Massey Ferguson 235 Estreito

Hoje trazemos a segunda parte da apostila enviada pelo amigo Reginaldo Bernardi, store cialis   a quem oferecemos nossos sinceros agradecimentos.

 

 
Hoje trazemos a segunda parte da interessante apostila enviada pelo amigo Reginaldo Bernardi, pharm  a quem oferecemos nossos sinceros agradecimentos.

C 12 C 13 C 14 C 15 C 16 C 17 C 18 C 19 C 20 C 30

 
Hoje trazemos um post sobre o Massey 235 Estreito, discount uma máquina agrícola desenhada para a operação nas ruas de largura limitada de culturas como os cítricos e o café.

O 235 tinha no seu DNA células do venerável 50X, medicine
incluindo o motor Perkins 3.152 de 2,7 litros, bom para produzir 44 cv, ou até 40 cv na tomada de força. Ao contrário do 50X de 6 marchas, no entanto, o 235 já contava com transmissão de quatro marchas com reduzida, totalizando oito velocidades avante.

MF 235E 1 MF 235E 2

15 ideias sobre “Massey Ferguson 235 Estreito

  1. Evandro, meu amigo!

    Senti-me prestigiado em ver o folder do Massey 235 estreito. Na Fazenda chegamos a ter 4 deles, sendo 3 deles idênticos ao do folder. O outro era mais moderno, tinha os paralamas “quadrados” e embreagem dupla (o pedal tem dois cursos – um deles para a transmissão e apertando-se um pouquinho mais, desliga-se a tomada de força – por sinal consta como opcional no folder).

    O 235 é uma máquina incrível, robusta e econômica. O fato de ser extremamente simples – tanto a tomada de força quanto a bomba hidráulica deixam de funcionar quando se pisa embreagem – fazem do 235 uma máquina boa para ensinar a trabalhar com tratores. A tomada de força ligada ao cambio (uma roçadeira girando sob inércia simplesmente empurra o trator, mesmo estando pisado na embreagem – lembre-se que a TDP é acoplada diretamente ao conjunto de transmissão), o sistema hidraulico que cede ao pressionar a embreagem fazem da operação de um 235 básico uma arte de pilotagem. E ao mesmo tempo uma máquina incrivelmente barata de se manter. Até os freios são do tipo a tambor, no lugar dos caros sistemas de discos banhados a óleo.

    Hoje os todos os 235 tem aplicação extremamente restrita. Os implementos aumentaram de tamanho, peso e potencia requerida e hoje praticamente a potencia mínima de um trator tem que ser de 65cv. Entretanto o 235 ainda apresenta um papel de destaque em pequenas propriedades.

    • Amigo Daniel, que bom que tenha apreciado!

      Certamente me lembrei do amigo ao postar. Aliás, com seus comentários, você já se tornou o consultor oficial de máquinas agrícolas deste espaço, já que este que aqui digita tem limitadíssima experiência com as mesmas, confinada ao Massey 50X do sítio que tínhamos em Piumhi, MG.

      Aliás, esta percepção do sistema hidráulico que cede ao pisar na embreagem era mesmo sentida na pele também no “Cinquentinha”… Um grande prazer foi aprender a trocar de marchas andando, prática facilitada pelo aprendizado anterior no Toyota 1978. Outra memória viva do 50X foi o fato dele operar, por meses com anéis quebrados e sopro do cárter nas alturas, “babando” óleo pela vareta medidora, sem balbuciar, naqueles tempos de orçamento justo. Só a partida que era mais difícil.

      Bela maquininha que deixa MUITA saudade.

      Grande abraço e um ótimo sábado de inverno.

      • Evandro, esse comentário seu sobre o seu 50X de anéis quebrados me fez lembrar da única (e grande) “errada” que cometi nos serviços de retifica que eu mandava fazer (era eu quem dizia o que fazer ou não e o que e quais peças trocar – fiz 10 motores, sendo 8 diesel dessa maneira). E foi justamente em um 235, o mais surrado da frota que me fez comenter um grande erro.

        Certa vez esse trator, o “dois” como o chamavamos, começou a misturar água com óleo e precisei trocar a juntas do cabeçote. Como o motor assoprava e babava óleo para todo lado e vendo o aspecto geral da camisa, confesso que me animei e mandei proceder uma troca de anéis.

        Montado o motor, tudo ficou redondinho, sem ruidos estranhos mas a alegria durou apenas 2 dias: Ai foi a parte de baixo que não aguentou a maior compressão e resolveu “apresentar as contas”.

        • Daniel, que interessante!

          Na época, também cometi uma “erra”! Trabalhava na Cummins e já tinha feito 1001 cursos de motores, mas não me dei conta que aquela babação de óleo era anormal. Operávamos a máquina como se não tivesse nada errado, somente completando o óleo e “pelejando” para dar a partida no Perkinho…em especial no inverno. Somente quando vendemos o sítio de porteira fechada, o novo proprietário veio esbravejando com a conta do motor com anéis quebrados…! Bom domingo e um abraço.

  2. Só a titulo de informação as ultimas séries dos MF 50x já eram cambio com quarta marcha, inclusive tenho um 50x ano 1975 de quatro marchas.

    • Amigo Sergio, que interessante. Nós tivemos um 1964 que ainda tinha as três marchas com reduzida. Aliás, um espetáculo de maquininha. Ser tiver algum material do modelo para postarmos ficaríamos gratos (fotos, catálogos, manuais, etc). Um abraço e ótimo domingo.

      • Eu justamente iria pedir informações sobre o 50x, mas fica a dica,se conseguir alguma coisa postra pra nós vermos vlw

  3. Gostaria de saber, qual a potencia do trator massey 235, quais os implementos posso acoplar, e serviços posso fazer com ele? Sou de Formiga, mg, próximo a Piunhi, um comentarista deste site.
    Estou querendo comprar um 235, e é será o meu primeiro trator, portanto não entendo de trator, apenas vontade de ter um no sitio de 30 hectares.

    • Caro Junior, a potência do 235 é a que aparece no folheto, ou seja 44 cv. Em geral estas máquina trabalham bem com arado de 2 discos, grade de 18 ou 20 discos, carreta de 1 eixo e roçadeira. Estes são os implementos mais usuais. Um abraço.

    • Caro Michel, o manual do motor Perkins 3.152 que equipa seu trator indica a utilização de óleo SAE 30, mas não faz referência à classe API. Portanto, qualquer óleo SAE 30 de boa qualidade deixará seu Perkins feliz. Se o motor estiver cansado, recomendo pular para o SAE 40. Um abraço e boa sorte com a máquina!

  4. Rapaz sou de camanducaia mg tenho um massey 50x 1965 muito conservado. Gostei muito das informações postadas aqui.vocês estão de parabéns.mas minha dúvida é : o motor e a mecânica em geral do 50x é igual do 235? Com exceção do câmbio que o 50x São três e o 235 São quatro marchas.
    Abraço.

    • Olá, André, bela máquina o 50X. Nós tivemos um 1964, em Piumhi (MG), nos anos 80. Infelizmente não tenho a informação de que deseja. Vou precisar pesquisar. Grato pela visita.
      Um abraço.

      • Como trocar o rolamentos do diferencial é da tomada de força do trator 235mf se não estraga a carcaça queria informações urgente obrigado.

  5. tenho um massey ferguson 235 ano 1982, é possível colocar embreagem dupla nele ?

Comentários encerrados.