Fiat 190 Turbo

Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, health ao contrário do E-11 e E-13, health era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, pharm 2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.
Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, viagra site ao contrário do E-11 e E-13, visit web
era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, cialis 2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

 
Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, ampoule ao contrário do E-11 e E-13, pharmacy era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, sale 2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade do Chrysler V8 na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

 
 

O E-21, sovaldi ao contrário do E-11 e E-13, era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5,2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade do Chrysler V8 na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

Com este post completamos o trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

 
Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, doctor ao contrário do E-11 e E-13, discount era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, physician
2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade do Chrysler V8 na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

 
Na tentativa de participar do crescente mercado de caminhões pesados de cabina avançada, buy cialis dominado por Scania e Volvo, e sem opções domésticas ao alcance imediato, a Mercedes-Benz recorreu à importação do modelo 2038S da Alemanha, a partir do ano modelo 1996.

Era a resposta da Estrela de Três Pontas ao Scania R113 e ao Volvo FH 12 380, que também iniciara sua carreira no país como importado. Entrava no portfolio de pesados da marca, em adição aos LS-1935 e LS-1941.

O novo Mercedes 2038S foi apresentado ao público em fins de 1995 e era baseado no modelo alemão 1838 LS, membro da chamada linha SK, com diversos itens suprimidos para reduzir seu custo no mercado local.

Para se movimentar, o 2038S contava com um motor V8 a 90 graus de 14,6 litros, modelo OM-442 LA, biturbo intercooler, com potência de 381 cv a 2.100 rpm e torque máximo de 1.775 Nm a 1.200 rpm, Euro 1, ligado a uma transmissão Mercedes G-210-16, de dezesseis marchas com relações de 14,2 a 0,83:1 e um eixo HL-7, com redução de 4,034:1, que permitia ao 2038S atingir cerca de 115 km/h.

Dentre os itens remanescentes depois da cirurgia para redução de custos, destacavam-se o Top Brake, os freios ABS com tambores nas quatro posições, sistema automático de lubrificação central e a cabina alta de 2,04 metros de altura, para fazer frente ao Globetrotter da linha Volvo FH.

Seu substituto foi o Mercedes 1938S, produzido localmente e comercializado a partir de 2000.

O exemplar fotografado pertence à tradicional transportadora Covre, de Limeira-SP, empresa que possui um rico acervo de caminhões antigos. Esperamos visitá-los em breve para registrar suas raridades.

 

 
O Fiat 190 Turbo era equipado com o tradicional motor Fiat 8210 de 306 cv e 1.324 Nm, shop
números que o colocavam na vice-liderança de potência e torque, help perdendo apenas para o Scania T e R142 (até a chegada do Scania 112 Intercooler).

Dotado de uma caixa Fuller 9509B de 9 marchas, com redução total de mais de 17:1, o 190 Turbo tinha desempenho invejável, seja na velocidade máxima, como na capacidade de subida de rampa. Poucos caminhões exibiam os números do Fiat: 110 km/h de final, e quase 30% de rampa com 50 toneladas de PBTC.

Sua cabina era melhorada em relação ao Fiat 190 H do qual originava, incorporando várias amenidades para o conforto do motorista, incluindo rádio AM/FM, relógio digital com despertador e até um barbeador elétrico!

Mas, a Iveco já havia decidido deixar o país em 1983, dando um fim à curta vida do promissor 190 Turbo e todos os demais modelos da marca.

23 ideias sobre “Fiat 190 Turbo

  1. Acho que o unico inconveniente neste modelo era a caixa de marchas com relacoes muito distantes entre si apesar do diferencial bem reduzido, poderia ter sido muito melhora aproveitado com uma ZF de 16 velocidades como no 1929 e no volvo N10, N12 da epoca.

  2. PARABENS EVANDRO POR MAIS ESTE ACHADO…
    QUALQUER COMENTERIO DA MINHA PARTE DESSE CAMINHÃO É SUSPEITO,DEVIDO A IMENSA ADMIRAÇÃO QUE TENHO POR ESSE BRUTO,MAS CONCORDO COM O COMENTARIO DO AMIGO WILLIAN,UMA ZF SERIA MELHOR APROVEITADA,TANTO QUE NO MERCADO EUROPEU,TINHA ESSA OPÇÃO,EM MATERIA DE MOTOR,UMA OTIMA MAQUINA,PENA A FIAT TER ABANDONADO,ASSIM AOS POUCOS SUAS PEÇAS FICARAM RARAS,TENDO QUE OPTAR PELA REPONTECIALIZAÇÃO,NA MAIORIA USANDO SCANIA…
    DETALHE…COMO ERA BOM FAZER UMA EMBREAGEM NELE,NÃO PRECISAVA TIRAR A CAIXA…

  3. Desses ai aqui em Vitória existem alguns, puxando containers para o porto…Para apreciação de todos, envio 2 anúncios da época… Abraços

    • Caro Giori, obrigado pelos belos anúncios enviados! Vamos publicar hoje. Um grande abraço, Evandro.

  4. Olá pessoal boa noite, tenho um fietão 190 turbo ainda com o motor original, para vcs terem uma ideia os bicos são de 1982 os 6….. foi realmente um pena eles terem parado de serem produzidos, a única coisa que não e original e o diferencial que esta com o do 1938 longo, ficou muito bom reformei ele em 2002 e em 2006 coloquei uma caçamba nova.
    Gostaria de mandar umas fotos para que não conhece poder admirar um verdadeiro caminhão.
    abraços a todos.

  5. Boa Tarde, preciso do vidro da frente desse caminhão o parabrisa alguém sabe me indicar onde tem, por favor!!!

    • Caro Ewerton, não temos essa informação. Vamos deixar aqui postada sua solicitação, aguardando a ajuda de nossos leitores. Grato por nos visitar. Um abraço e boa sorte na sua busca. Obrigado, Evandro.

  6. Olá, tenho um desses que, infelizmente nao possui mais o fabuloso motor Iveco 8210.2, foi trocado por um Scania 111 turbo, alem do diferencial original, que por sinal era muito bruto, substituído por outro igualmente bruto, o Mafersa. Um carro danado de forte, com um chassis que aceita qualquer powerpack, diferencial, etc. O cambio Eaton-Fuller RT 8509 L, apesar de ser mais complicado para se entender com ele, é bem mais robusto que os ZF alemães, por ter menos componentes. Uma questão de mercado, caixa seca ou de “engate rápido”, como propala a Eaton, nao caíram no gosto do brasileiro…. realmente, temos muitos cruzamentos, transito horrível, estradas idem….até hj “tomo coça” (de vez em quando) dessas Eaton de engate rápido e em “W”, para complicar mais! Grande abraço e parabéns pelo site.

  7. O 190 era um bom caminhão desde que só andasse no asfalto liso. Ele tinha uma tara bem leve, mesmo tendo um motor de 14 litros (pesado), por isto o caminhão tinha problema nos buracos. Mas se alguém disser que ele era o segundo melhor caminhão (pesado) não é exagero. O rei daquela época era o Scânia…os Volvo não eram bons faltava assistência técnica, motor não era potente e não durava muito, os Mercedões esquentavam muito, eram desconfortáveis e o motor não durava. Já o 190 tinha um bom motor potente e durável, mas faltava assistência técnica e a falta de durabilidade. Já hoje mudou o melhor é o Volvo, seguido de perto pelo Scânia…

  8. ola amigos, possua um alfa 180 com uma caixa rt9509 e queria saber qual motor alem do fiat 190 fecha com a reduçao da rt, e se puderem me indicaremonde acho um motor 190 fico agradecido.

    • Olá, Carlos. A marca Scania tem muita força dentro do Grupo VW. Não creio que isso vá se passar. Obrigado por comentar.
      Um abraço.

  9. At´hoje se der manutenção e se tiver uma boa oficina para intercular este fietão, com canbio zf, ele ficaria com 330 cv com torque de 145 kf, com um motor de 14 lts, segura o velhinho……

Comentários encerrados.