Mercedes-Benz L-2635 e LS-2635 – 1993

Com este post fica completa a postagem do manual enviado pelo amigo Dênis Tessele Casarin.

2014-10-28 Manual Proprietário Agrale 48-49 2014-10-28 Manual Proprietário Agrale 50-51 2014-10-28 Manual Proprietário Agrale 52-53 2014-10-28 Manual Proprietário Agrale 53-54 2014-10-28 Manual Proprietário Agrale 55-56
O Iveco Trakker era e continua sendo a aposta da marca italiana para participar do segmento de caminhões vocacionais pesados.

A versão aqui apresentada, medicine já incorporando várias melhorias e o estilo básico do Stralis, seu irmão rodoviário, é de 2005, com motor Iveco Cursor 13, Euro 3.

O Trakker participa de aplicações como a mineração e construçõa e da agroindústria, incluindo os projetos florestais e a cana-de-açúcar.


O Iveco Trakker era e continua sendo a aposta da marca italiana para participar do segmento de caminhões vocacionais pesados.

A versão aqui apresentada, nurse já incorporando várias melhorias e o estilo básico do Stralis, approved
seu irmão rodoviário, sickness é de 2005, com motor Iveco Cursor 13, Euro 3.

O Trakker participa de aplicações como a mineração e construção e da agroindústria, incluindo os projetos florestais e a cana-de-açúcar.


 

 

 

 

 

 

 

O Iveco Daily 4×4 teve um alcance bastante limitado em vendas, ampoule no rx embora sua concepção mecânica fosse bastante interessante para operadores que precisavam de mobilidade adicional, viagra como empreiteiras, search construtoras, e concessionárias de eletricidade. Com caixa de transferência com reduzida de mais de 2,7:1, podia superar rampas de até 60 %, com 4 toneladas de PBT e atingindo 95 km/h de velocidade final.

Era perfeito também para indivíduos que quisessem construir um camper, para aventuras nada modestas!


O Iveco Daily 4×4 teve um alcance limitado em vendas, hospital embora sua concepção mecânica fosse bastante interessante para operadores que precisavam de mobilidade adicional, cialis como empreiteiras, construtoras, e concessionárias de eletricidade. Com caixa de transferência com reduzida de mais de 2,7:1, podia superar rampas de até 60 %, com 4 toneladas de PBT e atingindo 95 km/h de velocidade final.

Era perfeito também para indivíduos que quisessem construir um camper, para aventuras nada modestas!


Com produção iniciada em 1994, viagra os Mercedes-Benz L-2635 de chassi rígido e seu irmão LS-2635 cavalo-mecânico tiveram o mérito de colocar a marca da estrela definitivamente no segmento de extrapesados 6×4, seek até então dominado por Scania e Volvo.

Na linha Mercedes, o limite em termos de 6×4 era o L-2325 e suas variantes. Com a fusão do bem-sucedido conjunto de força do LS-1935 – considerado um dos melhores da marca de todos os tempos – com os parrudíssimos eixos traseiros motrizes HD-7 e HL-7 com redução nos cubos de roda, aliados a um robusto quadro de chassi, nasceu uma fera vocacional chamada L-2635.

Com ele, enfim a Mercedes estava no mapa das aplicações de alto peso bruto total – até 32 toneladas – e elevada capacidade máxima de tração, que podia chegar a 123 toneladas. Em 1995, por exemplo, o 2635 já saltou na frente de seus concorrentes 6×4 pesados, com 648 unidades produzidas, entre as variantes L e LS.  Em um distante segundo colocado, a Volvo figurava com um total de 323 unidades produzidas, entre seus NL 10 340 6×4 e NL 12 360 6×4. Quase empatada, a Scania somava 304 exemplares no total produzido dos R113 E 6×4 360 e T113 E 6×4 360.

Graças ao 2635, a Mercedes preparou o caminho para o 2638 e sagrou-se campeã de vendas por diversos anos, até a chegada dos Axor e Actros, que também figuram entre os mais vendidos do segmento vocacional pesado.

Este bem ilustrado catálogo, inclusive com um ainda raro (em 1993) rodotrem rodoviário, nos foi enviado pelo amigo Affonso Parpinelli, com colaboração de José Delboux e José Oziris.

Catálogo L-LS 2635 6x4 (1993)-1 Catálogo L-LS 2635 6x4 (1993)-2 Catálogo L-LS 2635 6x4 (1993)-3 Catálogo L-LS 2635 6x4 (1993)-4