Motor Chevrolet 4.8L a álcool – A-60 – 1981

Nossa amiga Mayra Amorim de Lima, more about
de Pernambuco, case nos enviou duas bonitas imagens que contam um pouco da história de seus familiares e de nossos caminhões, sickness conforme atestam suas palavras:

“Boa noite!

O meu nome é Mayra, e gostaria primeiro de parabenizá-los por esta página e por manterem viva em nossas memórias as mais belas recordações dos carros antigos.

Eu sou filha de caminhoneiro, meu pai chama-se Luiz Wilson e a pedido dele venho disponibilizar duas fotos de dois caminhões antigos. Um deles trata-se de um caminhão Alfa Romeu D-11000, ano 1970. Na foto quem aparece é o meu pai, ela foi tirada em 1987, eu nem ao menos era nascida, mas desde sempre vi meu pai dirigindo caminhão, ele realmente gosta muito do que faz. Eu o amo e tenho muito orgulho dele, para mim o melhor motorista que já conheci rsrs (sou suspeita falar!). Eis que a paixão por caminhões foi herdada, na outra foto quem aparece é o meu avô Manoel Correia (in memoriam). Trata-se de um Mercedes-Benz LP-321, ano 1959. O caminhão está transportando 4 veículos: 2 Fuscas e 2 Jeeps todos 0km, realmente, uma relíquia. A foto foi tirada em 1964 na cidade de Milagres-BA.

Somos todos do interior pernambucano. Me sentiria muito lisonjeada pela publicação das fotos para contribuir com a memória do site e claro, poder mostrar para o meu pai. Aguardo retorno. E mais uma vez parabéns a todos que fazem o caminhãoantigobrasil.com!

Att: Mayra Amorim de Lima”.

Af d11000 Aflp321

 
Em mais uma contribuição do amigo Alfredo Rodrigues, viagra dividimos com você este anúncio da GM sobre o motor 4.8L a álcool usado no caminhão Chevrolet A-60 de 1981.

Quer saber mais sobre os caminhões Chevrolet a álcool deste período? Clique aqui.

Chevrolet motor a alcool

Ford F-1000 Turbo – 1991

drugs ‘sans-serif’;”>Dentre o farto material enviado pelo amigo Alfredo Rodrigues, adiposity hoje destacamos este anúncio da picape Ford F-1000 Turbo de 1991. O modelo foi o primeiro do gênero no Brasil a ser equipado com turboalimentador de fábrica.

information pills ‘sans-serif’;”>Num tempo em que grande parte dos usuários de picapes diesel costumava instalar o turbo por conta própria, a Ford resolveu contabilizar este mercado adicional, desenvolvendo esta versão de sua bem sucedida picape com um novo motor MWM dotado de turbo Garret, modelo T-315.

Internamente, o novo motor TD-229.EC4 tinha várias mudanças, como os pistões com nova câmara de combustão, novas bielas, novos mancais e virabrequim, todos reforçados para suportar as maiores solicitações. O resultado eram 119 cv, contra os 87 cv da versão naturalmente aspirada. O torque máximo chegava a 37 mkgf a 1.600 rpm. Com o novo propulsor, a F-1000 atingia os 100 km/h em 18 segundos, a partir da imobilidade, contra letárgicos 32 segundos da versão sem turbo, conforme teste da Revista Quatro Rodas, de janeiro de 1991.

O desenvolvimento deste motor levou muita gente a pensar que uma versão de 6 cilindros – muito esperada nos caminhões da Série F e nos VW – fosse debutar na sequência, o que acabou não ocorrendo, em grande parte devido ao desenvolvimento da nova família X-10.

Ford F-1000 Turbo Veja Setembro 1991

 

Suspensão Twin-I-Beam – Ford F-350 – Agosto 1972

abortion ‘sans-serif’;”>Quando a Ford lançou sua nova Série F em 1972, side effects uma das grandes novidades foi a adoção da suspensão dianteira independente Twin-I-Beam (se pronuncia “tuim ai bim”) no F-350. Este arranjo já era empregado há algum tempo pela irmã menor, visit this a picape F-100.

Mais de quatro décadas depois, a Twin-I-Beam – mesmo com algumas idiossincrasias – tem sobrevivido ao rigor do tempo e continua viva no novo F-350 Euro 5.

Esta peça publicitária também foi enviada pelo colega Alfredo Rodrigues.

 

Ford F350 Twin-I-Beam TM agosto 1972

 

 

 

 

Motor MWM D-229 – Setembro de 1987

view ‘sans-serif’;”>O motor MWM D-229 nas drug ‘sans-serif’;”>suas versões de 3, 4 e 6 cilindros é um velho conhecido dos brasileiros tanto nas estradas como longe delas.

Além de caminhões e ônibus Agrale, Ford e Volkswagen, também equipou (e continua fazê-lo) uma enorme variedade de tratores, máquinas de construção, motobombas, grupos geradores, embarcações, entre outros.

Algumas de suas características construtivas mais relevantes eram o confiável sistema de injeção direta Bosch, os cabeçotes individuais e as camisas de cilindro úmidas e removíveis. Ao contrário de alguns motores de sua categoria, o D-229 também exibia bloco que se estendia bem abaixo da linha de centro do virabrequim, proporcionando rigidez estrutural extra.

Este anúncio de 1987 nos foi remetido pelo amigo Alfredo Rodrigues, em mais uma de suas inúmeras colaborações.

Motor MWM D229 TM setembro 1987 2

 

 

Suspensão Randon – Agosto 1975

Há algum tempo atrás, order ampoule pharmacy o amigo Daniel Giraldi nos enviou uma série de imagens interessantes captadas por sua atenta câmera, approved
clinic conforme reproduzimos abaixo, view junto com seus comentários:
“Algumas fotos que eu já estava a algum tempo querendo te mandar.
 DAILY
A alguns anos atrás, antes das Ford Transit aparecerem, esses Iveco Daily eram os principais veículos de distribuição urbana da Elma Chips, sucessores das Kombis que foram um ícone nas décadas de 80 e 90.
Kia K-2700 Bongo com gerador montado na carroceria, ao lado de um gerador estacionário do hotel Sheraton, em Porto Alegre.
Até avistar esse Agrale Marruá Euro-2 ano 2013 que foi incorporado à frota do Exército na época da Copa das Confederações, e configurado como estação móvel de telecomunicações, eu achava que a frota militar brasileira já tinha que ser compatível com o padrão Euro-3…
Mercedes-Benz L-1318 Electronic usado em serviços de catering para aviação, baseado no aeroporto daqui de Porto Alegre mesmo.
1418-A da Força Aérea Brasileira.
Mercedes-Benz LG-1213 do Exército
Marcopolo Torino G6 articulado com chassi Mercedes-Benz OF-1722, esse chassi foi muito popular no transporte metropolitano de passageiros entre Porto Alegre e cidades próximas. Ainda se vê muitos em operação.
Esse VW militar com carroceria cisterna eu não consegui identificar com precisão, mas é 6×4…
Esse é o único 17-220 que eu me lembro de ter visto, só lembrava do 17-210 Euro-2 e do 17-230E Euro-3.
Mesmo já sendo Euro-5, suponho que esses Volvo VM mereçam aparecer por serem anteriores ao facelift mais recente que essa série recebeu.
Outro dia te mando mais umas.”.
Há algum tempo atrás, sovaldi sale o amigo Daniel Giraldi nos enviou uma série de imagens interessantes captadas por sua atenta câmera, recipe conforme reproduzimos abaixo, junto com seus comentários:
“Algumas fotos que eu já estava a algum tempo querendo te mandar.
 DAILY
Há alguns anos atrás, antes das Ford Transit aparecerem, esses Iveco Daily eram os principais veículos de distribuição urbana da Elma Chips, sucessores das Kombis que foram um ícone nas décadas de 80 e 90.
K2700
Kia K-2700 Bongo com gerador montado na carroceria, ao lado de um gerador estacionário do hotel Sheraton, em Porto Alegre.
MARRUA
Até avistar esse Agrale Marruá Euro-2 ano 2013 que foi incorporado à frota do Exército na época da Copa das Confederações, e configurado como estação móvel de telecomunicações, eu achava que a frota militar brasileira já tinha que ser compatível com o padrão Euro-3…
L-1318
Mercedes-Benz L-1318 Electronic usado em serviços de catering para aviação, baseado no aeroporto daqui de Porto Alegre mesmo.
1418-A
1418-A da Força Aérea Brasileira.
LG-1213
Mercedes-Benz LG-1213 do Exército.
OF-1722
Marcopolo Torino G6 articulado com chassi Mercedes-Benz OF-1722, esse chassi foi muito popular no transporte metropolitano de passageiros entre Porto Alegre e cidades próximas. Ainda se vê muitos em operação.
VW 6X4
Esse VW militar com carroceria cisterna eu não consegui identificar com precisão, mas é 6×4…
17.220
Esse é o único 17-220 que eu me lembro de ter visto, só lembrava do 17-210 Euro-2 e do 17-230E Euro-3.
VM EURO 5
VM 330
Mesmo já sendo Euro-5, suponho que esses Volvo VM mereçam aparecer por serem anteriores ao facelift mais recente que essa série recebeu.
Outro dia te mando mais umas.”
Há meses atrás, remedy o amigo Daniel Giraldi nos enviou uma série de imagens interessantes captadas por sua atenta câmera, conforme reproduzimos abaixo, junto com seus comentários:
“Algumas fotos que eu já estava há algum tempo querendo te mandar.
 DAILY
Há alguns anos atrás, antes das Ford Transit aparecerem, esses Iveco Daily eram os principais veículos de distribuição urbana da Elma Chips, sucessores das Kombis que foram um ícone nas décadas de 80 e 90.
K2700
Kia K-2700 Bongo com gerador montado na carroceria, ao lado de um gerador estacionário do hotel Sheraton, em Porto Alegre.
MARRUA
Até avistar esse Agrale Marruá Euro-2 ano 2013 que foi incorporado à frota do Exército na época da Copa das Confederações, e configurado como estação móvel de telecomunicações, eu achava que a frota militar brasileira já tinha que ser compatível com o padrão Euro-3…
L-1318
Mercedes-Benz L-1318 Electronic usado em serviços de catering para aviação, baseado no aeroporto daqui de Porto Alegre mesmo.
1418-A
1418-A da Força Aérea Brasileira.
LG-1213
Mercedes-Benz LG-1213 do Exército.
OF-1722
Marcopolo Torino G6 articulado com chassi Mercedes-Benz OF-1722, esse chassi foi muito popular no transporte metropolitano de passageiros entre Porto Alegre e cidades próximas. Ainda se vê muitos em operação.
VW 6X4
Esse VW militar com carroceria cisterna eu não consegui identificar com precisão, mas é 6×4…
17.220
Esse é o único 17-220 que eu me lembro de ter visto, só lembrava do 17-210 Euro-2 e do 17-230E Euro-3.
VM EURO 5
VM 330
Mesmo já sendo Euro-5, suponho que esses Volvo VM mereçam aparecer por serem anteriores ao facelift mais recente que essa série recebeu.
Outro dia te mando mais umas.”

Este post é o segundo do LS-1630 da família HPN, unhealthy a pedido de um de nossos leitores.

Junto com o menos popular LS-1625, sickness o LS-1630 acabou herdando o espaço criado pelos LS-1519, seek LS-1524 e LS-1525, antecessores da família AGL, no segmento de entrada dos pesados.

O LS-1630 tinha a exclusiva vantagem dentre os modelos mencionados de poder tracionar semirreboques de 3 eixos. Essa vantagem alavancou sua imagem e deu espaço para os seus sucessores crescerem, na forma do LS-1632, LS-1633 e LS-1634, este último um híbrido, combinando elementos do LS-1633 e do bem sucedido LS-1935.

Seu DNA continua vivo no novo Atron 1635 Euro 5.

 
Este interessante anúncio da Randon evidencia os detalhes construtivos do tandem triplo da Randon, pharmacy click tão empregado nos tradicionais semirreboques da marca caxiense que se tornaram uma referência no mercado.

Agradecemos ao amigo Alfredo Rodrigues por mais esta colaboração.

Suspensao Randon Agosto 1975

 

Motor Maxion S4 – Outubro de 1991

Nascida para ser uma edição limitada, cialis sickness seek a Super Série acabou virando a versão topo de linha da Série F de picapes Ford, buy medical oferecida tanto na F-100 como na F-1000, a partir de 1980.

Este anúncio foi uma colaboração do amigo Alfredo Rodrigues.

Ford F-100 Super Serie Veja setembro de 1979
Nascida para ser uma edição limitada, view a Super Série acabou virando a versão topo de linha da Série F de picapes Ford, ask oferecida tanto na F-100 como na F-1000, advice a partir do ano-modelo 1980.

Este anúncio foi uma colaboração do amigo Alfredo Rodrigues.

Ford F-100 Super Serie Veja setembro de 1979
Resultante do aperfeiçoamento do motor Perkins Q20B4, viagra cialis o Maxion S4 trazia inúmeras melhorias e equipava a partir de 1992 diversos veículos, click cialis entre os quais as picapes D-20 da Chevrolet, pilule sua aplicação mais célebre, além das camionetas Bonanza e Veraneio, e dos caminhões leves D-40 e 6000 da mesma marca.

Mais tarde, a Silverado (substituta da D-20) também empregou o S4, em sua versão básica.

Em 1993, suas especificações mostravam potência de 92 cv a 2.800 rpm e 274 Nm a 1.600 rpm, para um deslocamento de 4 litros redondos. A versão turbo S4T rendia 120 cv e 375 Nm, nos mesmos regimes de rotação.

Esta peça de publicidade nos foi gentilmente cedida pelo amigo Alfredo Rodrigues.

Motor Maxion S4 Veja outubro 1991

Ford F-100 Super Série – Setembro de 1979

Nascida para ser uma edição limitada, prostate a Super Série acabou virando a versão topo de linha da Série F de picapes Ford, oferecida tanto na F-100 como na F-1000, a partir do ano-modelo 1980.

Este anúncio foi uma colaboração do amigo Alfredo Rodrigues.

Ford F-100 Super Serie Veja setembro de 1979

Tratores Ford – 1980

Encontrar um caminhão Mercedes-Benz LP-331 nos dias de hoje é um grande feito, buy cialis sobretudo se for original e estiver em perfeitas condições de funcionamento. O acontecimento torna-se ainda mais especial se for um exemplar de 1965, viagra quando apenas 350 deles foram produzidos em São Bernardo do Campo.

Mas, se estivermos falando de um caminhão único dono, com 800 mil quilômetros originais, sem reforma de motor, então o fato torna-se extraordinário.

Porém, não foi “apenas” isso que casualmente encontramos.

Em nossas andanças e pesquisas históricas, descobrimos em São Paulo, um caminhão Mercedes LP-331 1965 em excepcional estado de conservação, condecorado não com um, mas com dois brasões do fabricante: um de 800 mil quilômetros e outro de 1 milhão de quilômetros, em reconhecimento à sua quilometragem original, percorrida sem reforma total de motor.

Essa verdadeira joia pertence ao acervo do Museu de Polícia Militar do Estado de São Paulo e encontra-se armazenado na Reserva Técnica do Barro Branco, na capital paulista.

Incorporado “zero km” à frota da PM em 1965 e equipado com implemento tipo tanque para transporte de combustível, o LP-331 foi utilizado na distribuição de combustível entre as bases da polícia por todo estado.

Conduzido e zelado quase que exclusivamente pelo Cabo PM Norberto Borges dos Santos, o LP atravessou longos anos em excelente estado de conservação que o permitiu alcançar a admirável marca, sem “mexer” no motor.

O fato foi reconhecido pela própria Mercedes-Benz que concedeu o “Prêmio MB 800.000 km”, além de premiar o motorista com uma soma em dinheiro e uma viagem à Europa.

Depois disso, o Cabo Norberto Borges continuou a operar o 331, cuidando dele com todo carinho, como se fosse seu, permitindo que ele alcançasse a fenomenal marca de 1 milhão de quilômetros, sem mexer no motor. Novamente, a Mercedes reconheceu o fato extraordinário e concedeu o “Prêmio MB 1.000.00.000 km”.

Raras e inusitadas, ambas as premiações podem ser atestadas pelos brasões afixados na dianteira do caminhão, como mostram as imagens. Em que pese os bons cuidados que recebeu na PM, além do fato de rodar relativamente leve para seu porte, há que se recordar que tais marcas eram muito difíceis de atingir com a tecnologia dos anos 60, tanto dos motores, quanto dos lubrificantes (com baixo nível de aditivação) e mesmo das vias, em que as velocidades médias eram bem menores que as atuais, da ordem de 40 a 60 km/h, em geral.

Depois da baixa do Cabo Norberto da PM, a viatura tanque teve apenas mais dois motoristas antes de ser descarregada e entregue ao Museu há anos atrás. Embora tenha chegado rodando ao Museu, o veículo não teve a felicidade de ser posto em marcha novamente, nem tampouco de ver a luz do sol em desfiles ou eventos da Corporação.

Segundo o Diretor do Museu, o Coronel José Paulo Ferreira Teixeira, o grande obstáculo para a conservação e recuperação do Mercedes LP-331 é a falta de recursos específicos para este fim. Portanto, o Museu está empenhado em buscar parceiros que se interessem pela restauração desta preciosidade única.

“A viatura poderia ser restaurada pela própria Mercedes, que poderia mantê-la em seu acervo histórico, como peça de destaque”, enfatiza o Coronel José Paulo, ou “mesmo por parceiros da iniciativa privada, como transportadoras que já se dedicam à recuperação de caminhões antigos e clássicos”.

“Estamos abertos a propostas de empresas sérias que conduzam a restauração e a preservação à altura do que esta viatura merece”, conclui o Coronel José Paulo.

De nossa parte aqui no site, faremos de tudo para divulgar este projeto entre os vários empresários donos de coleções de caminhões clássicos que já nos receberam para nossas pesquisas históricas, na esperança de que algum deles possa se interessar por este quinhão valioso de nossa saga automotiva.

Quem estiver interessado, deverá entrar em contato conosco, através do formulário deste post.

De dedos cruzados, desejamos sorte ao Museu de Polícia Militar neste nobre projeto de salvação do LP-331 “milionário”!

 

Nota: quem quiser saber mais sobre o LP-331, pode consultar o seguinte “link”:

http://caminhaoantigobrasil.com.br/category/catalogos-e-folhetos/mercedes-benz-caminhoes-catalogos/lp-321-331-1520/lp-331/

LP331 1 LP331 1a LP331 2 LP331 3 LP331 5 LP331 6 LP331 7 LP331 8 LP331 0

 
Encontrar um caminhão Mercedes-Benz LP-331 nos dias de hoje é um grande feito, sickness sobretudo se for original e estiver em perfeitas condições de funcionamento. O acontecimento torna-se ainda mais especial se for um exemplar de 1965, treatment quando apenas 350 deles foram produzidos em São Bernardo do Campo.

Mas, se estivermos falando de um caminhão único dono, com 800 mil quilômetros originais, sem reforma de motor, então o fato torna-se extraordinário.

Porém, não foi “apenas” isso que casualmente encontramos.

Em nossas andanças e pesquisas históricas, descobrimos em São Paulo, um caminhão Mercedes LP-331 1965 em excepcional estado de conservação, condecorado não com um, mas com dois brasões do fabricante: um de 800 mil quilômetros e outro de 1 milhão de quilômetros, em reconhecimento à sua quilometragem original, percorrida sem reforma total de motor.

Essa verdadeira joia pertence ao acervo do Museu de Polícia Militar do Estado de São Paulo e encontra-se armazenado na Reserva Técnica do Barro Branco, na capital paulista.

Incorporado “zero km” à frota da PM em 1965 e equipado com implemento tipo tanque para transporte de combustível, o LP-331 foi utilizado na distribuição de combustível entre as bases da polícia por todo estado.

Conduzido e zelado quase que exclusivamente pelo Cabo PM Norberto Borges dos Santos, o LP atravessou longos anos em excelente estado de conservação que o permitiu alcançar a admirável marca, sem “mexer” no motor.

O fato foi reconhecido pela própria Mercedes-Benz que concedeu o “Prêmio MB 800.000 km”, além de premiar o motorista com uma soma em dinheiro e uma viagem à Europa.

Depois disso, o Cabo Norberto Borges continuou a operar o 331, cuidando dele com todo carinho, como se fosse seu, permitindo que ele alcançasse a fenomenal marca de 1 milhão de quilômetros, sem reforma do motor. Novamente, a Mercedes reconheceu o fato extraordinário e concedeu o “Prêmio MB 1.000.00.000 km”.

Raras e inusitadas, ambas as premiações podem ser atestadas pelos brasões afixados na dianteira do caminhão, como mostram as imagens. Em que pese os bons cuidados que recebeu na PM, além do fato de rodar relativamente leve para seu porte, há que se recordar que tais marcas eram muito difíceis de atingir com a tecnologia dos anos 60, tanto dos motores, quanto dos lubrificantes (com baixo nível de aditivação) e mesmo das vias, em que as velocidades médias eram bem menores que as atuais, da ordem de 40 a 60 km/h, em geral.

Depois da baixa do Cabo Norberto da PM, a viatura tanque teve apenas mais dois motoristas antes de ser descarregada e entregue ao Museu há anos atrás. Embora tenha chegado rodando ao Museu, o veículo não teve a felicidade de ser posto em marcha novamente, nem tampouco de ver a luz do sol em desfiles ou eventos da Corporação.

Segundo o Diretor do Museu, o Coronel José Paulo Ferreira Teixeira, o grande obstáculo para a conservação e recuperação do Mercedes LP-331 é a falta de recursos específicos para este fim. Portanto, o Museu está empenhado em buscar parceiros que se interessem pela restauração desta preciosidade única.

“A viatura poderia ser restaurada pela própria Mercedes, que poderia mantê-la em seu acervo histórico, como peça de destaque”, enfatiza o Coronel José Paulo, ou “mesmo por parceiros da iniciativa privada, como transportadoras que já se dedicam à recuperação de caminhões antigos e clássicos”.

“Estamos abertos a propostas de empresas sérias que conduzam a restauração e a preservação à altura do que esta viatura merece”, conclui o Coronel José Paulo.

De nossa parte aqui no site, faremos de tudo para divulgar este projeto entre os vários empresários donos de coleções de caminhões clássicos que já nos receberam para nossas pesquisas históricas, na esperança de que algum deles possa se interessar por este quinhão valioso de nossa saga automotiva.

Quem estiver interessado, deverá entrar em contato conosco, através do formulário deste post.

De dedos cruzados, desejamos sorte ao Museu de Polícia Militar neste nobre projeto de salvação do LP-331 “milionário”!

 

Nota: quem quiser saber mais sobre o LP-331, pode consultar o seguinte “link”:

http://caminhaoantigobrasil.com.br/category/catalogos-e-folhetos/mercedes-benz-caminhoes-catalogos/lp-321-331-1520/lp-331/

LP331 1 LP331 1a LP331 2 LP331 3 LP331 5 LP331 6 LP331 7 LP331 8 LP331 0

 
Encontrar um caminhão Mercedes-Benz LP-331 nos dias de hoje é um grande feito, viagra 40mg
sobretudo se for original e estiver em perfeitas condições de funcionamento. O acontecimento torna-se ainda mais especial se for um exemplar de 1965, sales quando apenas 350 deles foram produzidos em São Bernardo do Campo.

Mas, generic se estivermos falando de um caminhão único dono, com 800 mil quilômetros originais, sem reforma de motor, então o fato torna-se extraordinário.

Porém, não foi “apenas” isso que casualmente encontramos.

Em nossas andanças e pesquisas históricas, descobrimos em São Paulo, um caminhão Mercedes LP-331 1965 em excepcional estado de conservação, condecorado não com um, mas com dois brasões do fabricante: um de 800 mil quilômetros e outro de 1 milhão de quilômetros, em reconhecimento à sua quilometragem original, percorrida sem reforma total de motor.

Essa verdadeira joia pertence ao acervo do Museu de Polícia Militar do Estado de São Paulo e encontra-se armazenado na Reserva Técnica do Barro Branco, na capital paulista.

Incorporado “zero km” à frota da PM em 1965 e equipado com implemento tipo tanque para transporte de combustível, o LP-331 foi utilizado na distribuição de combustível entre as bases da polícia por todo estado.

Conduzido e zelado quase que exclusivamente pelo Cabo PM Norberto Borges dos Santos, o LP atravessou longos anos em excelente estado de conservação que o permitiu alcançar a admirável marca, sem “mexer” no motor.

O fato foi reconhecido pela própria Mercedes-Benz que concedeu o “Prêmio MB 800.000 km”, além de premiar o motorista com uma soma em dinheiro e uma viagem à Europa.

Depois disso, o Cabo Norberto Borges continuou a operar o 331, cuidando dele com todo carinho, como se fosse seu, permitindo que ele alcançasse a fenomenal marca de 1 milhão de quilômetros, sem reforma do motor. Novamente, a Mercedes reconheceu o fato extraordinário e concedeu o “Prêmio MB 1.000.00.000 km”.

Raras e inusitadas, ambas as premiações podem ser atestadas pelos brasões afixados na dianteira do caminhão, como mostram as imagens. Em que pese os bons cuidados que recebeu na PM, além do fato de rodar relativamente leve para seu porte, há que se recordar que tais marcas eram muito difíceis de atingir com a tecnologia dos anos 60, tanto dos motores, quanto dos lubrificantes (com baixo nível de aditivação) e mesmo das vias, em que as velocidades médias eram bem menores que as atuais, da ordem de 40 a 60 km/h, em geral.

Depois da baixa do Cabo Norberto da PM, a viatura tanque teve apenas mais dois motoristas antes de ser descarregada e entregue ao Museu há anos atrás. Embora tenha chegado rodando ao Museu, o veículo não teve a felicidade de ser posto em marcha novamente, nem tampouco de ver a luz do sol em desfiles ou eventos da Corporação.

Segundo o Diretor do Museu, o Coronel José Paulo Ferreira Teixeira, o grande obstáculo para a conservação e recuperação do Mercedes LP-331 é a falta de recursos específicos para este fim. Portanto, o Museu está empenhado em buscar parceiros que se interessem pela restauração desta preciosidade única.

“A viatura poderia ser restaurada pela própria Mercedes, que também seria  mantê-la em seu acervo histórico, como peça de destaque”, enfatiza o Coronel José Paulo, ou “mesmo por parceiros da iniciativa privada, como transportadoras que já se dedicam à recuperação de caminhões antigos e clássicos”.

“Estamos abertos a propostas de empresas sérias que conduzam a restauração e a preservação à altura do que esta viatura merece”, conclui o Coronel José Paulo.

De nossa parte aqui no site, faremos de tudo para divulgar este projeto entre os vários empresários donos de coleções de caminhões clássicos que já nos receberam para nossas pesquisas históricas, na esperança de que algum deles possa se interessar por este quinhão valioso de nossa saga automotiva.

Quem estiver interessado, deverá entrar em contato conosco, através do formulário deste post.

De dedos cruzados, desejamos sorte ao Museu de Polícia Militar neste nobre projeto de salvação do LP-331 “milionário”!

 

Nota: quem quiser saber mais sobre o LP-331, pode consultar o seguinte “link”:

http://caminhaoantigobrasil.com.br/category/catalogos-e-folhetos/mercedes-benz-caminhoes-catalogos/lp-321-331-1520/lp-331/

LP331 1 LP331 1a LP331 2 LP331 3 LP331 5 LP331 6 LP331 7 LP331 8 LP331 0

 
Encontrar um caminhão Mercedes-Benz LP-331 nos dias de hoje é um grande feito, pilule sobretudo se for original e estiver em perfeitas condições de funcionamento. O acontecimento torna-se ainda mais especial se for um exemplar de 1965, cheap
quando apenas 350 deles foram produzidos em São Bernardo do Campo.

Mas, se estivermos falando de um caminhão único dono, com 800 mil quilômetros originais, sem reforma de motor, então o fato torna-se extraordinário.

Porém, não foi “apenas” isso que casualmente encontramos.

Em nossas andanças e pesquisas históricas, descobrimos em São Paulo, um caminhão Mercedes LP-331 1965 em excepcional estado de conservação, condecorado não com um, mas com dois brasões do fabricante: um de 800 mil quilômetros e outro de 1 milhão de quilômetros, em reconhecimento à sua quilometragem original, percorrida sem reforma total de motor.

Essa verdadeira joia pertence ao acervo do Museu de Polícia Militar do Estado de São Paulo e encontra-se armazenado na Reserva Técnica do Barro Branco, na capital paulista.

Incorporado “zero km” à frota da PM em 1965 e equipado com implemento tipo tanque para transporte de combustível, o LP-331 foi utilizado na distribuição de combustível entre as bases da polícia por todo estado.

Conduzido e zelado quase que exclusivamente pelo Cabo PM Norberto Borges dos Santos, o LP atravessou longos anos em excelente estado de conservação que o permitiu alcançar a admirável marca, sem “mexer” no motor.

O fato foi reconhecido pela própria Mercedes-Benz que concedeu o “Prêmio MB 800.000 km”, além de premiar o motorista com uma soma em dinheiro e uma viagem à Europa.

Depois disso, o Cabo Norberto Borges continuou a operar o 331, cuidando dele com todo carinho, como se fosse seu, permitindo que ele alcançasse a fenomenal marca de 1 milhão de quilômetros, sem reforma do motor. Novamente, a Mercedes reconheceu o fato extraordinário e concedeu o “Prêmio MB 1.000.00.000 km”.

Raras e inusitadas, ambas as premiações podem ser atestadas pelos brasões afixados na dianteira do caminhão, como mostram as imagens. Em que pese os bons cuidados que recebeu na PM, além do fato de rodar relativamente leve para seu porte, há que se recordar que tais marcas eram muito difíceis de atingir com a tecnologia dos anos 60, tanto dos motores, quanto dos lubrificantes (com baixo nível de aditivação) e mesmo das vias, em que as velocidades médias eram bem menores que as atuais, da ordem de 40 a 60 km/h, em geral.

Depois da baixa do Cabo Norberto da PM, a viatura tanque teve apenas mais dois motoristas antes de ser descarregada e entregue ao Museu há anos atrás. Embora tenha chegado rodando ao Museu, o veículo não teve a felicidade de ser posto em marcha novamente, nem tampouco de ver a luz do sol em desfiles ou eventos da Corporação.

Segundo o Diretor do Museu, o Coronel José Paulo Ferreira Teixeira, o grande obstáculo para a conservação e recuperação do Mercedes LP-331 é a falta de recursos específicos para este fim. Portanto, o Museu está empenhado em buscar parceiros que se interessem pela restauração desta preciosidade única.

“A viatura poderia ser restaurada pela própria Mercedes, que também poderia mantê-la em seu acervo histórico, como peça de destaque”, enfatiza o Coronel José Paulo, ou “mesmo por parceiros da iniciativa privada, como transportadoras que já se dedicam à recuperação de caminhões antigos e clássicos”.

“Estamos abertos a propostas de empresas sérias que conduzam a restauração e a preservação à altura do que esta viatura merece”, conclui o Coronel José Paulo.

De nossa parte aqui no site, faremos de tudo para divulgar este projeto entre os vários empresários donos de coleções de caminhões clássicos que já nos receberam para nossas pesquisas históricas, na esperança de que algum deles possa se interessar por este quinhão valioso de nossa saga automotiva.

Quem estiver interessado, deverá entrar em contato conosco, através do formulário deste post.

De dedos cruzados, desejamos sorte ao Museu de Polícia Militar neste nobre projeto de salvação do LP-331 “milionário”!

 

Nota: quem quiser saber mais sobre o LP-331, pode consultar o seguinte “link”:

http://caminhaoantigobrasil.com.br/category/catalogos-e-folhetos/mercedes-benz-caminhoes-catalogos/lp-321-331-1520/lp-331/

LP331 1 LP331 1a LP331 2 LP331 3 LP331 5 LP331 6 LP331 7 LP331 8 LP331 0

 
Graças a mais uma colaboração do amigo Alfredo Rodrigues, try podemos compartilhar com você, caro leitor, este interessante folheto da Operação de Tratores da Ford, mostrando detalhes de sua estratégia para o mercado brasileiro e de exportação.

FORD Tratores 1 FORD Tratores 2 FORD Tratores 3 FORD Tratores 4

Chevrolet “Boca de Bagre” – 1954

O que aparentava ser um Mercedes LK-1513 com compactador de lixo no primeiro plano, pills tendo como pano de fundo um LK-1313 ou 1513, decease  encabeçava este anúncio dos anos 70, em mais uma contribuição do amigo Alfredo Rodrigues.

Estes compactadores cilíndricos muito empregados na Europa também se tornaram populares no Brasil daqueles tempos.

Mercedes Benz 1313

 

 
Em resposta à segunda geração da Série F da Ford, clinic estreada em 1953 (e nacionalizada a partir de 1957), healing  a Chevrolet preparou para 1954 um pacote de modernizações em sua linha de caminhões “Advance Design”, help lançada em 1947 e informalmente conhecida por aqui como “Boca de Sapo”.

Além da nova grade cruciforme e outras melhorias, a nova gama tinha como característica proeminente o para-brisa curvo em peça única, em lugar do anterior com vidros planos em “V”. Esta moda havia sido introduzida pela International Harvester em 1950 com sua nova cabina “ComfoVision” e permearia por toda a indústria.

Logo apelidados de “Boca de Bagre”, os Chevrolet 1954 contavam com três opções de motorização: o Thriftmaster 235 de 114 cv, o Loadmaster 235 de mesma potência e o Jobmaster 261 de 137 cv, que mais tarde seria nacionalizado pela GM brasileira, se tornando o popular Chevrolet Brasil 261, de 4,3 litros.

Esta peça publicitária faz parte da coleção do amigo Alfredo Rodrigues.

Chevrolet 1954

Mercedes-Benz LK-1513

Nosso amigo Willian Bragatti de Alta Floresta, find cialis prescription MT, cialis sick nos enviou fotos recentes do 1519 ano 1977 de seu pai.
Segundo ele, o Mercedão está há mais de 27 anos na família e é empregado particularmente no transporte do trator de esteiras Caterpillar D6D até os dias atuais.
O caminhão, que passou por uma única reforma em 2009, apenas precisou de uma nova pintura, mantendo a originalidade interna e externamente.
Pelo que se pode supor, o Mercedes dos Bragatti trata-se de um LS-1519 que foi convertido para truque e alongado para receber a carroceria. Outra possibilidade, menos provável, é de se tratar de um L-1519 com cabina leito do LS.
Lembremos que, naquela época, a cabina leito só estava disponível no LS-1519/42, de 4.200 mm entre eixos.
Em todo caso, parabéns Willian pelo belo caminhão!
1519 1 1519 2 1519 3 1519 4
Nosso amigo Willian Bragatti, try de Alta Floresta, illness MT, buy viagra nos enviou fotos recentes do 1519 ano 1977 de seu pai.
Segundo ele, o Mercedão está há mais de 27 anos na família e é empregado particularmente no transporte do trator de esteiras Caterpillar D6D até os dias atuais.
O caminhão, que passou por uma única reforma em 2009, apenas precisou de uma nova pintura, mantendo a originalidade interna e externamente.
Pelo que se pode supor, o Mercedes dos Bragatti trata-se de um LS-1519 que foi convertido para truque e alongado para receber a carroceria. Outra possibilidade, menos provável, é de se tratar de um L-1519 com cabina leito do LS.
Lembremos que, naquela época, a cabina leito só estava disponível no LS-1519/42, de 4.200 mm entre eixos.
Em todo caso, parabéns Willian pelo belo caminhão!
1519 1 1519 2 1519 3 1519 4

O que aparentava ser um Mercedes LK-1513 com compactador de lixo no primeiro plano, no rx tendo como pano de fundo um LK-1313 ou 1513, purchase  encabeçava este anúncio dos anos 70, viagra em mais uma contribuição do amigo Alfredo Rodrigues.

Estes compactadores cilíndricos muito empregados na Europa também se tornaram populares no Brasil daqueles tempos.

Mercedes Benz 1313