Massey Ferguson 296

Ducato-01 Ducato-02 Ducato-03 Ducato-04 Ducato-05 Ducato-06

Nosso amigo e colaborador frequente Lucas Vieira, purchase de Minas Gerais, advice nos fez a gentileza de enviar um interessante material sobre o Fiat Ducato em sua primeira versão apresentada no Brasil. Além dos folhetos, viagra Lucas também deu uma aula sobre Ducato, a qual reproduzimos a seguir:

“Olá, Evandro,

Estou enviando anexado ao e-mail, alguns folhetos que sobre o lançamento do Fiat Ducato no Brasil, em 1998, ainda importados da Itália em com motor 2.5 aspirado. Em 2000 a produção foi nacionalizada na Fábrica de Sete Lagoas da Iveco, e o modelo passou a utilizar o motor Iveco/Sofim 2.8, nas versões aspirada (89 cv), Turbo (103 cv) e Turbo Intercooler (122 cv), as mesmas do Iveco Daily. Em 2006 a primeira atualização da carroceria, com o modelo 244 (o do catálogo é a versão 230) e o motor passou a contar com gerenciamento eletrônico e 127 cv. Em 2009 o motor foi trocado pelo Multijet F1A, com 2.3 L e a mesma potência, de 127 cv, e em 2012 foi trocado novamente de motor, pelo F1A Euro 5, com EGR e a mesma potência de 127 cv.

Sou feliz proprietário de 2 modelos, um 230 turbo 2004 e um 244 Multijet 2011, ambos rodando todos os dias no transporte de universitários em Belo Horizonte. São veículos bem valentes, sobretudo o motor 2.8, que dizem ultrapassar facilmente os 1 milhão de km, o meu está com 300.000 km, mas sem fumaça e consumo 0 de óleo lubrificante, acho que vai longe! O Multijet ainda com apenas 140.000 km, mas funcionando como novo.

O destaque negativo desses veículos em minha opinião, apenas a suspensão dianteira, bastante frágil, exigindo constante substituição das buchas, coxins e pivôs, correia dentada, que exige atenção constante e acabamento, a portas traseiras a laterais se desregulam com frequência e a bateção chega a incomodar. O resto é só alegria, principalmente o consumo de combustível, média de 10km/l na cidade e 12 na estrada! Pneus dianteiras, simples alinhamento constante e excessos na arrancada, evitam o desgaste.

Abraço!”

Obrigado, amigo Lucas, pelo excelente relato.
Ducato-01 Ducato-02 Ducato-03 Ducato-04 Ducato-05 Ducato-06

Nosso amigo e colaborador frequente Lucas Vieira, capsule de Minas Gerais, viagra
nos fez a gentileza de enviar um interessante material sobre o Fiat Ducato em sua primeira versão apresentada no Brasil. Além dos folhetos, Lucas também deu uma aula sobre Ducato, a qual reproduzimos a seguir:

“Olá, Evandro,

Estou enviando anexado ao e-mail, alguns folhetos que sobre o lançamento do Fiat Ducato no Brasil, em 1998, ainda importados da Itália em com motor 2.5 aspirado. Em 2000 a produção foi nacionalizada na Fábrica de Sete Lagoas da Iveco, e o modelo passou a utilizar o motor Iveco/Sofim 2.8, nas versões aspirada (89 cv), Turbo (103 cv) e Turbo Intercooler (122 cv), as mesmas do Iveco Daily. Em 2006 a primeira atualização da carroceria, com o modelo 244 (o do catálogo é a versão 230) e o motor passou a contar com gerenciamento eletrônico e 127 cv. Em 2009 o motor foi trocado pelo Multijet F1A, com 2.3 L e a mesma potência, de 127 cv, e em 2012 foi trocado novamente de motor, pelo F1A Euro 5, com EGR e a mesma potência de 127 cv.

Sou feliz proprietário de 2 modelos, um 230 turbo 2004 e um 244 Multijet 2011, ambos rodando todos os dias no transporte de universitários em Belo Horizonte. São veículos bem valentes, sobretudo o motor 2.8, que dizem ultrapassar facilmente os 1 milhão de km, o meu está com 300.000 km, mas sem fumaça e consumo 0 de óleo lubrificante, acho que vai longe! O Multijet ainda com apenas 140.000 km, mas funcionando como novo.

O destaque negativo desses veículos em minha opinião, apenas a suspensão dianteira, bastante frágil, exigindo constante substituição das buchas, coxins e pivôs, correia dentada, que exige atenção constante e acabamento, a portas traseiras a laterais se desregulam com frequência e a bateção chega a incomodar. O resto é só alegria, principalmente o consumo de combustível, média de 10km/l na cidade e 12 na estrada! Pneus dianteiras, simples alinhamento constante e excessos na arrancada, evitam o desgaste.

Abraço!”

Obrigado, amigo Lucas, pelo excelente relato.
Ducato-01 Ducato-02 Ducato-03 Ducato-04 Ducato-05 Ducato-06

Nosso amigo e colaborador frequente Lucas Vieira, viagra de Minas Gerais, buy viagra nos fez a gentileza de enviar um interessante material sobre o Fiat Ducato em sua primeira versão apresentada no Brasil. Além dos folhetos, hospital Lucas também deu uma aula sobre Ducato, a qual reproduzimos a seguir:

“Olá, Evandro,

Estou enviando anexado ao e-mail, alguns folhetos que sobre o lançamento do Fiat Ducato no Brasil, em 1998, ainda importados da Itália em com motor 2.5 aspirado. Em 2000 a produção foi nacionalizada na Fábrica de Sete Lagoas da Iveco, e o modelo passou a utilizar o motor Iveco/Sofim 2.8, nas versões aspirada (89 cv), Turbo (103 cv) e Turbo Intercooler (122 cv), as mesmas do Iveco Daily. Em 2006 a primeira atualização da carroceria, com o modelo 244 (o do catálogo é a versão 230) e o motor passou a contar com gerenciamento eletrônico e 127 cv. Em 2009 o motor foi trocado pelo Multijet F1A, com 2.3 L e a mesma potência, de 127 cv, e em 2012 foi trocado novamente de motor, pelo F1A Euro 5, com EGR e a mesma potência de 127 cv.

Sou feliz proprietário de 2 modelos, um 230 turbo 2004 e um 244 Multijet 2011, ambos rodando todos os dias no transporte de universitários em Belo Horizonte. São veículos bem valentes, sobretudo o motor 2.8, que dizem ultrapassar facilmente os 1 milhão de km, o meu está com 300.000 km, mas sem fumaça e consumo 0 de óleo lubrificante, acho que vai longe! O Multijet ainda com apenas 140.000 km, mas funcionando como novo.

O destaque negativo desses veículos em minha opinião, apenas a suspensão dianteira, bastante frágil, exigindo constante substituição das buchas, coxins e pivôs, correia dentada, que exige atenção constante e acabamento, a portas traseiras a laterais se desregulam com frequência e a bateção chega a incomodar. O resto é só alegria, principalmente o consumo de combustível, média de 10km/l na cidade e 12 na estrada! Pneus dianteiras, simples alinhamento constante e excessos na arrancada, evitam o desgaste.

Abraço!”

Obrigado, amigo Lucas, pelo excelente relato.
Ducato-01 Ducato-02 Ducato-03 Ducato-04 Ducato-05 Ducato-06

Nosso amigo e colaborador frequente Lucas Vieira, sale de Minas Gerais, nos fez a gentileza de enviar um interessante material sobre o Fiat Ducato em sua primeira versão apresentada no Brasil. Além dos folhetos, Lucas também deu uma aula sobre Ducato, a qual reproduzimos a seguir:

“Olá, Evandro,

Estou enviando anexado ao e-mail, alguns folhetos sobre o lançamento do Fiat Ducato no Brasil, em 1998, ainda importados da Itália em com motor 2.5 aspirado. Em 2000 a produção foi nacionalizada na Fábrica de Sete Lagoas da Iveco, e o modelo passou a utilizar o motor Iveco/Sofim 2.8, nas versões aspirada (89 cv), Turbo (103 cv) e Turbo Intercooler (122 cv), as mesmas do Iveco Daily. Em 2006 a primeira atualização da carroceria, com o modelo 244 (o do catálogo é a versão 230) e o motor passou a contar com gerenciamento eletrônico e 127 cv. Em 2009 o motor foi trocado pelo Multijet F1A, com 2.3 L e a mesma potência, de 127 cv, e em 2012 foi trocado novamente de motor, pelo F1A Euro 5, com EGR e a mesma potência de 127 cv.

Sou feliz proprietário de 2 modelos, um 230 turbo 2004 e um 244 Multijet 2011, ambos rodando todos os dias no transporte de universitários em Belo Horizonte. São veículos bem valentes, sobretudo o motor 2.8, que dizem ultrapassar facilmente os 1 milhão de km, o meu está com 300.000 km, mas sem fumaça e consumo 0 de óleo lubrificante, acho que vai longe! O Multijet ainda com apenas 140.000 km, mas funcionando como novo.

O destaque negativo desses veículos em minha opinião, apenas a suspensão dianteira, bastante frágil, exigindo constante substituição das buchas, coxins e pivôs, correia dentada, que exige atenção constante e acabamento, a portas traseiras a laterais se desregulam com frequência e a bateção chega a incomodar. O resto é só alegria, principalmente o consumo de combustível, média de 10km/l na cidade e 12 na estrada! Pneus dianteiras, simples alinhamento constante e excessos na arrancada, evitam o desgaste.

Abraço!”

Obrigado, amigo Lucas, pelo excelente relato.
296 1 296 2 296 3 296 4

Em seu tempo, ampoule o 296 era a máquina 4×2 mais poderosa da linha Massey, buy viagra com seu motor Perkins A6.354.4 de 5, capsule 8 litros e 115 cv. No entanto, sua bela aparência acentuada pelo capô alongado era ofuscada pela expansão dos modelos 4×4, já em franca preferência dos agricultores nesta faixa de preço e potência. Este catálogo de nosso acervo está sendo postado a pedido do amigo leitor Carlos.

 

 

17 ideias sobre “Massey Ferguson 296

  1. Sensacional. O MF 296 é até hoje muito admirado. Máquina robusta, com cubos redutores traseiros semelhantes ao MF 299 e, mais tarde, MF 298, diferente do 295 e 297.
    Muito obrigado.

  2. Muito interessante, voces nao tem algum catalogo do mf 285 pra postar, eu nunca achei nada sobre ele… Desde ja muito obrigado.

    • Caro Maicon, este nós não temos. Quem sabe algum amigo leitor? Vamos torcer. Abraço

  3. Conheci o 296 na cor amarela, ano 1982, me falaram na época que era “serie industrial”, alguém sabe se é isso mesmo? tenho uma foto dele, vou mandar pro site, um abraço.

    • Fernando, obrigado pela foto. Vamos ver se nossos amigos sabem de algo sobre esta linha amarela. Abraço.

      • Também já vi Massey Ferguson amarelo (um 275) e também ouvi dizer tratar-se de uma linha industrial.

  4. Olha, eu já vi 295 ou 296 (agora não tenho certeza qual era, mas era um desses pelo tamanho) e era amarelo, 4×2. mas como era do DAER, eu sempre acreditei que fosse padronizado na cor deles, uma personalização. se pesquisar MF industrial no google, aparecem alguns tratores, mas no brasil só retroescavadeiras. No fim, falei um monte e não ajudei em nada! hahaha

    • Então amigo tbm já vi dois amarelos do DAER,um com uma roçadeira e o outro no rolo compactador.Meu pai trabalhou anos na CINTEA uma firma parecida com o Daer q teve aqui no RS a mtos anos atrás,lá ele disse q tinha vários desses e eles nem eram considerados agricolas e sim industriais.Me parece q na mesma época em q a CINTEA adquiriu esses tratores o DAER tbm adquiriu e tem até hoje alguns deles em péssimas condições trabalhando.Detalhe q o DAER ñ adquire máquinas a mais de 20 anos e esses 296,as Cat 120,HWB 165S,MB 1113 continuam desde aquela época até hj abaixo do mau tempo

  5. VCS ESTAO DE PARABENS,VI O SITE E ME INDENTIFIQUEI COM TUDU E ME LEMBREI DO TEMPO DE CRIANÇA NO QUAL EU IA NAS CONCESSIONARIOS COM MEU PAI E PEGAVA VARIOS FOLHETOS DE TRATORES,ISSO CRIANÇA,TENHO VARIOS FOLHETOS DE TRATORES ANTIGOS GUARDADOS COMO RELIQUIAS,TAMBEM TENHO UM MF 296 4X4 1986,UM VALMET 128 4X4 1987,UM FORD 6610 1987,E UM CHEVROLET D60 1968 6X2 QUE TRANSPORTA ELES E FOIDE UM UNICO DONO ANTES DE MIM,MEU CAMINHÃO E MEUS TRATORES SAO MUITO BEM CUIDADOS.

    • Pablo, que legal! Puxa, é bom saber que eu não era o único menino pedindo catálogos nas concessionárias por aí! Se não for pedir muito, por favor, faça como muitos de nossos colegas aficionados. Envie fotos de suas máquinas para eternizá-las e divulgá-las para todos nós. O mesmo se aplica aos catálogos, claro. Muito grato pelo relato e parabéns pela frota memorável.

    • Divulga o folheto do 296 4×4, por favor. Gosto muito desse trator. Provavelmente deve ser da Série 300.00. Seremos gratos.

  6. Pra quem gosta de MF 296, no YouTube tem um vídeo com um turbinado. Ficou uma supermáquina. É só colar na pesquisa TRATORMEC MF 296 TURBO MOTOR NOVO.

  7. Hello,
    I want to find a massey ferguson 296 year 1989 and 4X4 drive parts supplier,
    who has know one has a transmission parts for this model of tractor?
    Thanks.

Comentários encerrados.