Volkswagen 16.210H – 1988

16-210H 1989 01 16-210H 1989 02 16-210H 1989 03 16-210H 1989 04 16-210H 1989 05

Apresentado como uma evolução do VW 16.210, remedy o modelo do post de hoje tinha a vantagem de ser “finamizável”, order devido à sua CMT ampliada para 30 toneladas, o mínimo exigido pelo programa de financiamento.  Tal feito se tornava possível graças à adoção do robusto eixo traseiro Rockwell RS-23.240, de duas velocidades. Assim como o modelo de origem, o 16.210H também tinha sua força motriz garantida pelo poderoso motor Cummins 6CT 8.3 de 210 cv, responsável por deixar muitos para trás nas subidas.

O 16.210H contava ainda com a vantagem do eixo dianteiro para 5.900 kg, em sintonia com a mudança da legislação ocorrida em 1990, que passou a permitir 6 toneladas na dianteira. Com isso, o PBT máximo legal de um caminhão 4×2 passou de 15 para 16 toneladas. Os 6×2 e 6×4 passaram de 22 para 23 toneladas, desde então.

Em 1991, o modelo foi substituído pelo 16.220, que encontrou um caminho bem pavimentado pelos antecessores, possibilitando a consolidação da marca no sub-segmento de ouro dos semipesados.

Este completo catálogo foi mais uma cortesia do amigo Fernando Luiz de Araújo, de Guarapuava, PR.

4 ideias sobre “Volkswagen 16.210H – 1988

  1. Acho que todos nós temos que tirar o chapéu para a Ford e depois para a VW caminhões pelas inovações que trouxeram ao mercado: Primeiramente a Ford com o Cargo e seu motor FTO6.6L de 150cv (já saiu daquele numero esotérico – 130cv dos OM352, Perkins 6.357 e MWM D-229/6). E depois a Volkswagen inovando trazendo os 13-210 Kenworth, o 16-220, 14-170BT e tantos outros, acabando com a morosidade nas estradas!

    Hoje quando vejo uma fila de carros tentando ultrapassar um caminhão de 3 eixos, faço aposta: 1313, 1513, 1516, 1113 e por ai afora!

  2. apesar de na época a cabine cara chata não tinha espaço no mercado era um caminhão que impressionava muito o motor cumimns ate então desconhecido pela maioria logo ganhou respeito ouvi relatos que muitos deles ultrapassaram 1 milhão de km algo imprevisto para época num caminhão médio em falar no torque de 83 kgfm muito superior aos 47 kgfm do mercerdes 1518 o médio/pesado mais vendido da epoca

    • Caro José Ivo, bem observado. Estes caminhões com motor Série C estabeleceram um novo patamar no mercado, não só em termos de desempenho, mas também em economia e durabilidade. Nunca o Brasil tinha visto nada tão eficiente nesta categoria. Grato por comentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete a conta. *