Motor Cummins Série C91 – Manual de Oficina – Parte 5 – Final

Folheto do acervo de Fernando Luiz de Araújo.

CBT SS650 01 CBT SS650 02

 
Além do líder LPO-1113, cialis  entre os anos setenta e oitenta, pills a Mercedes-Benz também oferecia um chassi com motor dianteiro de 13 toneladas brutas e 5,17 metros entre eixos, para encarroçamento de ônibus urbano, de fretamento, ou rodoviário.

Produzido entre 1971 e 1987, o OF-1313 jamais chegou perto do sucesso arrebatador do LPO-1113, cujo folheto você pode encontrar aqui. Em 1980, por exemplo, apenas 332 chassi rolaram para fora da linha de montagem da fábrica da Avenida Alfred Jurzykowski, em São Bernardo do Campo, SP, contra nada menos que 6.580 cópias do LPO, sinônimo de ônibus urbano no Brasil daqueles tempos.

De comum com o LPO, o OF tinha o motor OM-352 de 5,7 litros com seis cilindros em linha, dotado de injeção direta Bosch e bom para produzir 130 cv a 2.800 giros por minuto. A caixa de série era a G-3/40 com primeira de 7,5:1, mas quem precisasse de um melhor desempenho em rampa, ou fosse operar em topografias montanhosas, podia optar pela G-3/36, com a primeira alongada para 8,02:1, ante os 8,98:1 do LPO. Em todo caso, com o eixo HL-4 e redução 6,14:1, a velocidade máxima não passava de 84 km/h, com pneus 9.00 x 20, tornando-o mais adequado à faina urbana, ou mesmo nos trajetos de curto raio.

Em 1987, o OF-1314 entrou em seu lugar, com volumes de venda mais expressivos, num tempo em que a capacidade dos ônibus urbanos com motor frontal começava a migrar de 11 para 13 toneladas de PBT.

OF 1313 1 OF 1313 2
Além do líder LPO-1113, sale
 entre os anos setenta e oitenta, health a Mercedes-Benz também oferecia um chassi com motor dianteiro de 13 toneladas brutas e 5,17 metros entre eixos, para encarroçamento de ônibus urbano, de fretamento, ou rodoviário.

Produzido entre 1971 e 1987, o OF-1313 jamais chegou perto do sucesso arrebatador do LPO-1113, cujo folheto você pode encontrar aqui. Em 1980, por exemplo, apenas 332 chassi rolaram para fora da linha de montagem da fábrica da Avenida Alfred Jurzykowski, em São Bernardo do Campo, SP, contra nada menos que 6.580 cópias do LPO, sinônimo de ônibus urbano no Brasil daqueles tempos.

De comum com o LPO, o OF tinha o motor OM-352 de 5,7 litros com seis cilindros em linha, dotado de injeção direta Bosch e bom para produzir 130 cv a 2.800 giros por minuto. A caixa de série era a G-3/40 com primeira de 7,5:1, mas quem precisasse de um melhor desempenho em rampa, ou fosse operar em topografias montanhosas, podia optar pela G-3/36, com a primeira alongada para 8,02:1, ante os 8,98:1 do LPO. Em todo caso, com o eixo HL-4 e redução 6,14:1, a velocidade máxima não passava de 84 km/h, com pneus 9.00 x 20, tornando-o mais adequado à faina urbana, ou mesmo nos trajetos de curto raio.

Em 1987, o OF-1314 entrou em seu lugar, com volumes de venda mais expressivos, num tempo em que a capacidade dos ônibus urbanos com motor frontal começava a migrar de 11 para 13 toneladas de PBT.

OF 1313 1 OF 1313 2
Além do líder LPO-1113, viagra  entre os anos setenta e oitenta, there
a Mercedes-Benz também oferecia um chassi com motor dianteiro de 13 toneladas brutas e 5,17 metros entre eixos, para encarroçamento de ônibus urbano, de fretamento, ou rodoviário.

Produzido entre 1971 e 1987, o OF-1313 jamais chegou perto do sucesso arrebatador do LPO-1113, cujo folheto você pode encontrar aqui. Em 1980, por exemplo, apenas 332 chassi rolaram para fora da linha de montagem da fábrica da Avenida Alfred Jurzykowski, em São Bernardo do Campo, SP, contra nada menos que 6.580 cópias do LPO, sinônimo de ônibus urbano no Brasil daqueles tempos.

De comum com o LPO, o OF tinha o motor OM-352 de 5,7 litros com seis cilindros em linha, dotado de injeção direta Bosch e bom para produzir 130 cv a 2.800 giros por minuto. A caixa de série era a G-3/40 com primeira de 7,5:1, mas quem precisasse de um melhor desempenho em rampa, ou fosse operar em topografias montanhosas, podia optar pela G-3/36, com a primeira alongada para 8,02:1, ante os 8,98:1 do LPO. Em todo caso, com o eixo HL-4 e redução 6,14:1, a velocidade máxima não passava de 84 km/h, com pneus 9.00 x 20, tornando-o mais adequado à faina urbana, ou mesmo nos trajetos de curto raio.

Em 1987, o OF-1314 entrou em seu lugar, com volumes de venda mais expressivos, num tempo em que a capacidade dos ônibus urbanos com motor frontal começava a migrar de 11 para 13 toneladas de PBT.

OF 1313 1 OF 1313 2
Derivado do bem sucedido caminhão Mercedinho L-608 D, viagra a variante LO era um chassi para encarroçamento de micro-ônibus ou furgões integrais. Servia também para a criação de motor-homes, ou veículos especiais.

Podia ser fornecido como chassi curvão, com ou sem para-brisa. Encarroçadores como a Caio, aproveitavam o curvão para dar origem ao micro Carolina, que será motivo de um post em breve. Já a Marcopolo, descartava o curvão e o encarroçava com uma atrativa frente própria, parte da carroçaria Marcopolo Jr., que pode ser vista aqui.

O LO-608 D aparece nas estatísticas de produção da ANFAVEA entre 1975 e 1988, ano em que foi substituído pelo LO-708 e depois pelo LO-812, este último derivado dos novos Mercedinho LN, representado pelos 709 e 912.

Líder absoluto do segmento de micro-ônibus, o LO-608 D oferecia como vantagens um trem de força e uma estrutura extremamente robustos, mas ficava devendo no quesito desempenho – com apenas 85 cv – e excessiva vibração e ruído. Quando carregado com o PBT, sua velocidade média era muito afetada, demandando reduções frequentes para quarta, ou mesmo terceira  marcha, com velocidade ao redor de 30 km/h, nas serras mais íngremes.

LO 608D 1 LO 608D 2 LO 608D 3 LO 608D 4
Derivado do bem sucedido caminhão Mercedinho L-608 D, malady a variante LO era um chassi para encarroçamento de micro-ônibus ou furgões integrais. Servia também para a criação de motor-homes, viagra sale ou veículos especiais.

Podia ser fornecido como chassi curvão, malady com ou sem para-brisa. Encarroçadores como a Caio, aproveitavam o curvão para dar origem ao micro Carolina, que será motivo de um post em breve. Já a Marcopolo, descartava o curvão e o encarroçava com uma atrativa frente própria, parte da carroçaria Marcopolo Jr., que pode ser vista aqui.

O LO-608 D aparece nas estatísticas de produção da ANFAVEA entre 1975 e 1988, ano em que foi substituído pelo LO-708 e depois pelo LO-812, este último derivado dos novos Mercedinho LN, representado pelos 709 e 912.

Líder absoluto do segmento de micro-ônibus, o LO-608 D oferecia como vantagens um trem de força e uma estrutura extremamente robustos, mas ficava devendo no quesito desempenho – com apenas 85 cv – e excessiva vibração e ruído. Quando carregado com o PBT, sua velocidade média era muito afetada, demandando reduções frequentes para quarta, ou mesmo terceira  marcha, com velocidade ao redor de 30 km/h, nas serras mais íngremes.

LO 608D 1 LO 608D 2 LO 608D 3 LO 608D 4
Completando a postagem do referido manual, help temos a agradecer nosso amigo Reginaldo Bernardi, sovaldi sale que nos enviou farto material técnico. A propósito, symptoms
estamos retomando os posts das literaturas do Reginaldo a partir de agora.

C-45 C-46 C-47 C-48 C-49 C-50 C-51 C-52 C-53 C-54 C-55 C-56 C-57 C-58

2 ideias sobre “Motor Cummins Série C91 – Manual de Oficina – Parte 5 – Final

  1. E COMO SE DIZ ..”E SEQUE O BAILE…”

    A LITERATURA DA CUMMINS É MUITO INTERESSANTE ,UMA LINGUAGEM BEM SIMPLES E DIRETA ,E CARREGADA COM MUITOS DETALHES ,DETALHES ESSES QUE AS VEZES POUCO SE USA NO DIA A DIA ,MAIS QUANDO SE É NECESSARIO ,ESTA LA ,DE FACIL ACESSO E INTERPRETAÇÃO ,HOJE NA NOVA ROTINA DE TRABALHO ,TENHO MAIS CONTATO COM ESTE PRODUTO ,E A LITERATURA DA CUMMINS AJUDA EM MUITO NO TRABALHO…

Comentários encerrados.