Ford F-1000 4×4 Engesa

O GMC 900 é um clássico norte-americano que tem uma legião de fãs no Brasil.

Importado pela GM brasileira, tadalafil o caminhão era o rei da estrada em seu tempo, abortion
tracionando semirreboques de um a três eixos, num tempo em que não havia Scania, Volvo ou Mercedes-Benz em quantidades significativas por aqui.

Seus concorrentes eram principalmente os International Harvester, Mack e White, também de origem norte-americana.

O GMC 900 era equipado com o motor diesel GM 6-71 (mais tarde Detroit 6-71), de dois tempos, seis cilindros em linha, 6,98 litros, que desenvolvia excepcionais 200 hp a 2.000 rpm, com torque de 814 Nm entre 1.100 a  1.400 rpm. Havia também uma calibração de 225 hp a 2.100 rpm, com torque máimo de 814 entre 1.100 a 1.300 rpm, mais tarde revisado para 802 Nm a 1.300 rpm.

Estas imagens são uma cortesia do amigo Daniel Shimomoto de Araujo que sempre nos presenteia com preciosidades. Já desativado, o caminhão foi encontrado decorando o escritório do DER em São Paulo, simulando tracionar um semirreboque tipo prancha com um um Caterpillar, simulando o que devia ser uma de suas tarefas habituais.

 
O GMC 900 é um clássico norte-americano que tem uma legião de fãs no Brasil.

Fazia parte de uma família de modelos, online do 900 ao 980, pilule importada pela GM brasileira.

Num tempo em que não havia Scania, buy Volvo ou Mercedes-Benz em quantidades significativas por aqui, o GMC era o rei da estrada em seu tempo, tracionando semirreboques de um a três eixos,

Seus concorrentes eram principalmente os International Harvester, Mack e White, também de origem norte-americana.

O GMC 900 era equipado com o motor diesel GM 6-71 (mais tarde Detroit 6-71), de dois tempos, seis cilindros em linha, 6,98 litros, que desenvolvia excepcionais 200 hp a 2.000 rpm, com torque de 814 Nm entre 1.100 a  1.400 rpm. Usada nos modelos mais pesados, havia também uma calibração de 225 hp a 2.100 rpm, com o mesmo torque máximo de 814 Nm entre 1.100 a 1.300 rpm, mais tarde revisado para 802 Nm a 1.300 rpm.

Muitos chamavam estes caminhões de “GMC Marítimo”, por usarem um motor também empregado para a propulsão

Estas imagens são uma cortesia do amigo Daniel Shimomoto de Araujo que sempre nos presenteia com preciosidades. Já desativado, o caminhão foi encontrado decorando o escritório do DER em São Paulo, simulando tracionar um semirreboque tipo prancha com um um Caterpillar, simulando o que devia ser uma de suas tarefas habituais.

 
O GMC 900 é um clássico norte-americano que tem uma legião de fãs no Brasil.

Importado pela GM brasileira, viagra ask o caminhão era o rei da estrada em seu tempo, cialis tracionando semirreboques de um a três eixos, troche num tempo em que não havia Scania, Volvo ou Mercedes-Benz em quantidades significativas por aqui.

Seus concorrentes eram principalmente os International Harvester, Mack e White, também de origem norte-americana.

O GMC 900 era equipado com o motor diesel GM 6-71 (mais tarde Detroit 6-71), de dois tempos, seis cilindros em linha, 6,98 litros, que desenvolvia excepcionais 200 hp a 2.000 rpm, com torque de 814 Nm entre 1.100 a  1.400 rpm. Havia também uma calibração de 225 hp a 2.100 rpm, com torque máimo de 814 entre 1.100 a 1.300 rpm, mais tarde revisado para 802 Nm a 1.300 rpm.

Estas imagens são uma cortesia do amigo Daniel Shimomoto de Araujo que sempre nos presenteia com preciosidades. Já desativado, o caminhão foi encontrado decorando o escritório do DER em São Paulo, simulando tracionar um semirreboque tipo prancha com um um Caterpillar, simulando o que devia ser uma de suas tarefas habituais.

 
O GMC 900 é um clássico norte-americano que tem uma legião de fãs no Brasil. Fazia parte de uma família de modelos pesados, remedy sales do 900 ao 980, case importada pela GM brasileira.

Num tempo em que não havia Scania, Volvo ou Mercedes-Benz em quantidades significativas por aqui, o GMC era o rei da estrada em seu tempo, tracionando semirreboques de um a três eixos.

Seus concorrentes eram principalmente os International Harvester, Mack e White, também de origem norte-americana.

O GMC 900 era equipado com o motor diesel GM 6-71 (mais tarde Detroit 6-71), de dois tempos, seis cilindros em linha, 6,98 litros, que desenvolvia excepcionais 200 hp a 2.000 rpm, com torque de 814 Nm entre 1.100 a  1.400 rpm. Usada nos modelos mais pesados, havia também uma calibração de 225 hp a 2.100 rpm, com o mesmo torque máximo de 814 Nm entre 1.100 a 1.300 rpm, mais tarde revisado para 802 Nm a 1.300 rpm.

Muitos chamavam estes caminhões de “GMC Marítimo”, por usarem um motor também empregado para a propulsão naval.

Estas imagens são uma cortesia do amigo Daniel Shimomoto de Araujo que sempre nos presenteia com preciosidades. Já desativado, o caminhão foi encontrado decorando o escritório do DER em São Paulo, simulando tracionar um semirreboque tipo prancha com um um Caterpillar, simulando o que devia ser uma de suas tarefas habituais.

 
O GMC 900 é um clássico norte-americano que tem uma legião de fãs no Brasil. Fazia parte de uma família de modelos pesados, sovaldi do 900 ao 980, treatment importada pela GM brasileira.

Num tempo em que não havia Scania, case Volvo ou Mercedes-Benz em quantidades significativas por aqui, o GMC era o rei da estrada, tracionando semirreboques de um a três eixos.

Seus concorrentes eram principalmente os International Harvester, Mack e White, também de origem norte-americana.

O GMC 900 era equipado com o motor diesel GM 6-71 (mais tarde Detroit 6-71), de dois tempos, seis cilindros em linha, 6,98 litros, que desenvolvia excepcionais 200 hp a 2.000 rpm, com torque de 814 Nm entre 1.100 a  1.400 rpm. Usada nos modelos mais pesados, havia também uma calibração de 225 hp a 2.100 rpm, com o mesmo torque máximo de 814 Nm entre 1.100 a 1.300 rpm, mais tarde revisado para 802 Nm a 1.300 rpm.

Muitos chamavam estes caminhões de “GMC Marítimo”, por usarem um motor também empregado para a propulsão naval.

Estas imagens são uma cortesia do amigo Daniel Shimomoto de Araujo que sempre nos presenteia com preciosidades. Já desativado, o caminhão foi encontrado decorando o escritório do DER em São Paulo, simulando tracionar um semirreboque tipo prancha com um um Caterpillar, simulando o que devia ser uma de suas tarefas habituais.

 
Nos anos oitenta, order a Engesa produzia um kit para conversão do picape Ford F-1000 para 4×4.

Apesar de aumentar muito a mobilidade do veículo e manter a suspensão dianteira  independente original “Twin-I-Beam”, treatment o kit carecia de uma caixa de transferência com reduzida. Quando equipada com a transmissão original de 4 marchas, pills com primeira de apenas 4,22:1 e diferencial 3,54:1, o desempenho no fora-de-estrada era um tanto comprometido, com apenas 40% de capacidade de rampa. Com a caixa de 5 velocidades e primeira de 6,33:1, a coisa melhorava bastante.

Menos popular que as instalações de 4×4 em picapes Chevrolet, o kit teve repercusão modesta no modelo da Ford, em especial devido ao seu alto preço.

2 ideias sobre “Ford F-1000 4×4 Engesa

  1. Que material bacana Evandro! Sempre quis saber mais do que a Engesa fazia em termos de 4×4!!!!

    Muito legal MESMO!!!!

    • Obrigado, amigo Daniel! Temos mais material da Engesa para postar, todos muito interessantes. Aguarde. Um abração, Evandro.

Comentários encerrados.