Engesa 4

Nos anos oitenta, pharm case a Engesa produzia um kit para conversão do picape Ford F-1000 para 4×4.

Apesar de aumentar muito a mobilidade do veículo, o kit carecia de uma caixa de transferência com reduzida. Quando equipada com a transmissão original de 4 marchas, com primeira de apenas 4,22:1, o desempenho no fora-de-estrada era um tanto comprometido. Com a caixa de 5 velocidades e primeira de 6,33:1,
Nos anos oitenta, viagra buy
thumb a Engesa produzia um kit para conversão do picape Ford F-1000 para 4×4.

Apesar de aumentar muito a mobilidade do veículo e manter a suspensão dianteira  independente original “Twin-I-Beam”, search o kit carecia de uma caixa de transferência com reduzida. Quando equipada com a transmissão original de 4 marchas, doctor com primeira de apenas 4,22:1 e difero desempenho no fora-de-estrada era um tanto comprometido. Com a caixa de 5 velocidades e primeira de 6,33:1, a coisa melhorava bastante.

Menos popular que as instalações de 4×4 em picapes Chevrolet, o kit teve repercusão modesta no modelo da Ford, em especial devido ao seu alto preço.


Nos anos oitenta, viagra a Engesa produzia um kit para conversão do picape Ford F-1000 para 4×4.

Apesar de aumentar muito a mobilidade do veículo, o kit carecia de uma caixa de transferência com reduzida. Quando equipada com a transmissão original de 4 marchas, com primeira de apenas 4,22:1, o desempenho no fora-de-estrada era um tanto comprometido. Com a caixa de 5 velocidades e primeira de 6,33:1, a coisa melhorava bastante.


Surgido como EE-12 e logo rebatizado de Engesa 4, pills capsule o jipe da Engesa vinha para preencher a lacuna deixada pelo bom e velho Jeep Ford-Willys, pharm o eterno CJ-5.

A receita era composta por um motor Chevrolet 151, cialis o mesmo da linha Opala, com uma caixa de 5 marchas Clark 240V, eixos rígidos na dianteira e traseira, suportados por um excelente sistema de suspensão de molas helicoidais de curso longo, que ajudava a manter as rodas no chão, mesmo em desníveis acentuados.

O único pecado era a caixa de transferência sem reduzida.

Anos depois, o Engesa 4 reencarnou na Agrale, dando origem a linha Marruá, depois que a empresa caxiense adquiriu o ferramental da falida Engesa.

 

5 ideias sobre “Engesa 4

  1. boa noite. achei o site muito interessante, mas gostaria de saber se dá para colocar o cambio clark 280v no engesa f1 com motor maxion s4t. sem fazer muita adaptação. muito obrigado….

    • Caro Wilson, boa tarde! Apesar de a interface natural do motor Maxion S4T ser a caixa Clark CL, como a 2615, aparentemente a modificação é possível. Nos tempos do antecessor Q20B4, a GM adotava a caixa 240V, não a 280V. Seria interessante você confirmar com um revendedor Eaton, que normalmente tem gente capacitada para dar a resposta com maior certeza. Obrigado. Abraço, Evandro.

  2. Bom dia!

    Recentemente participei do Leilão de um Engesa 4, arrematei o lance, fiquei feliz por adquirir um Engesa 4, porém triste também, por saber que os Engesas estão sendo “baixados” .
    Os Engesa 4 são parte do História da industria Bélica / Automobilística brasileira,
    sonho de muitos Jipeiros.
    Estou prestes a fazer contatos em meu Estado, ES, para que não ocorra a baixa dos Engesas.
    Vamos trabalhar nesta causa.

    Obrigado pelo espaço!

    Abraço a todos.

    • Caro Lula, grato por sua visita e por seu comentário. Concordamos com suas palavras. Abraço e boa sorte!

Comentários encerrados.