Scania Série Horizontes – Agosto de 2001

Mais uma relíquia aguarda os cuidados de nosso amigo Alberto Rocchi. Trata-se de um pouco conhecido Chevrolet Spartan Série 100, order healing ano 1958.

O modelo que aparenta ser um 10503 da classe de 2 1/2 toneladas nominais, shop tinha um PBT de 25.000 libras, malady ou 11.350 kg, e PBTC de 48.000 libras, ou 21.800 kg, com eixos traseiros em tandem, rodas fundidas raiadas e freios pneumáticos, estes últimos de série.

A força motriz era proveniente de um novo motor Chevrolet para serviço pesado denominado de Workmaster 348, um V8 a gasolina de 5,7 litros, potência bruta de 233 cv a 4.400 rpm e torque bruto de 455 Nm a 2.800 rpm. É possível que os caminhões de exportação tenham sido equipados com motor diesel.

A cabina básica era a mesma da belíssima série “Marta Rocha”, introduzida como a segunda série de 1955, porém com a frente renovada com faróis quádruplos para a temporada de 1958. Este desenho seguiria inalterado até 1959.

Num tempo de importações suspensas e produção local em plena aceleração, é mesmo uma raridade encontrar um modelo 1958 importado como este.

Ao amigo Alberto Rocchi nossas sinceras saudações antigocaminhonistas e parabéns pela sua determinação de salvar estas preciosidades da reciclagem!
Mais uma relíquia aguarda os cuidados de nosso amigo Alberto Rocchi. Trata-se de um pouco conhecido Chevrolet Spartan Série 100, visit this site
ano 1958.

O modelo que aparenta ser um 10503 da classe de 2 1/2 toneladas nominais, cialis sale tinha um PBT de 25.000 libras, cialis ou 11.350 kg, e PBTC de 48.000 libras, ou 21.800 kg, com eixos traseiros em tandem, rodas fundidas raiadas e freios pneumáticos, estes últimos de série.

A força motriz era proveniente de um novo motor Chevrolet para serviço pesado denominado de Workmaster 348, um V8 a gasolina de 5,7 litros, potência bruta de 233 cv a 4.400 rpm e torque bruto de 455 Nm a 2.800 rpm. É possível que os caminhões de exportação tenham sido equipados com motor diesel.

A cabina básica era a mesma da belíssima série “Marta Rocha”, introduzida como a segunda série de 1955, porém com a frente renovada com faróis quádruplos para a temporada de 1958. Este desenho seguiria inalterado

até 1959.

Num tempo de importações suspensas e produção local em plena aceleração, é mesmo uma raridade encontrar um modelo 1958 importado como este.

Ao amigo Alberto Rocchi nossas sinceras saudações antigocaminhonistas e parabéns pela sua determinação de salvar estas preciosidades da reciclagem!
Mais uma relíquia aguarda os cuidados de nosso amigo Alberto Rocchi. Trata-se de um pouco conhecido Chevrolet Spartan Série 100, ask click ano 1958.

O modelo que aparenta ser um 10503 da classe de 2 1/2 toneladas nominais, look tinha um PBT de 25.000 libras, ou 11.350 kg, e PBTC de 48.000 libras, ou 21.800 kg, com eixos traseiros em tandem, rodas fundidas raiadas e freios pneumáticos, estes últimos de série.

A força motriz era proveniente de um novo motor Chevrolet para serviço pesado denominado de Workmaster 348, um V8 a gasolina de 5,7 litros, potência bruta de 233 cv a 4.400 rpm e torque bruto de 455 Nm a 2.800 rpm. É possível que os caminhões de exportação também tenham sido equipados com motor diesel.

A cabina básica era a mesma da belíssima série “Marta Rocha”, introduzida como a segunda série de 1955, porém com a frente renovada com faróis quádruplos para a temporada de 1958. Este desenho seguiria inalterado

até 1959.

Num tempo de importações suspensas e produção local em plena aceleração, é mesmo uma raridade encontrar um modelo 1958 importado como este.

Ao amigo Alberto Rocchi nossas sinceras saudações antigocaminhonistas e parabéns pela sua determinação de salvar estas preciosidades da reciclagem!

O raríssimo Ford F-900 ilustrado está sendo reformado por um de nossos amigos leitores, pharm Alberto Rocchi, pills que nos fez a cortesia de enviar fotos deste interessante projeto de restauração.

Segundo o Alberto, remedy o F-900 produzido nos Estados Unidos fazia parte de um lote de 10 caminhões que serviu na construção de Brasília.

Junto com os modelos F-1000 (não confundir com o picape nacional) e F-1100, o F-900 fazia parte do topo da linha F norte-americana.

O modelo ilustrado vinha equipado de série com um motor Ford V8 Torque King 332 a gasolina de 5,4 litros, 193 cv e 415Nm e seu PBTC era de 27.240 kg, um valor respeitável ao seu tempo. Os modelos de exportação eram equipados com motor diesel opcional, e Alberto – que adquiriu o caminhão sem motor – acredita que seu exemplar tenha sido assim fabricado.

Note que a  cabina é similar à empregada nos modelos brasileiros Super Ford, produzidos de 1962 a 1972. Os para-lamas tinham largura adicional para acomodar o eixo dianteiro de bitola e capacidade incrementada. As rodas eram raiadas e os freios pneumáticos.

Ele também nos explica que tenciona instalar um venerável motor Detroit 6V-53 (o mesmo do F-8500 nacional) em seu F-900.

Agradecemos ao Alberto por dividir conosco esta preciosidade e desde já deixamos aqui nosso pedido de novas fotos do andamento da restauração.

Certamente será sucesso garantido nos encontros de antigos e clássicos!

 

 

O raríssimo Ford F-900 ilustrado está sendo reformado por um de nossos amigos leitores, diagnosis Alberto Rocchi, que nos fez a cortesia de enviar fotos deste interessante projeto de restauração.

Segundo o Alberto, o F-900 produzido nos Estados Unidos fazia parte de um lote de 10 caminhões que serviu na construção de Brasília.

Junto dos modelos F-1000 (não confundir com o picape nacional) e F-1100, o F-900 fazia parte do topo da linha F norte-americana.

O modelo ilustrado vinha equipado de série com um motor Ford V8 Torque King 332 a gasolina de 5,4 litros, 193 cv e 415Nm e seu PBTC era de 27.240 kg, um valor respeitável ao seu tempo. Os modelos de exportação eram equipados com motor diesel opcional, e Alberto – que adquiriu o caminhão sem motor – acredita que seu exemplar tenha sido assim fabricado.

Note que a  cabina é similar à empregada nos modelos brasileiros Super Ford, produzidos de 1962 a 1972. Os para-lamas tinham largura adicional para acomodar o eixo dianteiro de bitola e capacidade incrementada. As rodas eram raiadas e os freios pneumáticos.

Ele também nos explica que tenciona instalar um venerável motor Detroit 6V-53 (o mesmo do F-8500 nacional) em seu F-900.

Agradecemos ao Alberto por dividir conosco esta preciosidade e desde já deixamos aqui nosso pedido de novas fotos do andamento da restauração.

Certamente será sucesso garantido nos encontros de antigos e clássicos!

 

 

Nosso amigo Bruno Camargo desta vez colaborou enviando o bonito anúncio da Série Horizontes da Scania, no rx lançada em agosto de 2001, sickness  oferecendo o novo motor eletrônico de 400 cv, see introduzido no mesmo ano. Dentre os inúmeros detalhes, o mais proeminente era a pintura na tradicional cor páprica, denominada Laranja Scania, reminscente dos “Jacarés”, dos anos sessenta a oitenta. A Série era voltada aos autônomos e pequenos frotistas.
Segundo o Bruno:
“Segue mais um material interessante de 12 anos atrás, a série especial Horizontes, com apenas 650 unidades. Tinha versão 360 e 400 cv.”
Espero que sirva, abraço!”
Certamente serve, Bruno. Obrigado.

Uma ideia sobre “Scania Série Horizontes – Agosto de 2001

  1. Levantei esses dias lendo nas publicações que o motor de série era o 400 hp e opcional era o 360 hp.

    Nesta fase, o 124 estava melhorando, mas a diferença para o FH12 era grande, este abriu espaço e cada vez mais foi evoluindo.

Comentários encerrados.