Motores diesel em aplicações agrícolas: Compartilhando um pouco de minha vivência

Nosso amigo e colaborador Daniel Shimomoto de Araujo compartilha neste excelente artigo sua vasta experiência com tratores agrícolas, com ênfase nas diversas motorizações disponíveis no Brasil, ao longo dos anos:

Motores diesel em aplicações agrícolas: Compartilhando um pouco de minha vivência

Até bem recentemente, quase todos os tratores vendidos no Brasil eram equipados com motores diesel produzidos por fabricantes independentes. Os fabricantes independentes produzem uma gama de motores e esses motores tem que servir a uma ampla gama de aplicações, sejam elas veiculares, sejam elas agrícolas ou estacionárias.

Por se tratar de um mesmo produto para diferentes aplicações, naturalmente algumas aplicações serão melhores a um determinado motor e outras ficarão prejudicadas, em decorrência do tipo de projeto e uso que será dado.

Na agricultura, os motores diesel necessariamente trabalham em uma rotação mais baixa que em aplicações veiculares em virtude da necessidade de se trabalhar em regimes de potencia máxima em rotações constantes, sofrendo continua variação na sua carga de trabalho. Por isso, praticamente todos os motores agrícolas são limitados abaixo das 2.400 rpms, como forma de garantir uma combinação potencia máxima x durabilidade satisfatória, bem como reduzir a rotação de torque máximo, que em outras palavras, significa aumentar a potencia disponível em rotações mais baixas e assim, gerar o desempenho necessário para o inicio de uma marcha.

Tive a oportunidade de trabalhar com as três principais marcas de motores (Perkins, nos MF, Ford e MWM), além da Navistar (O Maxion S4) e a Genesis inglesa, na linha New Holland/Ford Série 30, assim gostaria de compartilhar a minha percepção deste fascinante tema.

motores ag

Perkins:

Como binômio desempenho x economia para 4 cilindros, eu sou fã da linha Perkins com injeção direta. Os Massey 265/275 e 290 (sendo este ultimo a partir da série 300.000 e “três câmbios” – aliás, a melhor máquina da faixa dos 86cv). O único incomodo são os vazamentos…

Vazamento é algo crônico em Perkins, especialmente pela tampa de válvulas deixando o motor inteirinho lambuzado. E é tirar um vazamento e logo em seguida aparecer outro vazamento.

Outro inconveniente dos Perkins são relacionados a partida a frio, nas versões de injeção indireta (3.152, 4.203, 4.238 e 6.357 mais antigos). Em temperaturas abaixo dos 15ºC, dá trabalho fazê-los pegar. Na região onde moro (Marilia), tem muitas lavouras de café e muitos Massey 235 (3.152) estreitos em operação, com o jocoso apelido de “morceguinho”: Passam a madrugada dependurados no barranco para logo cedo pegarem no tranco!

MWM:

Os MWM, na sua versão seis cilindros são imbatíveis em potência e economia. Os Valmet´s 118/128/138 e 148, juntamente com os 1280/1580 e 1780, fizeram fama por esse binômio desempenho com economia. Devido ao fato de ter camisas úmidas e um virabrequim extremamente resistente, o D-229 também tem um custo de retifica muito baixo se comparado aos demais 6 cilindros, o que o torna um atrativo em qualquer máquina que o utilize como propulsor.

Já os 4 cilindros deixam um pouco a desejar no desempenho, uma vez que eles gostam de rotação e têm o mal hábito de “engolir o ronco” quando exigidos. Certa vez, para melhorar um pouco a potencia dos meus Valmets 785 tracionadores de colheitadeira de arrasto de café, quando mandei fazer a bomba injetora, mandei abrir a rotação (de 2300 rpms para 2800 rpms). Melhorou um pouco, mas longe de ficar “agrícola” de verdade. Isso sem falar que depois das 5 mil horas de uso (3 mil horas se for turbo), todos os MWM 229 assopram bastante pelo respiro do cárter.

Uma aplicação interessante do MWM D-229 são nas esteiras Fiat Allis (atual New Holland) AD-7. Usando a versão de 6 cilindros taxada em 92cv@2000 rpms (15,6 cv/L de potência especifica – ridiculamente baixa) e torque máximo de 35,9kgf.m@1300rpms, conjugado com um conjunto extremamente rústico e tradicional (a AD-7 está há mais de 30 anos de mercado), faz a máquina preferida de muitos operadores de serviços rurais e empresas de terraplanagem, especialmente pelo baixo custo de manutenção e economia.

Atualmente apenas a linha de tratores Agrale utiliza o MWM D-229 (atual Maxxforce 3, 4 e 6) em seus equipamentos. A Valmet manteve apenas o 685, na sua versão aeroportuária.

Ford Diesel e Genesis:

Os motores Ford diesel são um caso a parte: Em sua maioria com um diâmetro/curso incomum de 112 mm x 112 mm, em todas as versões (Ford 3,3L, 4,4L e 6,6L – existiu também uma série mais antiga de D/C de 112 mm x 107 mm – os Ford’s 3,1L e 4,2L mais antigos) bebem um diesel que chega a dar medo de ver. Em contrapartida, oferecem uma potência em amplas faixas de rotações acima da média. A durabilidade deles era bem boa, tive alguns que trabalharam 10 mil horas antes de começarem a bater. E a disponibilidade de peças era grande devido ao fato de serem os mesmos motores da série 600 e 610, de longa historia no mercado.

Saiu uma leva de Ford´s F-4000 e Ford Cargo com motor Ford diesel (conhecidos por alguns como FTO-4.4, 6.6 e 7.8L). Não posso falar sobre os caminhões Cargo, mas a F-4000 com motor Ford não é bem vista pelo mercado, em decorrência do elevado consumo de combustível para um desempenho semelhante. Vale a lembrança que nestes casos, foram motores agrícolas que foram vertidos para veiculares, em um processo inverso ao observado nos casos anteriores.

Os Genesis eram uma evolução da linha Ford diesel e equipou a Série 30 (chamada de Superforça): Aperfeiçoaram os motores Ford e em alguns casos (no 6630/7630 e 8030) aumentaram o curso dos pistões numa relação de D/C de 112 mm x 127 mm, ficando em 5,0L (4 cilindros) e 7,5L (6 cilindros). Tinham um desempenho mais diferenciado ainda, mas o consumo em contrapartida…dava mais medo ainda de ver. O desempenho dos 7630 era tão bom que mesmo tendo 105cv, alguns insistem em dizer que o 7630 tem 115cv, tamanha era a força da máquina. Já ouvi relatos de 7630 com mais de 14 mil horas de uso com motorização original, mas não posso comprovar. 11 mil horas eu não só ja vi como tive um 4630 3 cilindros trabalhou todo esse tempo.

O inconveniente desses motores Gênesis era disponibilidade de peças: Só existe kit originais nas revendas New Holland (e que custam caríssimo). Nada de K&S, Mahle, Metal Leve, e outros, diferentemente da série Ford diesel que você pode escolher a marca que bem entender.

MWM International – versão do Maxion S4:

Outra experiência foi com o trator MF 275 da ultima série com motor International MWM MS4.1A (ou A4.1), que nada mais é que o Maxion S4 agrícola. Em minha humilde opinião, embora com bastante potência numa ampla gama de rotações, o A4.1 bebia em demasia, 20% a mais que o MWM D-229 num mesmo serviço (9,5L contra 8L do D-229).

Mercedes-Benz OM-352/366

Apesar de nunca ter possuído uma máquina com motores Mercedes, já tive bastante contato com elas, uma vez que os famosíssimos CBT’s 1105 e 2105 utilizam a motorização Mercedes. As esteiras Komatsu D50 também vieram com o OM-352 e as colheitadeiras SLC dos anos 80 e 90 (atualmente John Deere) saíram, algumas com motores OM-352 e outras mais recentes, com o OM-366.

O motor Mercedes em tratores é, de longe, a adaptação mais gritante de um motor exclusivamente veicular para aplicação agrícola: Enquanto todos os outros motores citados no texto são estruturais (podem ser integrados a estrutura do trator) o Mercedes requer fixação no chassis, num claro projeto veicular adaptado para uso agrícola.

O mercado em geral, bem como os operadores gostam e muito do motor Mercedes, exatamente pela sua grande popularidade, facilidade de repotenciamento (turbinar) bem como economia de combustível. Há quem diga que as colheitadeiras SLC quando turbinadas, consomem menos diesel e apresentam um rendimento superior que suas similares com motor de aspiração natural.

O futuro:

Atualmente os principais fabricantes de tratores do mundo estão utilizando motores próprios. A Massey Ferguson no Brasil está com uma linha nova de motores Perkins, a Valtra utilizando os motores da AGCO denominado Sisu e a New Holland, com motores próprios (abandonou os Genesis na Série 30, os MWM D-229 nos TL’s e os IVECO).

A Navistar/International está trabalhando num motor denominado Maxxforce 3.1A/4.2A e 6.3A de 3,4 e 6 cilindros respectivamente, com base no Maxxforce 4.1A (ou MS4.1, Maxion S4 mesmo). Segundo o catálogo, vai ter desempenho superior e emissões controladas via catalizador e sistema EGR.  Vamos ver no que vai resultar e quem vai usar essa nova geração de motores.

Daniel Shimomoto de Araujo.

 

Nota do Editor: Nem todos os motores ilustrados são da versão agrícola.

69 ideias sobre “Motores diesel em aplicações agrícolas: Compartilhando um pouco de minha vivência

  1. Um belo relato!
    Sou um feliz fordista, tenho dois tratores ford, um 4610 e um 6610. Não tenho uma reclamação quanto a durabilidade. Claro que ele é bebedor, mas para o meu caso, isso não é fator principal, visto que meus tratores não trabalham mais do que 800 horas no ano!
    Quanto ao caminhão cargo com motor ford, conhecido como barriga d’água, tenho um 1419, com terceiro eixo, que roda diariamente com 10T, e também nunca deu trabalho. É bebedor também, fazendo media de 3 na cidade e 4 na estrada. Também tenho um cargo 2422 6×4 com motor cummins 8.3, com a boa e velha eaton seca, outro belo caminhão, que com todo seu tempo de uso, os abusos que ele sofre com o sobre peso, mas sempre respeitando a operação correta da caixa, nunca me deu dor de cabeça!
    Sou um fã do motor ford, quanto ao barulho, durabilidade, facilidade em mexer, enfim, só tenho orgulho do motor ford!

    • Caro Neto, bom dia!
      Compartilhamos da mesma opinião, em especial sobre o Cargo, com o qual temos incontáveis experiências positivas. Isto nos motivou a começar nosso livro sobre a história do caminhão no Brasil, exatamente pela linha Ford. Estamos bem avançados neste trabalho que esperamos publicar dentro em breve. Um abraço e obrigado por nos visitar e comentar. Evandro.

  2. Tenho motor Ford em um trator agricola 4610 não me da dor de cabeça nenhuma, gasta pouco, uma máquina forte.
    Tenho outro com motor Perkins, é economico mas não pega no frio e não tem como acabar com vazamento.

  3. O meu favorito para trator é o MWM, apesar da fama de não ter tanta resistência quanto os New Holland, Sisu, ou Cummins… p MWM é fácil de arrumar, já tive Cargo o motor Ford Cargo veicular era muito resistente durava quase o dobro dos concorrentes MWM, Mercedes e Perkins, o defeito do Ford era a retífica muito cara… dificuldade de conseguir peças…tive que substituir por um Cummins….aliás a Ford cometeu vários erros que depois corrigiu, já na F4000 o motor Ford diesel além de beberão era mais lento que o MWM similar, porque este apesar de menos potente girava mais alto…tive também que trocar o Ford pelo MWM…o caminhão ficou melhor do que com o motor original.

    • Luis, embora o consumo fosse recorrente nos motores Ford, eu nunca tive problemas com peças de reposição. Muito pelo contrário, o custo de retifica de um motor Ford era similar ao do Perkins.

      Grande Abraço

      • Daniel, um trator Ford/New Holland modelo 7830 (fabricado em 94 ou 95) também usa os tais motores Genesis? No manual de serviço, o diâmetro e curso dos pistões é de 111,8 x 111,8. Será que eu conseguiria peças de motor Metal Leve, KS ou Mahle para este trator ou este também é um dos que você comentou para os quais só se encontram kits de motor nas revendas? Desde já agradeço os esclarecimentos. Abraço !

  4. Olá pessoal.
    Tive um trator massey 265 e um CBT 8240, ambos equipados com motor perkins. Porém no frio deixa a desejar, e vazamento então, não tem como tira-los. mas muita força e robustes aliado com economia de combustível.
    Temo atualmente na famila, um CBT 8060 4X4, estima da família equipado com motor OM 352 S, apesar de veicular adaptado para agrícola como já comentado, é uma combinação, de robustez, economia, durabilidade. esse trator do vídeo está hj com originais 12.000 horas trabalhadas. é meu hobbie ao finais de semana cebetezar com típico 8060. para que quer ver imagens fique a vontade.
    http://www.youtube.com/watch?v=9sGfSJk0E8c

  5. Tive uma f-4000 com motor ford, realmente beberrona mas tem muita força, o problema e que o bloco do motor furou e passou água para o carter, tive que trocar o bloco.

    • Caro José, o cuidado com o líquido de arrefecimento, com troca periódica e adição de aditivos anticorrosivos e anticavitação – de acordo com as recomendações do fabricante – talvez tivesse prevenido o problema, que aliás era comum também nos motores MWM D-225 e 229. Grato por comentar. Abraço!

  6. ola colegas ,gostei muito do site ,estou para compra mf 265 ano 96 mais tenho medo,vou ver também um ursus ,mais disconheço esta marca e motorizaçao ,gostaria da opinao de vocês .

    • Caro Eder, somos suspeitos, mas sem maiores detalhes, nós escolheríamos o MF 265, uma máquina que, se bem cuidada, não tem erro. Boa sorte. Abraço.

    • MF265 sem pestanejar.

      É como comprar um VW Gol. Você sabe o que está comprando com todas as suas virtudes (muitas) e defeitos (alguns, mas todos de amplo conhecimento)

  7. Primeiramente parabéns Evandro pelo excelente artigo. Gostaria também de compartilhar experiencias que tive ao longo de minha vida com motores e maquinas agrícolas. Fui proprietário e operador de diferentes marcas ao longo do tempo, trabalhei muito com perkins nos MF 290, MF 275 e MF 65X, MF 95X, CBT 1090A e na colheitadeira MF310 e MF 3640, foram bons motores, eram econômicos e tinham mais torque na media rotação, muito semelhante comportamento dos motores mwm que tive no valmet 88, e 85 e no 985, o inconveniente para min nos perkins era nos dias de frio, eram difíceis de pegar, principalmente o perkão do cbt, que a gente tinha que colocar uma tocha de fogo na estrada de ar, sem esquecer daquelas poças de óleo no piso de galpão, vindo daqueles vazamentos que não terminavam nunca, fazer reparos neles era sinônimo de roupa suja na certa.Trabalhei também com mwm d229-6 nas colheitadeiras ideal que equiparam o modelo Ideal 1175 e 1170, que eram fabricadas aqui em Santa Rosa-RS. Aqueles motores eram bons de fogo, econômicos e não esquentavam nunca, tinha um ronco estridente, pois quase não tinham silencioso. Foi um motor que deu certo em tudo que foi colocado apesar do baixo torque nas baixas e altas rotações. Tive também cbt 2600 com o mercedes OM 352 e colheitadeira NH 4040. Era um motor bruto, com muita força em todas as rotações, me lembro que a 4040 não apanhava nunca, nem na mais verde palha de trigo e qualquer mecânico entendia dele. Foi este o motor e maquinas que deram inicio a produção de grãos no centro oeste. O om 352 equiparam também as colheitadeiras slc 1000, 2000, 2200, 6200, 7200 e outras. A melhor parte deixei para o final, fui feliz proprietário dos tratores Ford 4600, 6600 e 6610, eram tratores equipados com motores genuinamente agrícolas, em trabalhos pesados consumiam mais diesel do que os concorrentes, mas isso se diluia na área trabalhada a maior, tive no mesmo período o mf 290 com 86CV e Ford 6600 com 85CV(aquele com um decalque de um pistão ao lado do lataria do radiador), o Ford sempre se saia melhor em qualquer tarefa que era utilizado, o torque maior em baixa rotação fazia as arrancadas serem mais mansas, do contrario do mf que tínhamos que aceleram bastante para arrancar, desgastando prematuramente a embreagem; quando fazíamos serviço de gradagem, o ford começa a apanhar ele começa a fumacear bastante pelo escapamento mas conseguia vencer a subida, ja o perkins do MF 290 sempre morria e tínhamos que parara para reduzir de marcha. Foi um excelente motor, muitas horas trabalhadas antes de dar retifica, me recordo de um problema que ele tinha quando o radiador ficava muito sujo, alem de aquecer, a polia da hélice e bomba d’água corria sob o eixo e danificava o radiador. Apesar de consumir um pouco a mais de combustível, ao meu ver, era superior a todos os motores que equipavam tratores na época! Abraço a todos.

    • Caro Alexandre, muitíssimo grato por este fantástico relato, que muito ajuda nossos leitores usuários e aficionados por tratores, como nós! Um grande abraço.

    • Ótimo comentário sobre os motores. Gostaria de uma opinião sobre a colheitadeira Ideal 1175, é uma boa escolha para pequenas propriedades? Estou em negociação de uma.

  8. amigos, ótimos relatos!! Daniel Shimomoto de Araujo, estamos proximos e conheço bem a geografia daqui, porem procuro um trator para planicie “chapadão” com poco declive, uso domestico(horta, limpeza e transporte trajeto cidade/sítio/cidade, ou seja, um “cafeeiro” dá conta do recado, estou optando por um 3cil. tenho em vista um fordson dexta, um yanmar agritech ou ainda um 4cil cbt 1000, gostaria de saber sobre a ideia de consumo/manutenção e desempenho(esse ultimo nem tanto), Obrigado.
    Marlon

    • Caro Marlon, grato por suas palavras e boa sorte em sua escolha. Espero que o Daniel te retorne logo. Ele tem grande conhecimento e experiência com estas máquinas. Abraço!

    • Marlon, vamos lá;

      Um cafeeiro é um tratorzinho muito específico, estreito e por isso, eventualmente, em aplicações em locais mais inclinados pode ser uma máquina meio “assombrosa” para o operador. Por outro lado, um trator largo dessa faixa de potência é um casamento – atualmente só serve para arrastar barco em rancho e puxar carreta com sal para abastecer cocho! Tanto isso é verdade que não existe mais trator de 50cv largo!

      Sendo assim, para seu uso, o cafeeiro cai bem (até porque se você quiser vendê-lo, é bem mais fácil) mas como ponto de vista pessoal, o MF50x, MF235 (e os raros MF250X existentes na região) são bem econômicos e simples de manter. O inconveniênte é que atualmente eles não são capazes de arrastar quase que a totalidade dos implementos agrícolas mais recentes a contento. Mas se seu uso for uma pequena roçadeira, carretinha leve, um pequeno tanque de água e você se preocupar mesmo com consumo de diesel e manutenção, nem pense duas vezes. Mas dê preferência para o 250X ou os 235 mais modernos com embreagem dupla (indepentende para a tomada de força). O 50X e os 235 mais antigos com TDP dependente, com roçadeira são verdadeiros perigos sobre rodas pois a inércia das lamninas girando são quase que um segundo motor, e empurram o pequenoi trator com vontade.

      Pense na hipótese de um MF265 ou um Valmet 685. São duas máquinas boas, econômicas e aptas a fazer e tracionar grande parte dos implementos agricolas de lavouras de café, o que significa que para uma horta, funcionará muito mais a contento.

      Fuja apenas dos Valmet 60ID, 62ID que além de muito antigos, tem o cambio frágil.

      Grande Abraco

  9. show de bola(2)!!!!,,rsrs
    exato, eu tenho um certo conhecimento nos fordson, major com o perkins 4cil, por aqui ta facil a compra do major, tem bastante, mas estou aguardando um dexta(3.152) pra começar, dele penso em evoluir, ja que um MF anda com preços injustos. obrigado pela ajuda, lanço mais uma pergunta: Os perkins 4cil(major) gastam mto mais que os 3c.(dexta e mf 50) ???

  10. Marlon;

    Na verdade o que faz o MF estar com precos injustos é justamente a demanda em decorrencia do custo de manutenção e do baixo consumo.

    O Perkins A3-152 é econômico, que eu me lembre era coisa de no máximo 5L/hora arrastando roçadeira (um serviço pesadissimo para ele). Já o Fordson eu não posso falar porque nunca tive um. É uma máquina rara aqui na região de Garça.

    Grande Abraço

  11. Daniel e Evandro vocês são demaaaaaiiiiiis….Já tive tratores com motor Ford, realmente o motor é muito resistente, mas a camisa seca assusta as pessoas, ainda mais com cilindrada alta…a Ford deveria fazer o que a MWM fez com o 226 de camisa seca (e pouca aceitação) para o famoso MWM 229 de camisa úmida, se a Ford tivesse uma versão deste seu motor com camisa úmida seria um sucesso e talvez não tivesse que recorrer a Cummins. Aliás pergunta para os caminhoneiros se eles preferem o Cummins B ou o C, todos vão responder que preferem o C (de camisa úmida), camisa seca só é bom em motores pequenos que precisam de desempenho, mas se o serviço é pesado com pouca velocidade a camisa úmida é superior em refrigeração e manutenção.

    • Ricardo, bom dia! Grato pelas palavras. Seus comentários vão em linha com o pensamento da maioria. Por outro lado, os defensores dos motores de camisa seca advogam que a camisa úmida só é melhor na hora da reforma. Nos milhares de km ou horas entre reformas, a camisa seca apresenta a vantagem de ser mais robusta aos maus tratos com o líquido de arrefecimento, por ser imune ao fenômeno da cavitação de camisa e à possibilidade de falha dos anéis de vedação, que ocasiona a mistura fatal de água com lubrificante. Um abraço.

  12. Amigos, este relato sobre motores do amigo Daniel é de uma riqueza incontestável. A “ignorância” do OM-352; a durabilidade do MWM etc., é uma aula aos “loucos” pelo mundo agro.
    Acho que entra na lista de motores o AGCO POWER, ficando no 420DSA que equipa o BM 125i. Trator de 4 cilindros que despeja força bruta nas rodas, sem deixar de ser econômico, ponto forte da linha média. Faz variados serviços com plaina dianteira (enleiramento etc.). Manutenção barata e resistência.
    Penso que a aposentadoria dos lendários MWM foi acompanhada do surgimento de uma linha de motores que também vai fazer história.
    Só tenho uma ressalva: o abandono completo, pelo governo federal, do programa de expansão do Biodiesel, combustível admitido nos novos tratores da Valtra. O etanol nem se fala, vive a pior crise desde Proálcool.

    • Caro Cicero, parabéns pela máquina! Vou lançar sua pergunta aqui em nosso espaço, na esperança de que algum leitor mais douto no assunto possa te ajudar. Um abraço e grato pela visita.

    • Caro José Carlos, desculpe a demora para responder. Na verdade, precisaríamos saber que caminhão é o seu, qual o peso, se roda carregado, se anda na cidade ou na estrada, etc. Mas em linhas gerais, com um motor de 3 cilindros que deve ser o MWM D-229-3, suponho, de apenas 63 cv, não tem muito milagre. Se for um Agrale, a relação do eixo traseiro, bem reduzida, foi escolhida para compensar a pequena potência do motor, garantindo uma capacidade de partida em rampa aceitável. O resultado, por outro lado, é a limitada velocidade máxima. Se você roda leve e pega muita estrada, daria até para arriscar uma relação de diferencial mais longa (numericamente menor), mas sacrificaria a capacidade de vencer aclives ou de partir carregado nas mesmas condições. Espero ter ajudado. Um abraço.

  13. Gosto muito dos motores Perkins, são econômicos e resistentes. Tenho tratores e colheitadeira com este motor e os vazamentos neste motor e convivencia constante.
    Estou querendo adquirir uma tc 57, 2002, falaram que e o motor genesis. Tenho pouco conhecimento desta motorização e gostaria de opinião e informações sobre o motor.

    • Caro Ricardo, grato por comentar! Vou pedir para meu amigo Daniel Shimomoto Araujo que conhece bastante sobre o assunto para responder à sua indagação. Obrigado e um abraço.

      • Evandro, Ricardo tudo bem?

        Na verdade, numa colheitadeira a motorização é o que menos importa pois o motor praticamente trabalha numa velocidade constante. Os demais sistemas é que são relevantes mas, infelizmente meu conhecimento desse tipo de maquinário é o básico.

        Sobre a TC57 o que eu sempre escuto é que ela é uma excelente máquina, bastante comum, fácil de reparar mas ao mesmo tempo robusta enfim, uma boa máquina colheitadeira.

        A motorização Genesis (essa eu conheço bem) é uma motorização confiável e robusta. Um motor “pau pra toda obra”, apto a durar muitas e muitas horas de trabalho sendo feito os cuidados essenciais. O grande calcanhar de Aquiles dos Genesis é o elevado consumo de combustivel se comparado a outros motores similares. E o custo de retifica dele, que, embora seja um motor muito durável (como narrei no texto, os meus duraram mais de 10,5 mil horas – e já ouvi relatos de um com 17 mil), as peças só são vendidas nos Concessionários CNH, como a maioria das peças da marca, que não existe paralelo.

        Se o problema for a motorização e o consumo ligeiramente acima não for problema, o Genesis atende perfeitamente a aquilo que se espera de uma máquina agricola. Rusticidade, robustez e desempenho!

        Grande Abraço

    • Caro Adilson, trata-se de um excepcional motor. Se estiver em bom estado, não há dúvidas que te renderá bons frutos. Importante usar filtros originais Fleetguard e óleo de grau API compatível, bem como manter o líquido de arrefecimento com a solução recomendada, para evitar cavitação das camisas. Abraço.

  14. Gostei muito das publicações e peço ajuda aos Srs.:
    Moro no Pará e tenho um trator Ford 6600 ano 1979. Por ser antigo, sempre faço manutenção, para uso no sítio (diversos serviços).
    Alguém possui o Manual desse trator, que poderia disponibilizar, seja digital ou impresso?! Não temos pessoas por aqui que saibam ensinar-nos todas as funcionalidades do trator, especialmente nos comandos hidráulicos traseiros.
    Muito Obrigado.

  15. Ola amigos! Adquiri uma f4000 ano 1985 com motor Ford FTO e gostaria de saber se esse motor pode ser turbinado. Uso esse caminhão para carregar cavalos e sinto que ele perde muita velocidade na subida.

    • Caro Alessandro, eu particularmente não tenho experiência com este motor e também não sou adepto de transformações. Mas quem sabe algum amigo leitor possa te ajudar. Boa sorte. Abraço.

  16. A respeito dos tipos de motores posso dizer o o motor Genêsis é o mais resistente de todos , tem um ótimo torque, o único ponto negativo é que fumaceia muito , tenho um Ford 5000 ano 67 importado da Inglaterra que uso na roça e quando ligo ele de manhã ele solta uma fumaça gigantesca e não é problema de bico ou bomba injetora não é o motor mesmo , mas é um motor que aguenta pau é um motor muito bem feito. Já tive experiencias com vários tipos de motor mwm d225 perkins q20b mercedes om 314 e 352 , todos são ótimos , mas finalizando o mwm bafora um pouco no respiro do motor , o perkins tem o problema cronico dos vazamantos e o mercedes são fortes e robustos e confiáveis e todo mundo gosta. Agora o motor Genêsis difere de todos são mais raros de encontrar, lembra muito a qualidade dos Cummims.

  17. Bom dia pessoal,

    tenho uma pequena propriedade rural e comprei um trator ford 6600 ano 84 (aquele que vem com um desenho de pistão do lado), gostei muito do trator, tem muita força e bebe um puco a mais que o normal, tenho uma duvida quanto ao uso de aditivo para limpeza e conservação do radiador, é conveniente usar? que quantidade de produto vai no radiador dele? quantos horas devemos trabalhar com o aditivo de limpeza para depois colocar aquele que conserva?

    Agradeço se alguém puder me tirar essas duvidas

    • Mauricio, bom dia. Grato por seu relato. Não tenho a informação específica para o 6600, mas em geral, depois da limpeza do sistema de arrefecimento, o ideal seria trabalhar com uma mistura de água limpa (pouco mineralizada) e etileno glicol à razão de 50%. Mas quem sabe algum leitor possa nos ajudar com informações mais detalhadas sobre seu trator. Boa sorte. Abraço.

  18. Boa noite, gostaria de mais informações sobre o trator da valtra o a850 que utiliza o motor sisu 320ds. Estou negociando um e gostaria de saber se dão muita manutenção e se ele e cara por conta do motor.

    • Achei um ecelente motor trabalhei em uma fazenda por 10 anos e usava um trator Bm110 com Motor (AGCO POWER 420dS)olha como na fazenda tem um agrale 4150 um cbt2600 um valmet 85 um ford5030 um ford 8030 e um valtra bm110 que foi comprado uns 6 meses apos eu começar a trabalhar ele nunca mas nunca encomodou ate hoje faço manutencao periodica oque ocorreu no trator que prascisou trocar foi os pneus que estragaram em terras com tocos e puxando uma aradora mas tirando isso ele tem um defeito o trator é o cambio dele e um pouco duro para pasar a marcha nada d+ mas se nota no mais é maquina que ate hoje nao incomoda e outro que nao encomodou foi o valmet 85 dava problemas de temperatura apos isolar a valvula termostatica nunca mais encomodou defeito e gasta disco de freio do valmet .Bom mas acho que o trator vai da manutençao e controle de rotaçao do motor acho todos boms todos tem qualidades e defeitos acho que faz o trator e quem fica no volante msm mas tenho que adimiti o vizinho da fazenda tem mf e sinceramente os mf antigos e pra caba trator sem bloqueio não da tao sempre ou atolado ou nao puxa os equipamentos em dias molhados entao acho que isso e um serio problema otra coisa que notei e que eles usan o oleo w90 no hidraulico achei lento pelo que vi

  19. boa noite, tenho um trator new holland 7630 e após falta de combustível ele pegou ar e tentei fazer sangria e nada dele dar partida novamente o que fazer?

    • Caro Pedro, desculpe tamanha demora para responder. Eu não tenho os detalhes específicos desta máquina, mas provavelmente continuava entrar ar por algum lugar, ou os filtros ainda continham quantidade significativa de ar, o que impedia o fluxo. Obrigado e boa sorte!

    • Caro Rainhold, os motores diesel devem ser operados dentro da faixa verde de operação, conforme indicada no tacômetro, ou no manual de operações. Desculpe a demora para responder. Grato.

  20. Boa noite pessoal.

    Alguém pode me dar informações sobre um trator Ford 7830 4×4, ano 1994.

    É um bom trator?
    Qual a potência real dele?
    É muito cara a manutenção?
    Consome muito diesel?
    Ele se equipara ao MF 297 4×4?
    Faço estas perguntas pois estou precisando comprar um trator e estou em dúvida, pois apareceu um Ford 7830 ano 94 bom de preço, bom de lataria e pneus, motor e caixa aparentemente tão bons!
    Desde já agradeço,
    Dênis

    • Caro Dênis, o amigo Daniel Shimomoto de Araujo já forneceu os comentários dele via e-mail. Fiquemos no aguardo de novas manifestações de nossos amigos internautas. Obrigado pela visita e boa sorte.

  21. Gostaria de informações se é muito trabalhoso turbinar um motor Perkins 3.152 que está instalado num trator Massey Ferguson 235 1976, preciso de mais potência pra arrastar grade e tombador.

    • Caro Amauri, eu não sou a pessoa correta para te auxiliar neste tipo de consulta. Seja pela falta de experiência na modificação em si, seja por ser filosoficamente contrário a turbinar motores “por fora”. Eu, no seu caso, trocaria por um trator mais potente, como o 265, por exemplo. Obrigado pela visita e boa sorte.

  22. Ola vendo os relatos sobre motores agrícolas também tenho uma ótima experiência com o motor ford pois tenho um trator ford6610 turbo4x4 motor que tem muita força e otimo torque em qualquer rotação tanto na gradagem como no plantio faz tudo com economia e ótimo desempenho o motor não morre nunca é uma máquina de pouca manutenção e grande durabilidade quanto ao combustível não posso reclamar pois faz media de 7a8lts por hora em media rotação mesmo que passe disso ta valendo pois compensa em area trabalhada e um trator que mostra muito serviço na volta do dia até agora não tenho o que reclamar pois nunca parou no meio do trabalho até então so obtive lucro com essa máquina devido ao seu ótimo rendimento e desepenho em serviço.

  23. Ola. Apos um twmpo voltei no site pra dizrer que comprei um fergson 35 (msm q 50) no final do ano passado. Restaurei toda mecanica e agira soh acabamentos.. ja trabalhou bem na roçada.

  24. Parabéns por esta postagem, foi uma das que mais gostei.
    Gostaria de deixar aqui uma breve opinião minha sobre estes motores.

    Mercedes: Pra mim, tanto o 352 quanto o 366 se dão melhor no uso agrícola do que em uso veicular, apesar de não serem estruturais. Caminhões Mercedes com esses motores geralmente necessitam de retífica muito cedo, pois esses motores não aguentam muito esforço em altas rotações.

    MWM: A série 229 na minha opinião é o melhor motor diesel. Muito forte, durável, econômico mas com o problema de ter a bomba de óleo meio problemática. Motor excelente tanto em aplicações agrícolas quanto veiculares.

    Perkins: Muito bom em aplicações agrícolas, boa força e econômico, e com os problemas que todos citaram: vazamentos e ruim de partida.

    Ford/Gênesis: Francamente, eu não gosto desses motores. O Gênesis é bom sim, exceto pelo consumo, mas tive péssimas experiências com motor Ford em tratores. Não sei em caminhões pois nunca tive, mas trator com motor Ford ferve quanto exigidos, gasta excessivamente, faz muita fumaça e não teve durabilidade acima dos MWM, Mercedes e Perkins.

    Gostaria de saber a opinião de vocês que frequentam o site, sobre os motores Cummins da série BT 3.9 e 5.9. Pelo que sei, são famosos pela força, durabilidade e consumo elevado de combustível. Mas isso é o que ouço falar, pois nunca trabalhei com motores Cummins, trabalhei somente com os que citei acima.

    Abraço a todos !

  25. Olá todos,
    muito bom ler todas suas versões e de alto valor tb na aquisicão desses segmentos. Possuí por muitos anos um Chevrolet D 60 78 Perkins que nunca me deu trabalho na primeira partida à frio no inverno!(Sul de MG) Admirados? Eu usava o éter comprado na famárcia. A tampa de vidro como dosador , uma ½ tampa entornado numa esponja e logo encaixando-a no filtro de ar, dando tb um assopro com a “boca” para ativar a mistura/evaporacäo e em seguida dar na chave de pertida e pronto. Ferro não acostuma com nada.

  26. é importante esse tipo de trabalho que você efetuou haja visto que poucas pessoas dão importância ao mercado agrícola brasileiro por muito tempo por muito tempo somos obrigados a nos contentar com as migalhas obsoletas de tecnologia,porem este quadro vem mudando drasticamente pois a cada dia o mercado nacional tem se tornado bastante exigente nos quesitos conforto operacional tecnologia embarcada e desempenho oque tem ocasionado uma melhora impressionante na qualidade dos nossos tratores alem de um grande apreciador do mercado de maquinas agrícolas sou mecânico especializado em motores diesel e uma das minhas maiores especialidades é buscar soluções alternativas para corrigir as defasagens de potência e torque de alguns destes motores citados anteriormente ate hoje não entendo pelos resultados de campo que obtive com os motores MWM TD-229 e C6 que se aplicam tanto na Valtra quando na Agrale cheguei a potencia de 180CV@2300-rpm e torque de 680N.M@1500-rpm com grande facilidade retrabalhando apenas a calibração da Bomba Injetora e turbo compressor este motor foi lançado em 1989 e ate hoje é configurado com a mesma potência de 160CV@2300-rpm e 559N.M@1500-rpm fico pensando se eu como mecânico consegui um ótimo resultado com esse motor nao entendo porque nem a MWM nem os fabricantes de trator investiram para obter este resultado e este é apenas 1 dos muitos casos em que eu ja trabalhei em motores agrícolas do mercado nacional espero que pessoas como você continuem fazendo este trabalho pois acho muito importante. Atenciosamente : Jalmir Pinto Ribeiro Junior

  27. Tenho 7630 com mais de 15.000 horas originais, o motor genesis é realmente fantástico, muito torque para os seus modestos 105 cv.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete a conta. *