Comemorando o 1.000º post: VW Transporter – Década de 50

K1 K2 K3 K4 K5 K6 K7 K8 K9 K10

Depois que a lendária Kombi encerrou sua carreira como produto de linha no Brasil, viagra sale pharm em fins de 2013, ailment planejamos gradualmente resgatar sua memória, compartilhando literaturas como a do post de hoje, em merecidas homenagens a este ícone do mundo automotivo.

Para comemorar nosso milésimo post, reservamos um material especial. Parte do acervo de nosso grande amigo dos tempos de faculdade, Rodolfo Larine, este raríssimo catálogo da VW Transporter (ainda nem se chamava Kombi…) foi obtido por seu finado avó, em uma provável visita à concessionária Marcas Famosas, na capital bandeirante, no começo dos anos cinquenta. Observe as belíssimas gravuras e a riqueza de detalhes.

Levamos mais de dois anos para atingir esta marca de 1.000 posts, mas esperamos que os próximos 1.000 venham mais depressa.

A você, amigo leitor, nossa gratidão por nos acompanhar e nos apoiar nesta cruzada em prol da memória dos veículos comerciais brasileiros!

 

 

 

 

15 ideias sobre “Comemorando o 1.000º post: VW Transporter – Década de 50

  1. A LENDARIA KOMBI….BELISSIMOS DETALHES NOS DESENHOS,E TAMBÉM PARABÉNS PELOS 1.000 POSTS, OU SEJA “1.000 NOVAS EXPERIENCIAS ANTIGAS”…

    • Bem observado. A operação da VW ainda era muito incipiente no país. Se me recordo bem, hoje longe de minhas fontes de consulta, creio que nesta época a Brasmotor era quem montava os VW em importados em CKD. Obrigado.

    • Olá Daniel,
      parece que foi parcialmente abrasileirado esse catálogo, mas na época os dois “portugueses” eram mais semelhantes que o de hoje (coisa que essa malfadada reforma ortográfica só piora, em minha opinião). Termos como Travões, Tablier, Gasóleo entre outros causariam muita estranheza por cá.

      Outra curiosidade, é que essa versão microbus de luxo com janelas panorâmicas nunca foi fabricada aqui, lá fora era chamada de Samba, porém existiram várias versóes exclusivas brasileiras, como a Cabine Dupla a Diesel, 6 portas e a rara consultório Odontológico. Aqui em BH tem uma, vou fotografar.

      Abraço

      • Amigo Lucas, bem observado. Estes termos como os citados eram muito usados nas literaturas em português para o Brasil, desde os primórdios do mundo automotivo, como pudemos constatar durantes as pesquisas para nosso livro.

        Vamos ficar esperando pelas fotos.

        Obrigado por comentar.

        Abraço.

      • Já até fotografei uma Kombi de 6 portas em Florianópolis a uns anos atrás. Quanto aos termos usados em Portugal, alguns como “tablier” (mas pronunciado como “tabelier”) e “jante” ainda são usados em Pernambuco.

        • Daniel, embora raras de se ver por aí, as Kombi 6 portas são presença quase que garantida nos encontros de antigos. Curioso seu comentário em torno dos termos usados em Pernambuco. Não havia me dado conta deste fato. Grato por comentar.

  2. Evandro, uma curiosidade…voce prestou atenção nas relações de marcha dessas caixa de primeira não sincronizada da Kombi e Fusca? Observe a quarta mais longa que nas caixas sincronizadas, e a marcha ré extremamente reduzida!

    • Amigo Daniel, bem notado! O mesmo se aplica à redução final, de exagerados 6,2:1, para compensar a pequena potência e torque do motor. Lembrando que nas últimas Kombi 1.4 Flex, a primeira era de 3,8:1 e o diferencial 4,89:1, este último alongado em relação aos tradicionais 5,14:1 das Kombi 1.6 a ar. A propósito, esta alteração deu uma grande diferença na dirigibilidade do veículo, mais fraco em rampas e mais agradável em rodovias. Grato por comentar.

      • Evandro,

        lembre também que essas Kombis mais antigas (corujinhas) tinham ainda a famosa redução nos cubos de roda, pois compartilhavam a mesma caixa e motor do Sedan, apenas a caixa de marcha era montada invertida por conta dessa redução.

        Abraço

        • Lucas, bem lembrado! Com o direito ao lendário “tranquinho” na hora de sair…

          Se não me falha a memória, a coroa era montada do outro lado do pinhão, como você bem observou. Do contrário, seriam 4 marchas ré e 1 à frente!!!

          Grande abraço e grato por comentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete a conta. *