Mercedes-Benz L-1317

Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, medical seek em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

 

Em atendimento ao pedido do nosso amigo leitor George Costa, e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folder do Mercedes-Benz L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique!

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como o 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família FPN que surgia. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração aos amigos Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, search em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, cure cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

Em atendimento ao pedido do nosso leitor George Costa, healing e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folheto do Mercedes L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique Lebedenco, editor do excelente site !

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S 120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como no 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família HPN que estava nascendo. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração ao André Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, here em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, viagra sale cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

 

Em atendimento ao pedido do nosso amigo leitor George Costa, e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folder do Mercedes-Benz L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique!

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como o 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família FPN que surgia. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração aos amigos Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, sales em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, treatment cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

Em atendimento ao pedido do nosso leitor George Costa, viagra e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folheto do Mercedes-Benz L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique!

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como o 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família FPN que surgia. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração aos amigos Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, viagra em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, cialis cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

Em atendimento ao pedido do nosso leitor George Costa, e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folheto do Mercedes L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique!

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S 120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como no 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família FPN que surgia. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração aos amigos Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, rx em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, capsule cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

Em atendimento ao pedido do nosso leitor George Costa, e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folheto do Mercedes L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique!

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S 120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como no 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família HPN que estava nascendo. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração aos amigos Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
O 815 era o representante da linha Cargo para competir no seguimento dos leves. Em 2004, tadalafil a Ford fez um “upgrade” do modelo básico, viagra sale elevando o PBT de 7.700 para 8.250 kg, por meio de um aço mais reforçado nas longarinas do chassi, denominado LNE 50, entre outras modificações. O caminhão resultante foi batizado de 815S, adicionado à linha, em adição ao 815.

 Português:

O objetivo deste website é disponibilizar um acervo particular, sickness contendo material informativo, que inclui catálogos, brochuras, folhetos, manuais e fotos sobre caminhões brasileiros, em especial os antigos, para atender a consultas de colecionadores, restauradores, aficionados, engenheiros, jornalistas, estudantes e demais interessados.

Fruto de uma coleção de catálogos iniciada nos anos 70, este website visa, sobretudo, preservar e divulgar a história do caminhão no Brasil.

Como regra geral, só serão postados materiais referentes a veículos fora de linha, que não podem mais ser encontrados nas páginas oficiais das montadoras.

Todo material está à disposição, para consulta e download, de forma gratuita.

Apesar de o foco principal ser o caminhão brasileiro, o acervo também contempla caminhões estrangeiros, ônibus, máquinas agrícolas e de construção, bem como componentes como motores, transmissões, eixos, entre outros.

Novos itens serão adicionados de forma regular.

Este website não tem vínculo algum com entidades, ou empresas de qualquer espécie.

Caso encontre qualquer arquivo que tenha restrições de direitos autorais, comunique-nos para tirarmos do ar imediatamente. Tomamos todo o cuidado para respeitar este quesito, mas como o número de doações é grande, pode ocorrer, involuntariamente, a postagem de arquivos de uso e visualização restritos.

Um grande abraço!

Obrigado,

Evandro Fullin.

English

This site is dedicated to the memory of the Brazilian truck, both imported and manufactured locally. It includes ads, memorabilia, curios, spec sheets, catalogues, photos, owner and operations manuals mostly about trucks but not limited to those, as we plan to upload components (engines, transmissions, axles), bus, farm and construction machinery materials as well.

All content can be downloaded free of charge to fullfil the needs of aficionados, collectors, engineers, students, journalists and whoelse this may  be of interest. 

The entire content is part of a personal collection from the author, which is being scanned and, or photographed and uploaded on a regular basis.

This website is aimed to help and satisfy people who enjoy the subject, having no relationship or sponsorship  from any truck or equipment manufacturer at all.

If you ever find any content with copyright restrictions, please let us know. We will be glad to remove it immediately.

Hope you enjoy as much as we do!

Thanks and welcome!

Evandro Fullin.

 

Sobre o Editor:

Evandro Fullin é brasileiro, paulista, formado em Engenheria Mecânica Automobilística pela FEI e trabalha atualmente como consultor independente na área automotiva. Anteriormente, atuou na indústria de caminhões, tendo trabalhado em empresas como Cummins, Navistar International, e Ford Caminhões, durante vinte anos. Evandro também teve uma passagem na aviação, atuando como instrutor de voo e piloto comercial de avião, voando bimotores leves.

Começou a coleção de catálogos ainda moleque, em 1979, pedindo material de concessionária em concessionária e escrevendo para as montadoras. Mais tarde, a busca continuou em sebos,  recolhendo preciosidades no lixo, trocando com outros colecionadores e recebendo doações de gentis amigos como você!

Em paralelo, dedica-se à criação de um livro sobre a história do caminhão no Brasil, que ainda levará alguns anos para ficar pronto.

Sonha em criar no Brasil, com a ajuda de colecionadores e aficionados, uma associação para preservação da história do caminhão nacional, filiada à FBVA, Federação Brasileira de Veículos Antigos, nos moldes da  ATHS, “American Truck Historic Society”, da qual é membro.

 
Em resposta a uma solicitação de nosso amigo leitor George Costa, sovaldi operador de caminhões Mercedes-Benz traçados, estamos adicionando este post do Mercedes-Benz L-2220 e seus derivados, LK e LB.

Infelizmente a qualidade da antiga digitalização não é das melhores.

O L-2220 substituiu o L-2219, também 6×4. Ambos têm sido aplicados no transporte de cana de açucar (L), como basculantes (LK) e mesmo como betoneiras (LB).


Quando se fala na marca Isuzu no Brasil, stuff imediatamente associa-se a mesma a empreitada da GM, com seus caminhões leves GMC produzidos pelo fabricante japonês e montados em São José dos Campos, SP, no final dos anos noventa e início da década seguinte. Eram os modelos 7-110 e 5-90, derivados dos excelentes Isuzu Série N, uma das famílias de caminhões mais vendidas no planeta. A cabina Isuzu também era empregada no semipesado 15-190, com motorização Caterpillar 3116, de 6,6 litros.

Outros podem recordar-se das picapes e jipes, como o Trooper e o Rodeo, importados em pequenas quantidades por independentes.

Mas quem poderia imaginar um anúncio da Isuzu no Brasil dos anos sessenta, época de importações já suspensas e de produção local crescente?

A rara peça publicitária aqui mostrada ilustra diversos modelos de caminhões, com o 6×6 militar em destaque.

Aparentemente, tratava-se apenas de um anúncio corporativo, sem qualquer unidade importada de fato. Entretanto, se alguém tiver mais informações sobre o eventual paradeiro de algum destes veículos no Brasil, por favor, entre em contato conosco.

Ficaremos muito gratos. Em nome da história do caminhão brasileiro!


Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, store em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, here cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

Em atendimento ao pedido do nosso leitor George Costa, e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folheto do Mercedes L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique!

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S 120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como no 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família HPN que estava nascendo. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração ao André Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
Este post é fruto de uma verdadeira rede de solidariedade, purchase em prol da história dos caminhões Mercedes “Cara-Preta”, rx cujos últimos exemplares saíram da linha de montagem em fins de 1990.

Em atendimento ao pedido do nosso leitor George Costa, e graças ao amigo André Giori, colaborador frequente deste espaço, conseguimos este raro folheto do Mercedes L-2225, de 1988, originalmente enviado ao Giori, como gentileza por Paulo Henrique Lebedenco, editor do excelente site http://merce-denco.blogspot.com.br/, dedicao aos caminhões da marca.

O L-2225 era a combinação do trem de força do cavalo mecânico LS-1525, composto pelo motor OM-355/5 A turboalimentado e pela caixa ZF 4S 120 GP de oito velocidades, com a estrutura e eixos do conhecido L-2220. Como o foco era a cana-de-açúcar e a extração de madeira, somente era oferecido como L, não havendo versões LK, ou LB, como no 2220.

A produção do L-2225 começou em junho de 1989 e seguiu até dezembro de 1990, com 413 unidades produzidas, quando foi substituído pelo L-2325, da nova família HPN que estava nascendo. Em breve teremos post deste caminhão também, de novo, graças ao amigo Giori.

Agradecemos de coração ao André Giori e Paulo Henrique, por tornar possível o atendimento desta solicitação de um de nossos leitores.

Abraços, Evandro.

 
Com as primeiras unidades piloto montadas no segundo semestre de 1985, sickness e produzido entre 1986 e 1987, sildenafil o 1317 veio a substituir o 1316, pharmacy produto de grande aceitação que competia no segmento de 13 toneladas, com motor turboalimentado.

Era apresentado nas versões L, LK e LS, para uma ampla gama de aplicações. A partir de 1987, foi gradativamente substituído pelo L-1318 e suas variantes.

A bonita imagem do eterno motor OM-352 A vale por si só!

Infelizmente a antiga digitalização deste belo catálogo chegou até nós com a data suprimida.

Uma ideia sobre “Mercedes-Benz L-1317

  1. Evandro, eu tenho uma dúvida sobre os caminhões da série AGL Cara Preta.
    Porque em algumas cabines a lanterna de seta dianteira está localizada no para-lama e em outras ela se encontra na grade do radiador?
    Eu mesmo já encontrei modelos diferentes de 1317 com estes dois tipos de localização da lanterna de seta na cabine.
    Obrigado por nos trazer tantas informações sobre os brutos.
    Parabéns pelo trabalho.
    Abraço.

Comentários encerrados.