Vespacar – Abril de 1963

Apesar de seu tamanho diminuto, sovaldi com capacidade de carga para apenas 360 kg, o triciclo Vespacar reune os requisitos para figurar neste espaço: é um veículo comercial e fora-de-linha. Talvez seja o menor veículo de carga de todos os tempos a ser apresentado por aqui!

Note que a cabina fechada tinha o luxo de contar até com limpador de para-brisa e portas suicidas com janela corrediças. O farol era solidário ao guidão, facilitando nas curvas escuras.

Depois do Vespacar, muitas foram as tentativas para se introduzir no mercado um triciclo de pequeno porte para a distribuição urbana de pequena distância. Apesar do conceito adequado ao caótico trânsito urbano dos grandes centros, infelizmente o público sempre reagiu de maneira cética e as iniciativas neste sentido nunca decolaram como o planejado.

 

9 ideias sobre “Vespacar – Abril de 1963

  1. Até que num determinado momento o mercado portoalegrense esteve muito propício aos triciclos, tanto que regularmente eu vejo alguns ainda pelo meu bairro, mas a maioria adaptado a partir de motos Honda CG 125. Quanto ao Vespacar, versão brasileira do Piaggio Ape italiano (pronuncia-se “apê”, como abelha em italiano), chegou a ter uma nova tentativa de introdução entre 2001 e 2004 pela Kasinski, que importava versões indianas feitas pela Bajaj, mas que não podiam ter portas em função da posição do bocal do tanque de combustível dentro da cabine, em função do farol direito (vinha com 2 faróis fixos) ser montado no local onde originalmente ficava o bocal do tanque.

    • Daniel, por aqui sempre fomos fãs destas maquininhas! A citada Kasinski povoou nossos sonhos mais recentes de uma viatura leve e prática para locomoções de curto espectro… Mas a sensata esposa e o orçamento nos fizeram acordar do sonho… Obrigado por acrescentar estes interessantes detalhes desconhecidos. Abraço.

      • Ainda tenho intenções de ter um triciclo desses, que eu acho mais prazeroso que qualquer carro popular. Comigo é assim, 8 ou 80, se for para ser mão-de-vaca que seja com algum estilo…

        Mas claro que para ter um desempenho mais adequado a diferentes trajetos eu teria que fuçar o motor, o que não seria assim tão difícil…

        • Daniel, realmente são uma belezinha. Por aqui a mesma vontade também persiste…
          Será que ainda mantêm o câmbio “quebra-punho” na manopla esquerda?

          • Que interessante! Boas memórias! Na tenra idade, tive o prazer de “pilotar” uma Brumana Plugliesi Ponei, de 50 cc (veja: http://fbmmotos.blogspot.com.br/2011/09/ciclo-motor-ponei-50.html), idêntica à do link, azul calcinha, com o tal câmbio, no caso, de três velocidades. Os “falsos” neutros entre as marchas resultavam em trocas vexaminosas, com o giro disparando, bem defronte à belas presenças femininas… E todo o galanteio caía por terra…

    • Muito bacana. Sou fã destes tuc-tuc nacionais. E dos hindus também! Grato por seus comentários neste e em outros posts!

  2. Olá pessoal! Boa tarde! Estou montando um carrinho de sorvete e estou a procura de um motokar/vespacar. Alguém tem uma indicação de lugar ou pessoa interessada a vender? Não precisa estar em perfeito estado, pois terei que fazer a customização. Obrigada!

Comentários encerrados.