Mercedes-Benz L/LK/LB-2219 – Outubro de 1978 – Parte 1

Hoje estamos postando a segunda parte do manual gentilmente compartilhado por nosso amigo Reginaldo Bernardi, vcialis 40mg order cialis health de Colombo, PR.

Em breve postaremos a parte final.

 
Depois do sucesso do primeiro post do 2219, drugstore physician em mais uma gentil colaboração de nosso amigo André Giori, do Espírito Santo, oferecemos a você este inédito e caprichado catálogo do Mercedes L-2219 e suas variantes, datado do final dos anos setenta.

O post anterior do 2219 (ano 1981) figura entre os mais comentados de nossa história.

Você pode conferi-lo aqui: http://caminhaoantigobrasil.com.br/category/catalogos-e-folhetos/mercedes-benz-caminhoes-catalogos/agl/agl-original/l-2219-81/

As interessantes discussões giraram em torno do sistema de tração nos dois eixos motrizes e suas diferentes versões. Vale a pena acompanhar.

Amanhã teremos a segunda parte desta bela literatura.

Giori, obrigado!

 

2219 1 2219 2 2219 3 2219 4 2219 5 2219 6 2219 7 2219 8ce

8 ideias sobre “Mercedes-Benz L/LK/LB-2219 – Outubro de 1978 – Parte 1

  1. UM PEQUENO DETALHE QUE ACRDITO QUE NÃO FOI SÓ EU QUE VI,REPARANDO PELA PLACA,O VERMELHO CAÇAMBA DA PAGINA 3,É O MESMO CAMINHAO QUE APARECE NA ULTIMA FOTO DO POST DO 2219 DE 1981…

    • Amigo Reginaldo, bem observado. Creio que o pessoal de “marketing” deva ter feito uma bateria de fotos do basculante vermelho em 1978 e, como o estilo não havia mudado em 1981, aproveitaram outra pose para compor a contracapa. Grato pela inteligente observação! Grande abraço.

  2. Olá Evandro e Parabéns por trazer essas raridades! Mas tenho uma dúvida

    O 2219 ele tem a mesma mecânica do 1519 ? Ah outra você teria uma matéria sobre o MB L-1622 que “dizem” que foi produzido poucas quantidades e que o L-1621 ganhou mais fama mesmo sendo menos potente?

    mande mais posts pois to sempre ligado no teu site…Abraços

    • Olá, Rafael! Obrigado pelas palavras.

      Sim, o 2219 e o 1519 dividiam o mesmo conjunto motriz, exceto os eixos traseiros, claro. Vamos preparar um post sobre o polêmico L-1622. O modelo tinha um motor OM-924 LA de quatro cilindros e 4,8 litros, pouco compreendido. Afinal era um “baita” caminhão de 22 toneladas brutas com um “motorzinho”, na visão de muitos. Já o L-1621 representou o estágio final de desenvolvimento do OM-366 LA em forma livre, antes das restrições impostas pelo Proconve. Sua evolução resultou num ícone chamado L-1620.

      Obrigado também por ficar ligado e por comentar. Temos muito material legal para postar. Abração.

Comentários encerrados.