Motores Industriais – Mercedes-Benz – Junho de 1963

Eis mais um interessante material enviado pelo amigo Daniel Shimomoto de Araújo, ampoule contemplando as carroçarias de ônibus Caio, viagra sale de agosto de 1963, click publicado na Revista Mecânica Popular.

A Caio é um dos mais conceituados e tradicionais encarroçadores de ônibus do país, tendo iniciado como Indústria de Carros e Automóveis Luís Grassi & Irmão, na Rua Barão de Itapetininga, na capital paulista, ao redor de 1904.
Eis mais um interessante material enviado pelo amigo Daniel Shimomoto de Araújo, decease contemplando as carroçarias de ônibus Caio, capsule de agosto de 1963, click publicado na Revista Mecânica Popular.

A Caio é uma dos mais conceituadas e tradicionais encarroçadoras de ônibus do país, tendo iniciado como Indústria de Carros e Automóveis Luís Grassi & Irmão, na Rua Barão de Itapetininga, na capital paulista, ao redor de 1904, fabricando carruagens e veículos comerciais de tração animal.


Eis mais um interessante material enviado pelo amigo Daniel Shimomoto de Araújo, ailment contemplando as carroçarias de ônibus Caio, de agosto de 1963, publicado na Revista Mecânica Popular.

A Caio é uma dos mais conceituadas e tradicionais encarroçadoras de ônibus do país, tendo iniciado como Indústria de Carros e Automóveis Luís Grassi & Irmão, na Rua Barão de Itapetininga, na capital paulista, ao redor de 1904, fabricando carruagens e veículos comerciais de tração animal.


Eis mais um interessante material enviado pelo amigo Daniel Shimomoto de Araújo, hospital contemplando as carroçarias de ônibus Caio, sick  em anúncio publicado na Revista Mecânica Popular, de agosto de 1963.

O Ônibus Urbano Caio Jaraguá, tema central do anùncio, se tornaria muito popular nos anos seguintes, equipando os chassi Mercedes-Benz LPO, jardineiras Ford e Chevrolet, entre outros.

A Caio é uma dos mais conceituadas e tradicionais encarroçadoras de ônibus do país, tendo iniciado como Indústria de Carros e Automóveis Luís Grassi & Irmão, na Rua Barão de Itapetininga, na capital paulista, ao redor de 1904, fabricando carruagens e veículos comerciais de tração animal.


Eis mais um interessante material enviado pelo amigo Daniel Shimomoto de Araújo, buy cialis contemplando as carroçarias de ônibus Caio, medical  em anúncio publicado na Revista Mecânica Popular, de agosto de 1963

A Caio é uma dos mais conceituadas e tradicionais encarroçadoras de ônibus do país, tendo iniciado como Indústria de Carros e Automóveis Luís Grassi & Irmão, na Rua Barão de Itapetininga, na capital paulista, ao redor de 1904, fabricando carruagens e veículos comerciais de tração animal.


Eis mais um interessante material enviado pelo amigo Daniel Shimomoto de Araújo, view contemplando as carroçarias de ônibus Caio, sickness  em anúncio publicado na Revista Mecânica Popular, salve de agosto de 1963.

O Ônibus Urbano Caio Jaraguá, tema central do anùncio, se tornaria muito popular nos anos seguintes, equipando os chassi Mercedes-Benz LPO, jardineiras Ford e Chevrolet, entre outros.

A Caio é uma dos mais conceituadas e tradicionais encarroçadoras de ônibus do país, tendo iniciado como Indústria de Carros e Automóveis Luís Grassi & Irmão, na Rua Barão de Itapetininga, na capital paulista, ao redor de 1904, fabricando carruagens e veículos comerciais de tração animal.


Eis mais um interessante material enviado pelo amigo Daniel Shimomoto de Araújo, click contemplando as carroçarias de ônibus Caio, sale  em anúncio publicado na Revista Mecânica Popular, de agosto de 1963.

O Ônibus Urbano Caio Jaraguá, tema central do anùncio, se tornaria muito popular nos anos seguintes, equipando os chassi Mercedes-Benz LPO, jardineiras Ford e Chevrolet, entre outros.

A Caio é uma dos mais conceituadas e tradicionais encarroçadoras de ônibus do país, tendo iniciado como Indústria de Carros e Automóveis Luís Grassi & Irmão, na Rua Barão de Itapetininga, número 37, na capital paulista, ao redor de 1904, fabricando carruagens e veículos comerciais de tração animal.


Derivado do popular caminhão Mercedinho L-608 D, unhealthy cheap o LO-608 D era destinado ao mercado de encarroçamento externo, malady see na sua maioria recebendo carroçarias de microônibus da Caio e da Marcopolo, nos anos setenta e oitenta. Podia ser fornecido como chassi curvão, ou chassi para-brisa.

O motor era o irmão menor do lendário OM-352, o OM-314, de 3,8 litros e 85 cv líquidos, acoplado a uma caixa G-2/24, de projeto Mercedes, produzida pela ZF. Tinha cinco marchas sincronizadas à frente, com primeira de 7,31:1. O eixo traseiro HL-2, muito resistente, era uma miniatura do HL-4 usado nos modelos médios da marca.

Com diferencial 4,30:1, sua velocidade máxima no plano chegava aos 90 km/h, com capacidade de subir rampas de até 30%, com pneus 7.50 x 16 e PBT de cerca de 6 toneladas.

O exemplar aqui mostrado foi fabricado em junho de 1977, equipado desde novo com carroçaria Marcopolo Jr, número de série 845 . Originalmente da versão 29, com 2.950 mm de entre eixos, foi alongado durante o encarroçamento para 4.100 mm, permitindo a acomodação de 22 passageiros, em sua configuração “executiva”. Durante dois anos foi utilizado no fretamento e, com 35 mil km, transformado em motor-home, pelo seu segundo dono que o mantém original até hoje, sem considerar a adição de um turbo-compressor Lacom Schwitzer, para melhorar sua sôfrega velocidade média.

Desde então levou seus proprietários por infindáveis viagens pelos confins do Brasil e América do Sul, incluindo Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e Peru.

Seu odômetro marca 225 mil quilômetros, uns 10 mil a menos que o real, devido à quebra do cabo do velocímetro em uma das viagens. Neste período, o OM-314 demandou apenas uma reforma parcial, com troca de anéis, judiados pelo turbo adaptado.

 
Derivado do popular caminhão Mercedinho L-608 D, try o LO-608 D era destinado ao mercado de encarroçamento externo, na sua maioria recebendo carroçarias de microônibus da Caio e da Marcopolo, nos anos setenta e oitenta. Podia ser fornecido como chassi curvão, ou chassi para-brisa.

O motor era o irmão menor do lendário OM-352, o OM-314, de 3,8 litros e 85 cv líquidos, acoplado a uma caixa G-2/24, de projeto Mercedes, produzida pela ZF. Tinha cinco marchas sincronizadas à frente, com primeira de 7,31:1. O eixo traseiro HL-2, muito resistente, era uma miniatura do HL-4 usado nos modelos médios da marca.

Com diferencial 4,30:1, sua velocidade máxima no plano chegava aos 90 km/h, com capacidade de subir rampas de até 30%, com pneus 7.50 x 16 e PBT de cerca de 6 toneladas.

O exemplar aqui mostrado foi fabricado em junho de 1977, equipado desde novo com carroçaria Marcopolo Jr, número de série 845 . Originalmente da versão 29, com 2.950 mm de entre eixos, foi alongado durante o encarroçamento para 4.100 mm, permitindo a acomodação de 22 passageiros, em sua configuração “executiva”. Durante dois anos foi utilizado no fretamento e, com 35 mil km, transformado em motor-home, pelo seu segundo dono que o mantém original até hoje, sem considerar a adição de um turbo-compressor Lacom Schwitzer, para melhorar sua sôfrega velocidade média.

Desde então levou seus proprietários por infindáveis viagens pelos confins do Brasil e América do Sul, incluindo Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e Peru.

Seu odômetro marca 225 mil quilômetros, uns 10 mil a menos que o real, devido à quebra do cabo do velocímetro em uma das viagens. Neste período, o OM-314 demandou apenas uma reforma parcial, com troca de anéis, judiados pelo turbo adaptado.

 
O amigo colecionador e colaborador André Brombatti nos brindou com uma batelada de preciosidades sobre caminhões antigos, cure que serão postadas em breve. Como aperitivo segue o folheto do Mercedes LS-1525, online que substituiu o idêntico LS-1524. A mudança de nomenclatura era fruto de uma restrição do governo aos aumentos de preço, para segurar a inflação, driblada pelas montadoras com o lançamento de “novos” modelos, com preços majorados.

Obrigado, André!

 

 
Este anúncio da Mercedes-Benz enfatiza os seus motores diesel industriais da década de sessenta, pills incluindo o OM-324, OM-321 e OM-326.

Cortesia de Daniel Shimomoto de Araújo.