Mercedes-Benz 2038S – 1996-1998

Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, health ao contrário do E-11 e E-13, health era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, pharm 2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.
Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, viagra site ao contrário do E-11 e E-13, visit web
era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, cialis 2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

 
Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, ampoule ao contrário do E-11 e E-13, pharmacy era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, sale 2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade do Chrysler V8 na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

 
 

O E-21, sovaldi ao contrário do E-11 e E-13, era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5,2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade do Chrysler V8 na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

Com este post completamos o trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

 
Com este post completamos os trio de Dodges etílicos dos anos oitenta.

O E-21, doctor ao contrário do E-11 e E-13, discount era um 6×4 concebido para operar na colheita da cana-de-açúcar. Empregava o motor V8 318 de 5, physician
2 litros redesenvolvido para operar com etanol. Como lembrou um de nossos leitores, era o maior motor V8 a etanol do mundo em sua época.

O E-21 atingiu maior sucesso que seus irmãos 4×2, porém devido ao alto consumo e à baixa durabilidade do Chrysler V8 na cana, muitos foram convertidos para diesel, com a adoção do respeitado MWM D-229-6, já empregado na linha de caminhões Dodge.

 
Na tentativa de participar do crescente mercado de caminhões pesados de cabina avançada, buy cialis dominado por Scania e Volvo, e sem opções domésticas ao alcance imediato, a Mercedes-Benz recorreu à importação do modelo 2038S da Alemanha, a partir do ano modelo 1996.

Era a resposta da Estrela de Três Pontas ao Scania R113 e ao Volvo FH 12 380, que também iniciara sua carreira no país como importado. Entrava no portfolio de pesados da marca, em adição aos LS-1935 e LS-1941.

O novo Mercedes 2038S foi apresentado ao público em fins de 1995 e era baseado no modelo alemão 1838 LS, membro da chamada linha SK, com diversos itens suprimidos para reduzir seu custo no mercado local.

Para se movimentar, o 2038S contava com um motor V8 a 90 graus de 14,6 litros, modelo OM-442 LA, biturbo intercooler, com potência de 381 cv a 2.100 rpm e torque máximo de 1.775 Nm a 1.200 rpm, Euro 1, ligado a uma transmissão Mercedes G-210-16, de dezesseis marchas com relações de 14,2 a 0,83:1 e um eixo HL-7, com redução de 4,034:1, que permitia ao 2038S atingir cerca de 115 km/h.

Dentre os itens remanescentes depois da cirurgia para redução de custos, destacavam-se o Top Brake, os freios ABS com tambores nas quatro posições, sistema automático de lubrificação central e a cabina alta de 2,04 metros de altura, para fazer frente ao Globetrotter da linha Volvo FH.

Seu substituto foi o Mercedes 1938S, produzido localmente e comercializado a partir de 2000.

O exemplar fotografado pertence à tradicional transportadora Covre, de Limeira-SP, empresa que possui um rico acervo de caminhões antigos. Esperamos visitá-los em breve para registrar suas raridades.

 

 

23 ideias sobre “Mercedes-Benz 2038S – 1996-1998

  1. Pena nao dispormos de videos com o ronco deste caminhao, nunca ouvi o ronco de um mercedes V8 biturbo e ainda com 14,6l. A potencia com certeza foi reduzida ou estrangulada pois com certeza este motor tem tudo para dar muito mais que isso.

    • William, você está certo! Na Europa havia versões de 435, 503 e 530 cv. A calibração para o Brasil previa melhor posicionamento em termos de desempenho e consumo, quando comparado com os Scania 360 e o FH 380. Obrigado por comentar. Um grande abraço, Evandro.

      • wilian bom dia sobre o ceu comentario sobre o mercedes bens 2038s eu gostaria de saber como e que se fas o repotenciamento do motor obrigado 08/04/13 9/40h

  2. boa noite gostaria de saber como eu faço para regular meu caminhao 2038s para 530 cv obrigado 06/04/2013 18.40h

    • Caro José Antonio, boa tarde! Alguns motores permitem o aumento de potência somente com a mudança da calibração eletrônica, enquanto outros exigem a substituição de componentes, que podem incluir injetores, pistões, turbo e até o comando de válvulas. Na época do 2038S, a calibração de 380 cv foi desenvolvida para o Brasil, atendendo Euro 1, e com rotação maior que o os modelos europeus. A calibração de 530 cv tinha rotação menor, o que causaria menor velocidade máxima do seu caminhão. Não temos maiores detalhes sobre a mudança. Recomendamos buscar um posto autorizado Bosch para ver se têm maiores informações. Grato pelo comentário e pela visita. Um abraço, Evandro.

  3. boa noite evandro sou de bariri sp tenho um cavalo mecanico 2038 s e gostaria de saber a regulagem para 530 cv obrigado 06/0402013 18/53

    • Caro José Antônio, a resposta segue no outro post seu sobre o mesmo assunto. Obrigado. Evandro.

  4. bom dia evandro 11.06 2013 16/04 obrigado pelo seu comentario e fico muito grato pela sua resposta um bom dia e ate outro dia se deus nos permitir.

    • Daniel, aqui na região metropolitana de SP ainda se encontram alguns, como o ilustrado no post. Grato!

    • Caro Marcos, essa vamos ficar devendo, a menos que alguém que nos lê possa ajudar. Boa sorte. Abraço.

  5. ola, qual motor eu poderia colocar no lugar do original do 2038s, aproveitando o mesmo cambio?

    • Boa pergunta. Quem sabe um OM-457 do LS-1935? Não tenho certeza das modificações envolvidas, mas parece a escolha mais logica. Abraço!

  6. Estou comprando um 2038 s 1997, gostaria de mais informacoes sobre este caminhao, consumo etc etc …. preciso de um caminhao para trabalhar, sera que vou ter problemas ?

    • Caro Leandro, a Covre de Limeira, SP, é uma grande operadora do modelo. Que tal entrar em contato com eles? Boa sorte. Abraço.

  7. Olá boa tarde a todos! Amigo estou precisando da ajuda de voces ,
    Tenho aqui na loja , um veiculo destes com o parabrisa quebrado!!!
    alguem pode me ajudar . onde posso comprar este parabrisa.

    Desde ja agradeço a quem puder colaborar ..

    contato (64) 3612 1818
    (64) 99551344

  8. Só pra não deixar de lado, foi comercializado no brasil, este mesmo modelo porém 6×4, o 2638s, nas características muda só o teto mais baixo, parecido ao do 1935, atenção pra não confundir com Ls-1938

  9. Amigos, onde encontro os casquilhos fixos standard para o motor OM 442 A, numero de série 442.901.400-652724 ?
    Muito obrigado, guilherme

Comentários encerrados.