GMC 900 (1947 – 1954)

Outra raridade da linha Mercedes-Benz AGL é o L-2017, viagra sale
ampoule discount também produzido em pequenas quantidades, drugs sickness pilule principalmente para brigar com os modelos 6×2 originais de fábrica da Ford, como o Cargo 2218T e 2319.

O L-2017 era construído com base no L-2014, com suspensão tipo bogie na traseira, e motor turbo OM-352A de 145 cv (NBR). Com entre eixo de 4.830 mm, o 6×2 pesava 6.360 kg e lidava com um PBT de 22.000 kg, o que lhe dava o direito de ser batizado de L-2217, mas a Mercedes preferiu não confundi-lo com o 6×4 de mesmo nome, e deixando o glamour para o L-2318 que estava saindo do forno, no início dos anos noventa.

As imagens obtidas depois de muita pesquisa são crédito de nosso amigo Paulo Henrique Lebedenco, do site parceiro http://merce-denco.blogspot.com.br/.


Outra raridade da linha Mercedes-Benz AGL é o L-2017, for sale também produzido em pequenas quantidades, viagra principalmente para brigar com os modelos 6×2 originais de fábrica da Ford, como o Cargo 2218T e 2319.

O L-2017 era construído com base no L-2014, com suspensão tipo bogie na traseira, e motor turbo OM-352A de 145 cv (NBR). Com entre eixo de 4.830 mm, o 6×2 pesava 6.360 kg e lidava com um PBT de 22.000 kg, o que lhe dava o direito de ser batizado de L-2217, mas a Mercedes preferiu não confundi-lo com o 6×4 de mesmo nome, e deixando o glamour para o L-2318 que estava saindo do forno, no início dos anos noventa.

As imagens obtidas depois de muita pesquisa são crédito de nosso amigo Paulo Henrique Lebedenco, do site parceiro http://merce-denco.blogspot.com.br/.


Outra raridade da linha Mercedes-Benz AGL é o L-2017, viagra também produzido em pequenas quantidades, buy cialis principalmente para brigar com os modelos 6×2 originais de fábrica da Ford, como o Cargo 2218T e 2319.

O L-2017 era construído com base no L-2014, com suspensão tipo bogie na traseira, e motor turbo OM-352A de 145 cv (NBR). Com entre eixo de 4.830 mm, o 6×2 pesava 6.360 kg e lidava com um PBT de 22.000 kg, o que lhe dava o direito de ser batizado de L-2217, mas a Mercedes preferiu não confundi-lo com o 6×4 de mesmo nome,  deixando o glamour para o L-2318 que estava saindo do forno, no início dos anos noventa.

As imagens obtidas depois de muita pesquisa são crédito de nosso amigo Paulo Henrique Lebedenco, do site parceiro http://merce-denco.blogspot.com.br/.


O GMC 900 é um clássico norte-americano que tem uma legião de fãs no Brasil. Fazia parte de uma família de modelos pesados, cialis do 900 ao 980, treat importada pela GM brasileira.

Num tempo em que não havia Scania, buy Volvo ou Mercedes-Benz em quantidades significativas por aqui, o GMC era o rei da estrada, tracionando semirreboques de um a três eixos.

Seus concorrentes eram principalmente os International Harvester, Mack e White, também de origem norte-americana.

O GMC 900 era equipado com o motor diesel GM 6-71 (mais tarde Detroit 6-71), de dois tempos, seis cilindros em linha, 6,98 litros, que desenvolvia excepcionais 200 hp a 2.000 rpm, com torque de 814 Nm entre 1.100 a  1.400 rpm. Usada nos modelos mais pesados, havia também uma calibração de 225 hp a 2.100 rpm, com o mesmo torque máximo de 814 Nm entre 1.100 a 1.300 rpm, mais tarde revisado para 802 Nm a 1.300 rpm.

Muitos chamavam estes caminhões de “GMC Marítimo”, por usarem um motor também empregado para a propulsão naval.

Estas imagens são uma cortesia do amigo Daniel Shimomoto de Araujo que sempre nos presenteia com preciosidades. Já desativado, o caminhão foi encontrado decorando o escritório do DER em São Paulo, simulando tracionar um semirreboque tipo prancha com um um Caterpillar, o que devia ser uma de suas tarefas habituais.

 

6 ideias sobre “GMC 900 (1947 – 1954)

    • Prezada Maria, vamos postar uma foto do caminhão Fargo dos anos cinquenta, conforme seu pedido. Obrigado por nos visitar. Evandro.

  1. O GMC Maritimo para época era o caminhão com acabamento de cabine melhor com a descarga saindo pela lateral e o posicionamento para o alto com um tampa na ponta do cano quando acelerava ela subia, sem falar o ronco do motor .

    • Amigo Baptista, estamos 100% de acordo. Meu finado pai chegava a estacionar nas serras, só para ouvirmos o som do GM dois tempos! Espetacular. Abraço e grato por nos visitar e comentar.

    • Que legal, Cesar! Parabéns pela aquisição. Mande fotos para publicarmos aqui, quando puder. Obrigado.

Comentários encerrados.