Volkswagen 16.180 CO – 1993

Volksbus 1 Volksbus 2 Volksbus 3

Concebido a partir do parrudíssimo chassi de 16 toneladas da chamada Plataforma Racionalizada – o produto da fusão do VW com o Cargo – o 16.180 CO foi a primeira incursão da divisão Volkswagen da Autolatina no segmento de ônibus semipesados de motor frontal.

Sua missão não era fácil. Tinha o papel de Davi frente ao Golias representado pelos chassi OF da concorrente Mercedes. Embora, capsule posicionado para enfrentar o OF-1618, nos idos de 1993, o grande volume do mercado se concentrava em torno do OF-1318, que era produzido a um ritmo quase quatro vezes maior que o 16 toneladas da casa (6.258 contra 1.750 unidades).

Apesar de pouco conhecido e do incomensurável ceticismo inicial do setor, o 16.180 CO foi bem recebido em seu primeiro ano cheio, com 1.225 carros produzidos, naquele mesmo 1993. Nada mal para o novato. Com marketing e rede de concessionários menos agressivos, a Ford contabilizou outras 594 cópias do B-1618, o clone do 16.180 CO com oval azul. Com a produção combinada, a Autolatina ultrapassava a líder no segmento de 16 toneladas e motor dianteiro, traduzindo a aposta dos empresários do setor.

Mas nem tudo seria fácil na vida do chassi VW. Entre outros, problemas de ruído na suspensão traseira, baixa vida útil da embreagem e alto consumo mostraram que, apesar da aparente simplicidade, havia muitos segredos por debaixo de um chassi de ônibus, por mais despojado que pudesse parecer. E a Mercedes dominava a ciência como ninguém.

Levou tempo, mas a VW, hoje MAN, aprendeu a lição a duras penas e hoje disputa o mercado em posição de um respeitável vice-líder. E o 16.180 CO tem o grande mérito de ter sido o primeiro da marca a se embrenhar nesta mata densa que é a selva dos ônibus urbanos.

Este catálogo, para variar, faz parte do grande acervo enviado pelo amigo Alfredo Rodrigues, de Pelotas, RS.

8 ideias sobre “Volkswagen 16.180 CO – 1993

  1. SEMPRE ACHEI ENGRAÇADO UM DETALHE , MESMO CONHECENDO O CONTATO ENTRE A FORD E A VW NESSA EPOCA, ACHAVA MEIO COMPLICADO O FATO DE ,MESMO A VW VENDENDO MAIS QUE A FORD, O MODELO DA VOLKS USAR O PAINEL E O VOLANTE DO CARGO, SERIA UM DETALHE QUE DEIXARIA CLARO QUE AQUELE É UM PRODUTO VOLKSWAGEN

    • Curioso mesmo, este fato. Tudo em nome da comunização e da redução de custo. O mesmo aconteceu com os caminhões em outras áreas, porém menos visíveis, como no chassi, freios, lanternas, sistema de seleção de marchas, etc. e tal. Grato por comentar.

  2. Aqui na grande Florianópolis o chassis fez sucesso. Num exemplo, a Jotur, teve 30 deles, encarroçados em Torino GV (vieram 20 numa tacada só, algo grandioso no já distante ano de 1995).
    Até mesmos os carros de teste da Autolatina, com chapas BWS-xxxx, foram comprados pelas empresas daqui, sinal de que, apesar da tremenda tradição da Mercedes, o chassis Volks fez sucesso.

    • Douglas, tem razão. Mas o modelo também apresentou uma série de deficiências que logo correram de boca em boca entre todos os frotistas do país. As deficiências serviram de aprendizado para a Autolatina (e depois a VW Caminhões e Ônibus) aperfeiçoar seus ônibus e chegar à posição de destaque que tem hoje em dia, já sob a égide da MAN Latin America. Grato por comentar e desculpe a demora para responder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete a conta. *