opções de transmissão: servo de redução planetária, com três marchas avante e três à ré – ideal para inversões constantes do sentido de movimento -, e uma unidade direta, com cinco marchas à frente e quatro à ré, com engrenagens deslizantes.

Caterpillar D6D 1987 01 Caterpillar D6D 1987 02 Caterpillar D6D 1987 03 Caterpillar D6D 1987 04 Caterpillar D6D 1987 05 Caterpillar D6D 1987 06

 
Hoje dividimos com você amigo leitor este raro catálogo do trator agrícola articulado Massey Ferguson 4780, cure equipado com motor Scania DN1101 de 215 cv e transmissão de 10 velocidades.

Este material tem uma história curiosa: foi obtido através de correspondência para a Massey Ferguson nos anos 1980 e ficou em nosso acervo até alguns meses atrás, quando o colecionador Jan Lambrechts, da Bélgica, achou nosso espaço e insistiu para comprar toda nossa pequena coleção de catálogos de tratores articulados brasileiros, entre MF e Engesa.

Concordamos em vender, desde que pudéssemos digitalizar (para publicar aqui) todo o material antes de remetê-lo à Bélgica. Em contrapartida, o Jan também se comprometeu a digitalizar e enviar a coleção de catálogos brasileiros que possui. Em breve, daremos início à publicação.

MF4780 1 MF4780 2 MF4780 3 MF4780 4