MB 180 D: um Mercedes-Benz espanhol com DNA da DKW

Corria o início dos anos noventa e no teatro dos comerciais leves, o domínio do eterno VW Kombi e suas variantes parecia finalmente ameaçado com a chegada dos primeiros lotes de vans e furgões diesel sul-coreanos, capiteneados pela Kia Besta (ou “Best A”) e pela finada Asia Motors, com seu modelo Topic.

Eram um salto quântico em relação ao já idoso projeto do VW Tipo 2, mais conhecido por Kombi, ou simplesmente “Perua”, pelos mais antigos.

A Mercedes-Benz assistia às movimentações, observando tudo do alto de seus modelos que começavam com as abundantes e nem sempre necessárias 7 toneladas brutas do Mercedinho LN-2.

Havia uma oportunidade para a Estrela de Três Pontas descer para as profundezas do segmento de 3.500 kg de PBT, por meio da exótica MB 180 D, na época o único Mercedes fabricado fora da Alemanha, exceto os modelos sãobernardenses.

Pausa. Volta ao tempo.

1954, Espanha. Países Bascos, cidade de Vitoria.

Lá, um grupo de empreendedores havia fundado a Imosa, ou “Industria del Moto S.A.”, cujo intento era a fabricação de um furgão, modelo F 89 L, em parceria com a alemã Auto Union - sim, a mesma dos DKW montados pela Vemag.

Suas marcas registradas eram típicas de um genuíno DKW : tração dianteira, cabina avançada com posto do motorista sobre o eixo dianteiro, motor diminuto de dois cilindros e dois tempos, de 700 cilindradas e meros 21,5 cv de potência. Sua estrutura era tubular e a tração, como se podia imaginar, dianteira.

Em 1958, a Daimler-Benz comprou a Auto Union e as coisas começaram a mudar rapidamente. Um novo modelo apareceria nos anos sessenta. Denominado F 1000, tinha desenho do estilista italiano Fissore e opção de motor diesel.

Em meados dos anos sessenta, a Mercedes se livrou da Auto Union, passando seu controle para a VW, o que teve uma influência signifcativa na compra da Vemag pela filial brasileira da mesma, mas esta é outra história.

A fábrica de Vitoria passou a ser gerenciada pelas duas potências germânicas, Mercedes e VW, formando a partir da Imosa a nova Mevosa, abreviação estranha para “Compania Hispano Alemana de Productos Mercedes-Benz y Volkswagen S.A.” Em 1976, a VW foi excluida do negócio e a Mercedes passou a dominar a empresa.

Os primeiros modelos com estrela de três pontas surgiram em 1975, representados pelos N 1000 e N 1300, antecessores dos MB 90 a 180, da primeira geração.

Em 1986 surgiu a nova geração, composta pelos modelos do MB 100 ao MB 180 D.

Projetada para disputar no concorrido e super populoso segmento europeu de 3,5 toneladas brutas, a nova família trazia o motor OM-616 diesel com pré-camara de combustão, com cilindrada de 2,4 litros, e modestos 75 cv a 4.400 rpm. Originário do automóvel 240 D, muito usado como táxi na Europa, Oriente Médio e África, o motor tinha fama de indestrutível.

O DNA Auto Union continuava presente na cabina avançada, com enorme balanço dianteiro, no chassi tubular e na tração avante.

Foi com esta arma que a Mercedes brasileira resolveu ingressar nesta faixa de mercado nunca antes disputada. A linha MB-180 encontrou seus primeiros lares no país a partir de 1993, permanecendo viva até 1996, quando o caminho já estava pavimentado para a chegada da elegante argentina Sprinter, para substituir a “quadradona” espanhola.

O modelo ilustrado neste post reflete um furgão de teto elevado, ano 1992, parte integrante de uma frota de dez veículos com tração elétrica, produzida para testes diversos na Europa.

(fonte: Divulgação Daimler)

43 thoughts on “MB 180 D: um Mercedes-Benz espanhol com DNA da DKW

  1. Sempre gostei dessas MB180D, apesar de parecerem fracas até que puxam bem, e faziam sucesso como ambulância, algumas até importadas já adaptadas pela Planchisteria Bergadana. O bom da tração dianteira é que a plataforma de embarque fica mais baixa. Fotografei algumas em Porto Alegre recentemente.

    • Daniel, apesar de não se parecerem com os demais Mercedes, por sua descendência DKW, o MB 180 D teve notável importância na história da MBB, por marcar a entrada desta no segmento de furgões e semileves. Ficaremos honrados de publicar suas fotos neste espaço, caso haja interesse. Obrigado. Evandro.

  2. Tenho uma Mb 180 ano 95 estou trabalhando recentemente na Bahia numa roça cheia de pedras e buracos ladeiras fortes de se subir ainda bem que transporto crianças pequenas mais ela é realmente forte sou gaucho e vim com ela do sul carregada de coisas pesadas a unica coisa que estragou na estrada foi o rolamento da roda dianteira do meu lado o resto mais nada motor muito bom so que para subir uma ladeira ou serra carregada so em primeira marcha.

    • Daniel, este carro é uma beleza! Tem um quê de diferente dos demais Mercedes que o torna único. Aqui também somos fãs! Abraço.

  3. Bom dia. comprei um MB180 D teto alto, mas não tenho o manual de funcionamento gostaria se possivel alguem enviar por email em formato de PDF ficarei grato.
    Att,
    Abellard

    • Caro Abellard, infelizmente não temos este manual em nosso acervo, mas quem sabe algum leitor que nos lê não tenha. Vamos torcer. Boa sorte com sua máquina espanhola. Abraço.

  4. Boa tarde, nosso equipe gosta muito de MB 180D, mais temos consultado e muitos la rejeitam, falando que a mesma e muito fraca, e quebra muito. Alem de não ter peças, e que somente tem peças na Argentina.
    Favor eu gostaria de saber a verdade, e si ela es tao ruim como falam.
    Obrigado.

    • Caro Agostinho, vamos deixar para os leitores que têm mais experiência com o modelo para responderem às suas dúvidas, ok? Abraço.

      • Não há justificativa para ter tanto pavor das MB 180 D, é só tentar listar peças equivalentes que possam ser aproveitadas de outros modelos, no caso daquelas de desgaste normal como material de atrito dos freios, amortecedores, e por aí vai. No caso do motor, é mesmo mais fácil obter as peças na Argentina ou Uruguai, mas não chega a ser impossível obter no Brasil. Fora isso, já tem até quem adapte motor das primeiras Sprinter argentinas nas MB, tanto para facilitar reposição de peças quanto para melhorar o desempenho. Um amigo meu daqui de Porto Alegre está cogitando comprar uma, mas anda um tanto assustado com o que se diz sobre dificuldades de manutenção, mas pelo preço baixo que andam pedindo por elas me parece valer o “risco”.

  5. olha acabei de comprar minha Mb ela e furgão refrigerado muitos falaram que ñ prestava que quebrava ai fis uma pesquisa entre a MB 180 e a trafic percebi que os saites de venda tem mais trafic anumciada do que as MB 180 então no meu ponto de vista e que quem tem ñ vende e tenho que confia na marca tambem e Mercedes mas esta otima bem regulada vamos ver se dei sorte ou ñ paguei 14.000,00

  6. Boa tarde amigos. Tenho um MB 180 Carroceria 95 e estou tentanto sem sucesso comprar algumas peças principalmente o motor de arranque, mas aonde achei é muito caro, na base de troca custa R$ 500,00, se alguém souber aonde posso encontrar gostaria que me indicasse. Adoro meu caminhãozinho é o meu ganha pão e sempre que posso vou arrumando pequenos defeitos. um abraço a todos.

  7. MEU MB 180D SE CHAMA JHEIBIRACA, VULGO BOA VENTURA. ESTOU MONTANDO UM MOTORHOME CASEIRO NELE, TAREFA NÃO MUITO FÁCIL; MAS, EXTREMAMENTE PRAZEROSA. PRINCIPALMENTE PELAS VIAGENS E BELÍSSIMOS MOMENTOS QUE ESTE COM POUCO MAIS DE UM ANO JÁ PROPORCIONOU A MIM E MINHA ESPOSA!
    É UM CARRO LENTO, ENTRETANTO, QUANDO ESTAMOS VIAJANDO O QUE MENOS TEMOS É PRESSA, POIS ESTAMOS EM CASA.
    LEMBRO-ME DE UM CONGESTIONAMENTO NA BR 101EM LAGUNA S.C. TODOS ESTAVAM IMPACIENTES E MORRENDO DE CALOR EM SEUS CARROS; NÓS APENAS TIRAMOS AS CADEIRAS DE ARMAR PARA FORA ARMAMOS O TOLDO E PREPARAMOS O TERERÉ (ADORO). NÃO NOS ESTRESSAMOS NAS 5 HORAS ALI PARADOS, EM OUTRO NA SAÍDA DE PARANAGUA NO PR. ATÉ PESCAMOS EM UM CÓRREGO A MARGEM DA RODOVIA. UMA VANTAGENS DE LEVAR A CASA NAS COSTAS, TER TUDO A MÃO.
    NOSSA CASA É PEQUENA, MAS NOSSO QUINTAL É O MUNDO!!!
    GRANDE ABRAÇO.

    • Jefferson, muito bacana seu relato!!! Nós aqui também somos da turma do camping e do motor-home. Pena que tenhamos poucos campings e parques nacionais decentes em nosso país, em comparação com nossa vizinha Argentina, por exemplo. Parabéns pela MB 180! Um abração.

  8. tenho uma mb 180 bau ha um ano aporoximadamente e tenho que transferir agora, mas nao localizei o numero do chassi. alguem pode me ajudar?

    • Caro Francisco, temos vários leitores fãs e proprietários de MB 180 D. Esperamos que algum deles possa nos indicar onde fica a numeração. Boa sorte. Abraço.

  9. Em novembro 2013 comprei uma passageiro teto alto (bem mal tratada- R$ 11.000,00). Após trocar os pneus e pastilhas de freio, rodou 1350 km RJ/GO, sem pane, para ser totalmente reformada e transformada em um ” semi-motorhome”, já que é quase impossível documentar. Investi em tv, frigobar, dvd, quatro poltronas do citroen gran picasso no salão, uma mesinha(fácilmente camuflável )e toda suspensão. Trabalho à 120 km de onde moro e pretendo ficar em um camping próximo ao trabalho , toda semana e só rodar pra casa na sexta-feira. Dia 15/08 estarei indo à GO para trazê-la . Ah, mais uma: Troquei a relação do diferencial para deixá-la mais solta na estrada.Assim que puder envio fotos . Abraço

    • Caro Marcos, sensacional! Tem gente que trabalha como louco para acampar no final de semana, enquanto você acampa a semana toda para trabalhar. Espetacular. Sendo campistas desde a infância, ficamos com uma ponta de inveja deste seu trabalho! Será que tem mais vaga? Rss. Aguardamos as fotos ansiosos. Parabéns pelo projeto e pela criatividade. Um abraço.

    • Das versões de passageiros, acho que a única que eu vi com teto alto era uma usada pelo Imperial Hospital de Caridade, em Florianópolis-SC. Aqui em Porto Alegre eu até vejo algumas MB 180 D, mas a maioria é de carga, e as de passageiros todas com teto baixo. Inclusive, ontem retornando de uma ida ao Parcão cheguei a avistar uma na cor característica dos veículos escolares daqui de Porto Alegre, embora não estivesse mais sendo usada como escolar, mas carregando a minha vira-lata no colo ficava mais difícil alcançar o celular no bolso para tentar tirar uma foto…

      • Daniel, realmente, van teto alto para passageiros é bem rara mesmo. De qualquer modo, é um carro com grande carisma, que tem tudo para valer a pena, como bem disseste no comentário anterior.

  10. Não tinha pensado por esse lado ! rsrsr . Trabalho no aeroporto Sto Dumont e o camping é em Piratininga. É muito bem conservado ( para visualizar, é só jogar no google camping em Niterói), eu recomendo ! Abç

    • Marcos, grato pela dica. Quem gosta de acampar no Brasil tem padecido pela falta de boas opções. No passado, camping estava “mais na moda” e não faltavam boas alternativas com perfil familiar. Parabéns pela criatividade e por “sair do quadrado”. Um grande abraço.

  11. Boa tarde, estou analisando os comentários para comprar uma MB180d Ambulância, e um mecânico amigo falou que é fria, vocês podem me dar uma opinião

    • Caro Ronaldo, desculpe a demora para responder. Creio que no mundo globalizado em que vivemos, com apenas um clic de distância de sites como o ebay, peças não vão faltar. Mecânicos que a conheçam tampouco. Deixar de ser fabricada ela já foi mesmo. A frota circulante ainda é expressiva. Portanto, não deveria haver grandes surpresas, nem “frias”. Mas deixo para leitores mais doutos no assunto se manisfestarem sobre a simpática van espanhola. Abraço.

      • Pode não ser tão rápida quanto umas vans mais modernas, mas até que não é de todo ruim para se usar como ambulância. O acerto da suspensão, que muitos consideram bobagem em se tratando dum furgão de carga mas é muito importante numa ambulância, ainda é uma das maiores qualidades da MB.

  12. Sou mecânico especializado em motores diesel, no caso da Mb 180 tenho a dizer que o grande câncer deste modelo e a suspensão dianteira , o motor e cambio é de fácil manutenção e muito robusto, encontrar peças tem alguma dificuldade mas encontra sim, um abraço

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


1 + 8 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>