Fiat 190H – 1979

Mais uma relíquia aguarda os cuidados de nosso amigo Alberto Rocchi. Trata-se de um pouco conhecido Chevrolet Spartan Série 100, order healing ano 1958.

O modelo que aparenta ser um 10503 da classe de 2 1/2 toneladas nominais, shop tinha um PBT de 25.000 libras, malady ou 11.350 kg, e PBTC de 48.000 libras, ou 21.800 kg, com eixos traseiros em tandem, rodas fundidas raiadas e freios pneumáticos, estes últimos de série.

A força motriz era proveniente de um novo motor Chevrolet para serviço pesado denominado de Workmaster 348, um V8 a gasolina de 5,7 litros, potência bruta de 233 cv a 4.400 rpm e torque bruto de 455 Nm a 2.800 rpm. É possível que os caminhões de exportação tenham sido equipados com motor diesel.

A cabina básica era a mesma da belíssima série “Marta Rocha”, introduzida como a segunda série de 1955, porém com a frente renovada com faróis quádruplos para a temporada de 1958. Este desenho seguiria inalterado até 1959.

Num tempo de importações suspensas e produção local em plena aceleração, é mesmo uma raridade encontrar um modelo 1958 importado como este.

Ao amigo Alberto Rocchi nossas sinceras saudações antigocaminhonistas e parabéns pela sua determinação de salvar estas preciosidades da reciclagem!
Mais uma relíquia aguarda os cuidados de nosso amigo Alberto Rocchi. Trata-se de um pouco conhecido Chevrolet Spartan Série 100, visit this site
ano 1958.

O modelo que aparenta ser um 10503 da classe de 2 1/2 toneladas nominais, cialis sale tinha um PBT de 25.000 libras, cialis ou 11.350 kg, e PBTC de 48.000 libras, ou 21.800 kg, com eixos traseiros em tandem, rodas fundidas raiadas e freios pneumáticos, estes últimos de série.

A força motriz era proveniente de um novo motor Chevrolet para serviço pesado denominado de Workmaster 348, um V8 a gasolina de 5,7 litros, potência bruta de 233 cv a 4.400 rpm e torque bruto de 455 Nm a 2.800 rpm. É possível que os caminhões de exportação tenham sido equipados com motor diesel.

A cabina básica era a mesma da belíssima série “Marta Rocha”, introduzida como a segunda série de 1955, porém com a frente renovada com faróis quádruplos para a temporada de 1958. Este desenho seguiria inalterado

até 1959.

Num tempo de importações suspensas e produção local em plena aceleração, é mesmo uma raridade encontrar um modelo 1958 importado como este.

Ao amigo Alberto Rocchi nossas sinceras saudações antigocaminhonistas e parabéns pela sua determinação de salvar estas preciosidades da reciclagem!
Mais uma relíquia aguarda os cuidados de nosso amigo Alberto Rocchi. Trata-se de um pouco conhecido Chevrolet Spartan Série 100, ask click ano 1958.

O modelo que aparenta ser um 10503 da classe de 2 1/2 toneladas nominais, look tinha um PBT de 25.000 libras, ou 11.350 kg, e PBTC de 48.000 libras, ou 21.800 kg, com eixos traseiros em tandem, rodas fundidas raiadas e freios pneumáticos, estes últimos de série.

A força motriz era proveniente de um novo motor Chevrolet para serviço pesado denominado de Workmaster 348, um V8 a gasolina de 5,7 litros, potência bruta de 233 cv a 4.400 rpm e torque bruto de 455 Nm a 2.800 rpm. É possível que os caminhões de exportação também tenham sido equipados com motor diesel.

A cabina básica era a mesma da belíssima série “Marta Rocha”, introduzida como a segunda série de 1955, porém com a frente renovada com faróis quádruplos para a temporada de 1958. Este desenho seguiria inalterado

até 1959.

Num tempo de importações suspensas e produção local em plena aceleração, é mesmo uma raridade encontrar um modelo 1958 importado como este.

Ao amigo Alberto Rocchi nossas sinceras saudações antigocaminhonistas e parabéns pela sua determinação de salvar estas preciosidades da reciclagem!

O raríssimo Ford F-900 ilustrado está sendo reformado por um de nossos amigos leitores, pharm Alberto Rocchi, pills que nos fez a cortesia de enviar fotos deste interessante projeto de restauração.

Segundo o Alberto, remedy o F-900 produzido nos Estados Unidos fazia parte de um lote de 10 caminhões que serviu na construção de Brasília.

Junto com os modelos F-1000 (não confundir com o picape nacional) e F-1100, o F-900 fazia parte do topo da linha F norte-americana.

O modelo ilustrado vinha equipado de série com um motor Ford V8 Torque King 332 a gasolina de 5,4 litros, 193 cv e 415Nm e seu PBTC era de 27.240 kg, um valor respeitável ao seu tempo. Os modelos de exportação eram equipados com motor diesel opcional, e Alberto – que adquiriu o caminhão sem motor – acredita que seu exemplar tenha sido assim fabricado.

Note que a  cabina é similar à empregada nos modelos brasileiros Super Ford, produzidos de 1962 a 1972. Os para-lamas tinham largura adicional para acomodar o eixo dianteiro de bitola e capacidade incrementada. As rodas eram raiadas e os freios pneumáticos.

Ele também nos explica que tenciona instalar um venerável motor Detroit 6V-53 (o mesmo do F-8500 nacional) em seu F-900.

Agradecemos ao Alberto por dividir conosco esta preciosidade e desde já deixamos aqui nosso pedido de novas fotos do andamento da restauração.

Certamente será sucesso garantido nos encontros de antigos e clássicos!

 

 

O raríssimo Ford F-900 ilustrado está sendo reformado por um de nossos amigos leitores, diagnosis Alberto Rocchi, que nos fez a cortesia de enviar fotos deste interessante projeto de restauração.

Segundo o Alberto, o F-900 produzido nos Estados Unidos fazia parte de um lote de 10 caminhões que serviu na construção de Brasília.

Junto dos modelos F-1000 (não confundir com o picape nacional) e F-1100, o F-900 fazia parte do topo da linha F norte-americana.

O modelo ilustrado vinha equipado de série com um motor Ford V8 Torque King 332 a gasolina de 5,4 litros, 193 cv e 415Nm e seu PBTC era de 27.240 kg, um valor respeitável ao seu tempo. Os modelos de exportação eram equipados com motor diesel opcional, e Alberto – que adquiriu o caminhão sem motor – acredita que seu exemplar tenha sido assim fabricado.

Note que a  cabina é similar à empregada nos modelos brasileiros Super Ford, produzidos de 1962 a 1972. Os para-lamas tinham largura adicional para acomodar o eixo dianteiro de bitola e capacidade incrementada. As rodas eram raiadas e os freios pneumáticos.

Ele também nos explica que tenciona instalar um venerável motor Detroit 6V-53 (o mesmo do F-8500 nacional) em seu F-900.

Agradecemos ao Alberto por dividir conosco esta preciosidade e desde já deixamos aqui nosso pedido de novas fotos do andamento da restauração.

Certamente será sucesso garantido nos encontros de antigos e clássicos!

 

 

Nosso amigo Bruno Camargo desta vez colaborou enviando o bonito anúncio da Série Horizontes da Scania, no rx lançada em agosto de 2001, sickness  oferecendo o novo motor eletrônico de 400 cv, see introduzido no mesmo ano. Dentre os inúmeros detalhes, o mais proeminente era a pintura na tradicional cor páprica, denominada Laranja Scania, reminscente dos “Jacarés”, dos anos sessenta a oitenta. A Série era voltada aos autônomos e pequenos frotistas.
Segundo o Bruno:
“Segue mais um material interessante de 12 anos atrás, a série especial Horizontes, com apenas 650 unidades. Tinha versão 360 e 400 cv.”
Espero que sirva, abraço!”
Certamente serve, Bruno. Obrigado.

Nosso amigo e colabroador de sempre, nurse André Giori, desta vez nos brindou com uma dupla de interessantes propagandas do robusto Fiat 190H, ambos de 1979.

Os anúncios falam por si só, trazendo vários detalhes interessantes sobre estas máquinas italianas produzidas em Duque de Caxias, RJ.

8 ideias sobre “Fiat 190H – 1979

  1. Eu me lembro que o anúncio do Fiat 190 H com semi-reboque carga seca saiu no número 2 da revista Boléia, de agosto de 1980

    • Daniel, idem! Sempre fiquei de boca aberta com sua insuperável capacidade de rampa com excelente velocidade máxima, graças ao motorzão de quase 14 litros e a deliciosa caixa não sincronizada com overdrive. Super máquina!!! Se tivesse $$$ gostaria de restaurar um para placa preta…

  2. Meu pai teve um… super maquina… motor maçarico ainda… andava muito só na subida que era devagar kkkk… porem rodava o brasil todo

  3. eu tenho un 190h truk 1977 e placa 1977 estou reformando todo original um dia fica pronto para curti kkkkkkkkkk1900000000000

    • Parabéns, Inácio! Salvem os Fiat! Somos fãs do 190H! Aliás, uma pena que, em geral, os Fiat sejam tão esquecidos pelos colecionadores. Sinceramente, se tivéssemos tempo, dinheiro e espaço, nossa garagem seria uma “Arca de Noé” Fiat Diesel. Teria um 70, um 80, um 120, um 130, um 180, um 210… Por favor, nos mande fotos de sua máquina para publicarmos aqui. Forte abraço e boa sorte na restauração!

      Obs: Em tempo, estamos na torcida para que seu motor seja original, o lendário Fiat 8.210!

Comentários encerrados.