FNM D-11000

Lançado em 1958, erectile em substituição ao D-9500, o D-11000 tornar-se-ia uma lenda do transporte rodoviário de cargas. Amado por uma legião de fãs, o FeNeMê deu inúmeras provas de resistência e longevidade. Ajudou e ainda ajuda a construir o Brasil que queremos. Seu ancestral, o D-7300 deve ser lembrado por todos como o primeiro caminhão fabricado no Brasil, no final dos anos 40.

Inicialmente com motor de 150 cv, ganhou um aumento de potência para 175 cv a 2.000 rpm, a partir de 1966. Nesta época, o motor FNM 9610 desenvolvia o torque máximo de 67 kgf.m a 1.400 rpm. Tinha seis cilindros em linha, 11.050 centrímetros cúbicos, três cabeçotes, bloco em liga de alumínio e virabrequim mantido em linha por conta de sete mancais.

Diversas versões atendiam a uma ampla variedade de aplicações: V-4, V-5, V-6,…V-17…, entre tantas.

Foi o primeiro caminhão brasileiro de fábrica a ser equipado com segundo eixo direcional, tão em voga nos dias de hoje, o chamado “bitruque”.

Dirigi-lo era um ato de amor, ou ódio. Os que entendiam as peculiaridades da máquina o adoravam, com sua caixa de oito marchas, divididas em duas gamas de quatro marchas, operadas por duas alavancas, que precisavam ser “cruzadas” em certas mudanças. Com o diferencial mais curto, de 10,48:1, as versões do final dos anos 60 chegavam a 53 km/h de velocidade máxima. O diferencial médio, de 8,75:1, deixava o D-11000 chegar a 63 km/h. O raro diferencial longo permitia atingir 90 km/h, com 6,05:1 de redução.

O PBT ficava em torno de 15 toneladas em 4×2, ou 23 toneladas no 6×2, variante V-12.

Certamente, também é o caminhão brasileiro com o maior número de apelidos de toda a história! Alfão, João Bobo, Fenemê, Barriga d’água,….etc! Carisma era o que não lhe faltava.

Em 1972, já comprada pela Fiat Diesel, a FNM encerrou a produção do D-11000, com mais de 30.000 unidades produzidas em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Hoje um grupo de entusiastas mantém um excelente e imbatível site sobre o FNM (veja em Links como acessá-lo), com história, fotos, relatos, e muitas informações de primeira qualidade.

O exemplar aqui registrado foi fotografado às pressas, nas proximidades de Navegantes, no belíssimo estado de Santa Catarina. Com vontade de ser Iveco (…), parecia a espera de um comprador com ansia e (recursos…) para trazê-lo de volta a ativa, ou simplesmente para curti-lo num domingo ensolarado.

Abraço,