Scania L111 – 1976 – Parte 1/2

Hoje estamos postando a segunda parte do referido manual, there compartilhado pelo gentil amigo Reginaldo Bernardi, salve do Paraná.

355 14 355 15 355 16 355 17 355 18 355 19 355 22 355 23 355 24 355 25 355 26 355 27 355 28 355 29

 
Nosso amigo Daniel Shimomoto Araujo, order diagnosis site que sempre colabora com este espaço, vcialis 40mg no rx recentemente nos enviou o catálogo dos tratores agrícolas Massey Ferguson que reproduzimos aqui. Junto com o presente, recebemos também um interessante “feedback” sobre sua experiência com estas máquinas:

“Aproveito e lhe envio mais alguns catálogos que tinha salvo em
um CD, referente aos Massey Ferguson série 200 do ano de 2007.

Eu tive um Massey Ferguson 275F 4×2. Comprei esse trator por reunir
a mesma motorização do 283 (ficaria fácil “abrir a bomba”) e ter um
conjunto bem provado, além de custar quase 10 mil reais a menos. Mas
nada disso foi necessário: a curva de potência do “Maxion S4″ é boa e
conjugado com uma transmissão bem escalonada, ele tracionava com
galhardia a pesada colheitadeira de arrasto de café (pesava 7 toneladas
– e de quebra havia a necessidade de gerar potência nos motores
hidráulicos da máquina com a TDP).

Observe que na série 250/255 a motorização é indiana – da marca Simpson.
Foi usada também em um Valtra, chamado 585.

Eu pessoalmente sempre achei a linha Massey Ferguson/Perkins a melhor
relação desempenho x economia x custo de manutenção. Apesar disso, não
nego: A paixão minha mesmo é a linha Ford New Holland e seus motores
Ford Diesel de grande cilindrada.”

Daniel, muito obrigado por mais esta bela colaboração!

MF250XF 2007-1 FOPMF255Fokok.cdr FOPMF275maio].cdr FOPMF283Fokok.cdr FOPMF299.cdr FOPMF265.cdr FOPMF275Fok.cdr FOPMF283maio.cdr FOPMF290maio.cdr FOPMF292maio.cdr FOPMF297maio.cdr
Depois dos L75, recipe L76 e L110, ed o L111 foi a encarnação final do afamado Scania “Jacaré”, antes da “Era Laranja Scania” dar lugar à angulosa Série 2, no começo dos anos oitenta.

Equipado na maioria das vezes com o Scania DS11, um engenho turboalimentado de dois cabeçotes, seis cilindros enfileirados e deslocamento de 11 litros, bom para 296 cv a 2.200 rpm, o L111 normalmente era (e ainda o é…) avistado com semirreboque de três eixos, dos mais variados tipos, cruzando o país de norte e sul e de leste a oeste.

Sua caixa Scania GR 860, de 10 marchas dividas em duas gamas, transmitia a força motriz para o eixo AD 90, de simples redução e uma velocidade, do mesmo fabricante. Havia um raro eixo com redução nos cubos, opcional no L111, e de série, em tandem, no poderoso LT111, um 6×4 para serviços vocacionais pesados ou cargas excepcionais. O LS111 com terceiro eixo de fábrica era pouco popular.

Quase tocando no pequeno para-brisa plano, o volante passava impressão de ser maior do que realmente era, como denotam algumas das fotos do catálogo. O carona costumava sentar-se no leito, já que a maioria das cabinas só contava com o banco do motorista. De qualquer modo, dirigi-lo dava uma enorme sensação de poder, mesmo a bordo da pequena cabina.

Empurrar os Mercedes 1113 ladeira acima, mesmo com 30 toneladas nas costas, era de praxe, como pode atestar este que aqui digita, no verão de 1980, instalado de “copiloto” num L111 S, novinho em folha, com uma carga de adubo para o Nordeste.

Este belíssimo catálogo vem do Espírito Santo, doado pelas mãos de nosso amigo André Giori, um gentil colaborador deste espaço.

Amanhã traremos a segunda parte deste precioso material. Não perca!

A você André, nossa gratidão!

L111 1 L111 2 L111 3 L111 4 L111 5 L111 6 L111 7 L111 8

15 ideias sobre “Scania L111 – 1976 – Parte 1/2

  1. EIS UM BRUTO QUE CARREGOU O PROGRESSO DO BRASIL NAS COSTAS….SOU UM ADMIRADOR CONFESSO DESSA MAQUINA…

    • Reginaldo, nós também somos grandes admiradores desta máquina, a encarnação final do estimado “Jacaré”. O L111 deixou um enorme legado para a Scania e preparou o caminho para a chegada da Série 2, consolidando a posição de liderança do “Rei da Estrada”. Grato pelo comentário.

  2. Excelente post! Um caminhão muito presente nas estradas brasileiras e que ainda puxa muito container do Porto de Santos. Gostaria de aproveitar para esclarecer uma dúvida: quais as principais diferenças, vantagens e desvantagens das rodas raiadas e disco? Considerando que no passado o primeiro modelo era opcional, era pra caminhões mais pesados e hoje em dia está em desuso por parte dos fabricantes.

    E uma outra observação: considero difícil encontrar um cavalo mecânico Scania moderno com o terceiro eixo original de fábrica. Aqui perto onde tem muitos caminhões de transporte de gás, tem caminhões bem variados e, dentre os Scania, todos tem o terceiro eixo adaptado. Você acredita que o único motivo é econômico ou tem mais fatores que influenciam nessa decisão?

    Obrigado!

    • Caro Odair, grato por comentar! Você tem razão, ainda tem muitos L111 por aí, ajudando seus donos a pagarem as contas.

      Quanto às rodas, as raiadas fazem parte de um conceito muito antigo, adotado desde o início do século XX. Suas principais vantagens são a robustez e uma suposta dissipação de calor dos freios superior às rodas de disco de aço estampado. Digo suposta, pois testes realizados por um importante fabricante de freios revelaram que não há vantagem alguma para as rodas raiadas. Como desvantagens, apresentam maior peso, maior dificuldade de alinhamento e maior complexidade, com número superior de componentes por cubo.

      As rodas de disco predominam no mundo todo. O Brasil foi uma das últimas trincheiras das rodas raiadas. Com o advento dos pneus radiais sem câmara, com relutância, o mercado foi gradativamente aderindo às novas rodas “drop center”, mandatórias com tais pneus. As vantagens são inúmeras: menor peso, dissipação de calor tão boa ou melhor que as raiadas, menor número de componentes, facilidade de montagem e desmontagem com centragem pelo cubo, etc.

      Mesmo assim, a parcela mais conservadora do mercado exigiu o desenvolvimento de uma pérola do mundo automotivo, exclusiva do Brasil: a roda raiada para aro tipo “drop center”, que permite a montagem de pneu sem câmara. Tais rodas são relativamente comuns em semirreboques mais recentes, porém estão em lento declínio.

      Quanto aos Scania com terceiro eixo: a vasta maioria dos caminhões da marca fabricados nos últimos anos têm terceiro eixo da Suspensys, uma divisão da Randon, fornecido como equipamento original. Há alguns anos, com aprovação Scania, este eixo era instalado na fábrica da Randon, em Guarulhos, porém, mais recentemente parece ter sido integrado na própria planta da Scania, em São Bernardo do Campo. A única exceção fica por conta dos modelos 6×2 com suspensão a ar, nos quais todo o aparato de terceiro eixo é da própria Scania.

      Grato pelas interessantes perguntas.

      Abraço.

  3. VEJA COMO SÃO AS COISAS…ESSA PRIMEIRA FOTO,ONDE A PARECE O L-111 COM UMA CARRETA CAÇAMBA,FOI EM UMA PEDREIRA AQUI BEM PROXIMO DE ONDE EU MORO…HOJE JA FORA DE ATIVIDADE,POREM NA ÉPOCA ESTAVA EM PLENO FUNCIONAMENTO,INCLUSIVE DAVA PRA OUVIR AS EXPLOSÕES DE NOSSA CASA,ESSA MESMA PEDREIRA JA FOI PALCO NO LANÇAMENTO DO VOLVO NL10 310 6×4 EM MEADOS DOS ANOS 90…

    • Reginaldo, que bacana! Este detalhe da pedreira, mais a admiração pelo L111, deve tornar este catálogo ainda mais especial para você, não? Grande abraço.

  4. É VERDADE EVANDRO…

    É UM POST PRA MIM COM UM TOQUE ESPECIAL,QUANTOS CAMINHOES PRINCIPALMENTE DO D.E.R,QUE VI SAINDO DAI LOTADOS DE PEDRA,NA SAIDA TEM UM ACLIVE BEM ACENTUADO,E ERA BUNITO ESCUTAR O CHORO DAS 1933 E O SOPRADO DAS 112HW QUE SEMPRE ESTAVAM POR AI,FORA OS 1520 QUE ERAM VARIOS A SERVIÇO DO ESTADO DO PARANA NA ÉPOCA,A ALGUNS ANOS, NOS FUNDOS, A PREFEITURA DE CURTITIBA FEZ UM BELO PARQUE,E ATUALMENTE A PREFEITURA DE COLOMBO (cidade que nasci vizinha a curitiba,e a pedreira é a divisa das duas) ESTA COM UMA OBRA DE UMA AVENIDA,QUE VAI PASSAR POR DENTRO DA VELHA PEDREIRA…

    • Que interessante, Reginaldo!

      Por falar em ronco, o DS11 tem um espetacular também, na minha modesta opinião.

      Grande abraço e boa noite!

  5. OLA EVANDRO…

    CONCORDO 100% O RONCO DOS DS11 É UM SHOW A PARTE,OS QUE EQUIPARAM OS 113H TEM UM CASTANHADO NA LENTA QUE É MUITO BONITO,ALEM DO QUE UMA LEVE CUTUCADA NO ACELERADOR E O CONTA GIROS PULA PRA CIMA…

  6. Se o catálogo da Volvo Nl10 310 6×4, for de uma pá carregadeira junto, acho que tenho esse catálogo… linha Volvo 93.

  7. Prezado Evandro, nosso amigo REGINALDO BERNARDI, disse que além da Scania da pedreira do post, uma Volvo NL foi fotografada na mesma pedreira.

    Abraços…

    • Ok, amigo Giori, agora entendi! Acho que me perdi entre os comentários. Obrigado. Abraço.

  8. ola reginaldo, pelo meu e-mail vc ja pode concluir que tambem sou apaixonado pela scania, tenho muito material antigo da marca, tenho miniaturas, chaveiros, emblemas, enfim quase tudo, gostaria muito que a scania fizesse uma materia com fas fanaticos como nos, mas ate hoje isto nao aconteceu nao e mesmo amigo? gostaria muito de trocar ideias com vc amigao, falarmos sobre esta paixao chamada scania, valeu amigao? um grande abraço amigo, paulo.

Comentários encerrados.