Homenagem a uma valente: VW Kombi

O anúncio que vemos abaixo é uma gentil colaboração do nosso amigo Davi Cabral, more about que sempre nos prestigia com seus comentários enriquecedores.

O então líder do segmento de leves ganhou esta cabina em 1972, que duraria até 1992. Fazia parte do programa ’72 Truck da Ford e, ao longo dos vinte anos em que foi produzida, ganhou várias melhorias e facelifts, até ser substituída pela “RAM Cab”, em 1993.

O F-4000 foi um grande sucesso que deixou muita gente com saudade, com sua morte decretada em 2011, devido ao não atendimento aos novos limites de emissões previstos pelo Proconve P7, equivalente ao Euro 5.

Obrigado, Davi, pela ajuda!

 
Não, capsule
a Kombi não é um caminhão! Você tem razão. E como tal, não deveria figurar neste site, já que há outros bem melhores dedicados ao tema.

No entanto, a Kombi é um ícone nacional e internacional. Amada ou odiada, a Kombi brasileira faz parte do nosso dia-a-dia há 55 anos, comemorados no último dia 2 de setembro. São mais de cinco décadas de produção ininterrupta e mais de 1,5 milhão de unidades produzidas em São Bernardo do Campo.

A ideia genial de se fazer um utilitário com a mecânica do Fusca rendeu frutos e até mesmo suplantou em vida útil o próprio VW Sedan. Imbatível em custo benefício, criticada por jornalistas especializados, amada por milhões de brasileiros, a Kombi é um dos poucos veículos capazes de carregar quase seu próprio peso, em termos de carga útil. Seu concorrente mais próximo custa quase o dobro.

Muitas famílias foram criadas com receitas geradas por uma Kombi. Muitos de nós chegaram à escola, com chuva ou sol, ano após ano, a bordo de uma Kombi. Muito do que consumimos está agora à nossa volta graças a uma Kombi. O leite, a verdura, o jornal, o móvel, a água mineral, ou seja lá o que você imaginar.

Durante esta semana faremos não um réquiem, ainda, mas uma singela e merecida homenagem a este fabuloso utilitário que ficará para sempre em nossas mentes e corações, mesmo com seu fim decretado para o final de 2013, por conta do air-bag, (e do ABS) mandatório pela legislação local, e de difícil viabilização no veículo.

 

4 ideias sobre “Homenagem a uma valente: VW Kombi

  1. Não é assim tão difícil adaptar o ABS na Kombi, talvez nem o airbag, mas acabaria encarecendo demais. Por incrível que pareça, o jeito é torcer para algum fabricante chinês desconhecido tenha a “ousadia” de começar a fazer cópias da Velha Senhora como hoje fazem aos montes da Toyota Hiace…

    • Daniel, a Kombi há muito foi abandonada pela casa que a produz, que estritamente atende aos limites legais, e somente a produz no sabor “plain vanilla”. Há quem diga que a linha Kombi é até constrangedora para a VW nos dias de hoje. Mas vende 2 mil cópias por mês, com zero verbas de marketing e ainda é a campeã de vendas do segmento, com quase o dobro do volume da Ducato…

Comentários encerrados.