Caminhões e Utilitários do Sul – Parte 3

Fruto da coletânea de interessantes imagens enviadas pelo amigo Daniel Girard, de Porto Alegre, trazemos hoje quatro caminhões exóticos e raros:

Mercedes LA-1113 alemão do Corpo de Bombeiros;

Mercedes LG-1819, um 6×6 militar;

MULAG de 1911, pertencente ao acervo do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul. Este caminhão - o único que se tem conhecimento no Brasil e um dos mais antigos também - era equipado originalmente com motor de 3 cilindros e 42 hp, com tração final por correntes e rodas raiadas revestidas de borracha maciça.

Terex UAI M1-50, um caminhão militar pesado de 5 toneladas de capacidade em qualquer terreno, com motor Scania de 11 litros;

Em breve postaremos mais imagens enviadas pelo Daniel.

L1113 ALEMÃO LG1819 MULAG 1911 UAI

 

Mercedes-Benz L-1319 AGL – Cara Preta – Junho de 1988

No final dos anos oitenta, o raro Mercedes L-1319 pavimentou o caminho para a chegada da nova gama HPN fornecendo à engenharia valiosas informações de campo sobre o comportamento do então novo motor OM-366 LA, neste caso ajustado para produzir 190 cv e 623 Nm de torque. Com isso, o 1319 foi o único semipesado AGL a contar com “intercooler” de fábrica.

Na sua retaguarda, trabalhavam uma caixa G-3/60-5/7,5 e um eixo HD-4/27 D-10, com relação de 4,875:1 (39:8), que lhe rendiam uma velocidade máxima de 104 km/h e capacidade de 27,6% de rampa, com o PBT de 13 toneladas.

O modelo ilustrado pertence ao nosso amigo leitor Rodrigo da Rocha de Azevedo, que gentilmente nos enviou as fotos aqui postadas. Note que interessante a plaqueta em inglês, da Mercedes norte-americana. Nela, pode-se observar alguns dados, como os pneus “10-22.5″, bem comuns nos EUA, e o curioso PBT (“GVW”) de 25.000 libras, ou 11.350 kg.

Enquanto o agradecemos pela gentil colaboração, esperamos ansiosos que o Rodrigo também nos forneça mais informações sobre o histórico deste importante e escasso Mercedes AGL.

L1319 0 L1319 1 L1319 2 L1319 3 L1319 4 L1319 5 L1319 6

Caminhões e Utilitários do Sul – Parte 2

Acompanhe a segunda parte das imagens enviadas por nosso amigo Daniel Girald, a quem agradecemos a gentileza.

Dentre os destaques:

Reunião de Chevrolet, raro Cross Lander CL244, Chevrolet D-60 Detroit Diesel, Dodge D-400, Dodge Dakota Básica, Dodge Dakota Quad-Cab (rara), Ford F-75 (ou Pick-Up Jeep?), Ford F-100 (1959-1962) quase único dono, Ford F-100 laranja (198x), Ford F-250 XLT 4×4, Ford F-100(0) “estilo mexicano”, Ford F-1000 Cabina Dupla típica do Sul, Ford F-1000 (Ram Cab) 4×4 Estação Meteorológica do Exército, Ford F-1000 (Ram Cab) Cabina Dupla, e uma dupla de Ford F-4000 (Ram Cab).

Amanhã tem mais.

 

 

CHEVYS CROSS LANDER CL244 D60 DDA DODGE D-400 DODGE DAKOTA BASICA DODGE DAKOTA QUAD-CAB F75 F100 F100 2 F250 4X4 F1000 F1000 CD F1000 ESTAC METEORO EB F1000 RAM CD F4000 2 F4000 RAM

 

 

 

 

Caminhões e Utilitários do Sul – Parte 1

Nosso amigo Daniel Girald, da bela capital gaúcha, nos enviou um grande sortimento de imagens de sua autoria, contemplando veículos comerciais, que variam de caminhões, a picapes, passando por ônibus, viaturas militares e algumas raridades de verdade.

Em sua maior parte, as legendas também são creditadas ao mesmo autor das imagens.

Esperamos que aprecie!

Amanhã teremos mais.

Ao Daniel, nosso agradecimento.

1720Mercedes 1720 numa fazenda de arroz, em Palmares do Sul, RS.9800 I RODOLATINAInternational 9800i 6×4 com Rodotrem da Rodolatina.AGRALE 6000 RDAgrale Furgovan 6000RD.AGRALE 6000 RS

Agrale Furgovan 6000RS.

AMALCABURIO ALCATRAZ
Amalcaburio Alcatraz.
ASIA MOTORS AM825
Asia Motors AM 825 Combi: baseado no Mazda Parkway, mas usava motor diesel VM italiano de 6 cilindros e 3,8 litros, de injeção indireta.
C10
Chevrolet C-10 de um comerciante de antiguidades do Brique da Redenção, em Porto Alegre, RS.
C815E
Ford Cargo 815e.
C6500
Chevrolet Brasil Série 6500, com Carroçaria Marcopolo, tudo ano 1961 e repotenciado com motor Mercedes OM-352.
CABRITA
VW Kombi “Cabrita” pertencente a um comerciante de antiguidades do Brique da Redenção, em Porto Alegre, RS.
CANTER
Mitsubishi Fuso Canter, o único avistado pelo Daniel em território nacional, com placas nacionais, flagrado em Pelotas, RS.
CHEVY 10
Chevrolet A ou C ou D-XX??
CHEVY BRASIL
Chevrolet Brasil 3100 fotografada nas imediações da Estação Fátima do Trensurb, em Porto Alegre, RS.

 

Os Chevrolet C-60 de “cair o queixo…!”

Nosso amigo Odair Faria Junior fez questão de nos enviar belíssimas fotos dos Chevrolet C-60 da Concreto Cortesia, da capital paulista.

O Odair também forneceu os seguintes detalhes:

“…Esses 4 Chevrolet C-60 em estado de 0km (são) de propriedade do Sr. Luis Loucateli, dono também da Concreto Cortesia, de um Peterbilt e de mais 200 caminhões de trabalho, muitos Ford Cargo velhos e novos de 4 eixos que vejo aqui pela Vila Prudente.”

Além do relato, Odair ainda nos enviou um um link com mais fotos e uma matéria completa sobre os caminhões: http://revista.webmotors.com.br/antigos/caminhoes-invadem-exposicao-de-antigos/1334080981601

Observe que na época da reportagem, em 2007, a coleção contava com três exemplares, assim descritos: “Chevrolet C-60 de anos 1972 (vermelho), 1973 (azul) e um 1974 (vinho)”. Aparentemente, o verde foi adicionado ao acervo mais tarde.

Há quem diiga nos encontros de antigos que estes caminhões são “over-restored”, ou seja ”super reformados”, termo usado para se referir a restaurações que resultam em veículos mais bonitos que quando saídos da fábrica.

Mas, com todo respeito aos críticos, estes Chevrolets são verdadeiras belezuras!

C60 1 C60 2 C60 3 C60 4 C60 5 C60 6 C60 7 C60 8 C60  11 C60 10 C60 12

 

 

 

 

Scania L75 e FNM D-11000

Esta semana tivemos a honra de receber a primeira colaboração feminina do site!
A Denise Chagas Baccon nos fez a gentileza de enviar imagens de caminhões de seu sogro e seu esposo, que publicamos a seguir, junto com suas explanações:
“Olá Evandro, seguem as fotos, a 1ª é o Pai do meu esposo Reinaldo Baccon, seu João Francisco Baccon, já falecido, com sua Scania L75/1959.
As outras, são os FNMs, meu esposo Reinaldo Baccon fanático por eles, o bege é D11000 ano 1963, o cavalo é um D11000 ano 1970, e o amarelo é outro D11000 ano 1972….
Denise Baccon”
Denise, obrigado pela simpatia e parabéns por ser a primeira mulher a colaborar com este espaço dedicado à memória do caminhão antigo nacional!
SCANIA L75 FNM D11000 1 FNM D11000 2 FNM D11000 3

Um Chevrolet D-40 inusitado…

Aparentemente, nada de mais. Bonito, mas apenas um Chevrolet D-40.

Uma inspeção mais cuidadosa, no entanto, como fez nosso amigo e colaborador assíduo Daniel Shimomoto de Araujo, revelou uma modificação de grande monta no trem dianteiro.

A tradicional suspensão independente Chevrolet, com braços articulados e molas helicoidais, cedeu lugar a um eixo tipo viga “I”, com molas semielípticas. Com isso, o D-40 ficou ”à prova de pivôs”, como bem definiu o Daniel! Talvez este tenha sido mesmo o real motivo da modificação.

Note o suporte do motor, criado em função da travessa dianteira que desapareceu.

Agora, resta descobrir quem foi que emprestou este eixo de duplo rebaixo (“double drop”) para o D-40…  Seria um Dodge D-400? Um VW 6.80/6.90? Ou ainda um F-350, antes da “Twin-I-Beam”? Lance sua aposta!

D40 1 D40 2 D40 3

 

 

Mercedes-Benz MB 180 D

De nossa querida capital gaúcha, onde este que aqui digita passou anos tão agradáveis anos, nos chegam imagens do furgão espanhol MB 180 D, enviadas por nosso amigo Daniel Girald, a quem agradecemos a gentileza.

O MB 180 D tem relevante importância histórica, pois marca a entrada da Mercedes-Benz no segmento semileve.

1 2 3

 

 

 

Bom humor, criatividade e talento: Chevrolet Amazona 1961

Nosso amigo Jairo Herrera, num momento de bom humor, criatividade, talento e descontração, construiu dois modelos em escala, em homenagem ao seu Chevrolet Amazona 1961, cujas fotos foram postadas anteriormente logo abaixo.

O primeiro, mais irreverente e divertido, veio acompanhado do seguinte texto do Jairo:

“Olha aí, Evandro!! Mandei fazer funilaria geral na Amazona…..
Também refiz o motor…dá uma olhada, vê o que acha :P
Só não pode molhar, nem encostar no fogo, hehehehehe
Abraço.”
Am2 Am3
Salientamos ao Jairo que, quando possível, seria bom dar uma examinada na cambagem das rodas, para evitar maiores problemas…
Logo depois, o Jairo decidiu abraçar um desafio ainda maior, com a proposta de fazer um modelo de radio controle de seu raro Chevrolet. A primeira imagem deste interessante desafio veio acompanhada da seguinte explanação:
“Decidi encarar o desafio e fazer uma versão em escala 10/1 pra transformar em rádio controle, ainda falta muito, mas estou chegando lá ;)
Am1
Com este post, estreamos no mundo das miniaturas e modelos de veículos comerciais, que também têm as portas abertas neste espaço.
Jairo, obrigado por dividir conosco este interessante projeto! Aguardamos mais fotos com a evolução do mesmo.
Boa semana!

 

 

Um Massey Ferguson diferente: 85X

Para aqueles que, como nós, pensavam que Massey Ferguson era sinônimo de motor Perkins, veio o amigo Daniel Shimomoto de Araujo em nosso socorro para iluminar o desconhecimento.

Nem todo Massey Ferguson antigo era dotado de Perkins, como mostram estas fotos de um Massey 85X obtidas na internet pelo Daniel.

Observe que seu motor é um MWM! Isso mesmo, o motor típico de seu principal concorrente, o Valmet.

Interessante notar a sua bomba injetora em linha, que ao olhar desatento, parece ter apenas três tubos de alta pressão (veja o primeiro tubo que segue pela frente), e a descontinuidade entre o motor e a transmissão, preenchida com uma placa adaptadora. Sua carenagem parece emprestada dos modelos de seis cilindros, como o 95X, a julgar pela enorme distância do ventilador ao radiador.

Reproduzindo o excelente texto preparado há alguns dias pelo Daniel e postado neste site, temos maiores detalhes sobre o 85X:

“Nas décadas de 60/70, a linha Massey era composta pelos modelos 50X, 55X e 65X, sendo o 50X estreitinho para a cafeicultura e os demais, de bitola larga. Todos com motor Perkins 3 cilindros de injeção indireta A3.152.

Quando a Massey lançou o 85 por volta de 1975, segundo relatos que escutei de pessoas mais antigas no ramo agricola, não existia o Perkins 4 cilindros (apenas o “Perkinho” 3 cilindros e o “Perkão” 6 cilindros), então a Massey teve que se contentar com o MWM D-225 utilizado pelos Valmet’s 85ID da época.

Em relação aos Massey 50, o 85 era bem superior pois tinha bloqueio de diferencial efetivo (e não apenas os freios) e um sistema de Tomada de Potencia por meio de embreagem dupla (a TDP não desligava com o pressionar da embreagem numa troca de marchas, por exemplo. O pedal tinha um “sobrecurso” a maior para desativar a TDP). E isso sem falar na comodidade da caixa de direção hidráulica!

A posição de pilotagem era algo incomum: O operador ia sentado lá em cima, com uma coluna de direção enorme saindo da lataria em direção ao operador. Uma espécie da plataforma de onde saiam os pedais e no centro as alavancas de câmbio e de reduzida. Para ligar o bloqueio de diferencial, por sua vez, havia uma alacanquinha embaixo do banco do operador. Essa alavanca frequentemente era retirada para evitar mau uso do sistema.

O 85 que tivemos na Fazenda tinha apenas 3 marchas, e a combinação desse câmbio com o motor MWM não ficou muito boa: A primeira e a segunda eram muito próximas e entre a segunda e a terceira, a relação de marcha deixava uma espécie de “buraco”. Como o MWM gosta de trabalhar com mais giro, a troca da segunda para a terceira marcha faz o trator literalmente engolir o ronco.

No solo firme, o 85 é uma excelente máquina, mas no solo fofo, eu achava que ele afundava um bocado e acabava perdendo a tração. E o eixo dianteiro dele é bastante fraco, sendo inadequado para o uso de plaina dianteira, em situações que requeiram maior esforço.”

Boa semana!

trator-massey-ferguson-85x_MLB-F-3774389547_022013 trator-massey-ferguson-85x_MLB-F-3774390018_022013 trator-massey-ferguson-85x_MLB-F-3774390715_022013 trator-massey-ferguson-85x_MLB-F-3774393856_022013 trator-massey-ferguson-85x_MLB-F-3774411047_022013