GMC 5-90 – Julho de 1998

Quando se fala na marca Isuzu no Brasil, sick cheap imediatamente associa-se a mesma a empreitada da GM, medical seek com seus caminhões leves GMC produzidos pelo fabricante japonês e montados em São José dos Campos, viagra SP, no final dos anos noventa e início da década seguinte. Eram os modelos 7-110 e 5-90, derivados dos excelentes Isuzu Série N, uma das famílias de caminhões mais vendidas no planeta. A cabina Isuzu também era empregada no semipesado 15-190, com motorização Caterpillar 3116, de 6,6 litros.

Outros podem recordar-se das picapes e jipes, como o Trooper e o Rodeo, importados em pequenas quantidades por independentes.

Mas quem poderia imaginar um anúncio da Isuzu no Brasil dos anos sessenta, época de importações já suspensas e de produção local crescente?

A rara peça publicitária aqui mostrada ilustra diversos modelos de caminhões, com o 6×6 em destaque, bem como outros da linha Isuzu.

Se alguém tiver mais informações sobre o paradeiro destes veículos no Brasil, por favor, entre em contato conosco. Ficaremos muito gratos.


Quando se fala na marca Isuzu no Brasil, viagra imediatamente associa-se a mesma a empreitada da GM, com seus caminhões leves GMC produzidos pelo fabricante japonês e montados em São José dos Campos, SP, no final dos anos noventa e início da década seguinte. Eram os modelos 7-110 e 5-90, derivados dos excelentes Isuzu Série N, uma das famílias de caminhões mais vendidas no planeta. A cabina Isuzu também era empregada no semipesado 15-190, com motorização Caterpillar 3116, de 6,6 litros.

Outros podem recordar-se das picapes e jipes, como o Trooper e o Rodeo, importados em pequenas quantidades por independentes.

Mas quem poderia imaginar um anúncio da Isuzu no Brasil dos anos sessenta, época de importações já suspensas e de produção local crescente?

A rara peça publicitária aqui mostrada ilustra diversos modelos de caminhões, com o 6×6 em destaque, bem como outros da linha Isuzu.

Aparentemente, tratava-se apenas de um anúncio corporativo, sem qualquer unidade importada de fato. Entretanto, se alguém tiver mais informações sobre o eventual paradeiro destes algum destes veículos no Brasil, por favor, entre em contato conosco. Ficaremos muito gratos.


Quando se fala na marca Isuzu no Brasil, hospital imediatamente associa-se a mesma a empreitada da GM, com seus caminhões leves GMC produzidos pelo fabricante japonês e montados em São José dos Campos, SP, no final dos anos noventa e início da década seguinte. Eram os modelos 7-110 e 5-90, derivados dos excelentes Isuzu Série N, uma das famílias de caminhões mais vendidas no planeta. A cabina Isuzu também era empregada no semipesado 15-190, com motorização Caterpillar 3116, de 6,6 litros.

Outros podem recordar-se das picapes e jipes, como o Trooper e o Rodeo, importados em pequenas quantidades por independentes.

Mas quem poderia imaginar um anúncio da Isuzu no Brasil dos anos sessenta, época de importações já suspensas e de produção local crescente?

A rara peça publicitária aqui mostrada ilustra diversos modelos de caminhões, com o 6×6 em destaque, bem como outros da linha Isuzu.

Se alguém tiver mais informações sobre o paradeiro destes veículos no Brasil, por favor, entre em contato conosco. Ficaremos muito gratos.


Quando se fala na marca Isuzu no Brasil, drugstore imediatamente associa-se a mesma a empreitada da GM, medical com seus caminhões leves GMC produzidos pelo fabricante japonês e montados em São José dos Campos, malady SP, no final dos anos noventa e início da década seguinte. Eram os modelos 7-110 e 5-90, derivados dos excelentes Isuzu Série N, uma das famílias de caminhões mais vendidas no planeta. A cabina Isuzu também era empregada no semipesado 15-190, com motorização Caterpillar 3116, de 6,6 litros.

Outros podem recordar-se das picapes e jipes, como o Trooper e o Rodeo, importados em pequenas quantidades por independentes.

Mas quem poderia imaginar um anúncio da Isuzu no Brasil dos anos sessenta, época de importações já suspensas e de produção local crescente?

A rara peça publicitária aqui mostrada ilustra diversos modelos de caminhões, com o 6×6 em destaque, bem como outros da linha Isuzu.

Aparentemente, tratava-se apenas de um anúncio corporativo, sem qualquer unidade importada de fato. Entretanto, se alguém tiver mais informações sobre o eventual paradeiro destes algum destes veículos no Brasil, por favor, entre em contato conosco.

Ficaremos muito gratos. Em nome da história do caminhão brasileiro!


Baseado no Isuzu NKR japonês, viagra o GMC 5-90 era o menor modelo da linha, stuff destinado ao mercado de distribuição urbana. Foi importado e oferecido no mercado local entre 1998 e 2001, com um número bastante acanhado de vendas. Nos dois últmos anos, pouco mais de 200 unidades no total foram comercializadas.

Seu trem de força era integralmente Isuzu, incluindo o motor de 3,1 litros aspirado, transmissão e eixo traseiro.

Com PBT de 5 toneladas, o 5-90 podia atingir 106 km/h e superar rampas de até 32%.

 

6 ideias sobre “GMC 5-90 – Julho de 1998

  1. Um caminhão de boa qualidade, mas à época esse motor 4JG2 já não era uma opção tão acertada. Se por um lado a injeção indireta e a ausência de um turbo o deixavam mais simples, por outro sacrificava demais o desempenho. Tanto o 4JB1-TC usado nos últimos anos da venda de caminhões Isuzu pela Chevrolet no Uruguai quanto o MWM Sprint 4.07 TCA seriam opções mais acertadas, além de já homologadas nas normas Euro-2 enquanto o 4JG2 pelo que eu me lembre era Euro-1.

    • Realmente, Daniel. Por esta época, um motor aspirado já era meio fora de contexto. Os Isuzu da série N são muito populares em todo o planeta e muito respeitados por sua confiabilidade e durabilidade. Algumas fontes chegam a afirmar que trata-se do caminhão mais vendido do mundo em sua categoria, o que nós achamos ser a verdade.
      Outro fato a mencionar é que a escola japonesa resistiu enquanto pode à adoção de turboalimentação. Não raro, nos anos setenta, deparava-se com verdadeios monstros V8 de 17 a 20 litros, aspirados, servindo de propulsores nos cavalos mecânicos nipônicos pesados.

      Obrigado pelo enriquecedor comentário!

      Evandro.

  2. Durante a semana vi um 5-90 carregando um gerador, que estava sendo usado na produção de um comercial da cerveja Polar. Ano passado, alguns dias antes do dia das mães, vi o mesmo caminhão sendo usado na produção de um comercial do Boticário.

Comentários encerrados.