Volkswagen 22.160 – 1986

22-160 1986 01 22-160 1986 02 22-160 1986 03 22-160 1986 04 22-160 1986 05 22-160 1986 06 22-160 1986 07 22-160 1986 08 22-160 1986 09

Lançado em 1985 para substituir o Dodge E-21 no mercado canavieiro, viagra o VW 22.160 mantinha o mesmo esquema de tração 6×4 em tempo parcial, here com caixa de transferência ZF, aliada à transmissão Clark CL-450 e ao motor Dodge 318 a etanol, de 5,2 litros e 158 cv.

Quando o modelo foi introduzido, no entanto, o Proálcool já dava sinais de entrar em declínio, sobretudo na propulsão da safra canavieira. A prova disso é que o 22.160 só durou três temporadas, vindo a desaparecer do catálogo da VW Caminhões depois de 1987, com apenas 597 unidades em seu currículo. A maioria dos que restaram tiveram seus V8 descartados, em prol do bom e velho MWM D-229-6, usado nos demais modelos médios e semipesados da marca de São Bernardo do Campo.

Este belo e completo catálogo foi mais uma cortesia do amigo Fernando Luiz de Araújo.

 

20 ideias sobre “Volkswagen 22.160 – 1986

  1. Um desses no V8 original deve beber mais que o Lula. A propósito: atualmente até os caminhões Volkswagen mais leves equipados com o motor Cummins ISF3.8 tem uma considerável vantagem sobre esse modelo no torque…

    • Daniel, é incrível mesmo o aumento de torque dos motores diesel modernos comparados com os engenhos de 2 a 3 décadas atrás. Grato pelos comentários.

    • Amigo William, concordo 100%. O mesmo se aplica aos anos 40 e 50 com uma frota quase toda a gasolina com enormes V oitões a gasolina a cruzar o país. Devia ser de tirar o fôlego!!! Abraços.

  2. Olá Evandro,

    acho que esse aumento de torque seja relativo, pois os 4 cilindros não uma curva mais acentuada, em marcha lenta, ou mesmo nos baixos regimes, esses motores grandes tem bem mais força, os pequenos, só com a turbina em ação e giro alto, por serem 4 válvulas por cilindro.

    Abraço

    • Lucas, você tem razão. O chamado torque de acoplamento de embreagem (ou “clutch engagement torque”, como se diz no exterior) depende muito da cilindrada, pois praticamente se tem zero de pressão no coletor, mesmo com o turbo mais poderoso. Neste quesito, vale o que os americanos gostam de dizer: “nothing like cubic inches…”, ou “nada como polegadas cúbicas”. Grato por comentar. Abraço.

      • “There is no replacement for displacement”, diria um autêntico redneck. Não é à toa que por lá até ficam surpresos quando veem motores de pouco menos de 4 litros numa aplicação onde eles dificilmente usariam um motor com menos de 5 litros.

  3. Galera, curioso mesmo devia ser o trator CBT 3000 que usava esse motor no álcool, rendendo 118cv em 2500 rpms!

    Devia ser engraçado para quem está acostumado aos motores diesel!

    Abraços

    • Amigo Daniel, desculpe a demora para postar seu comentário. Deve mesmo ter sido curioso ver um CBT com motor Dodge! Pouco provável que tenha sobrado algum original. Mas tudo é possível. Abraço.

  4. SEMPRE OUVI FALAR DESSE MODELO, MAS NUNCA O VI, TALVES PORQUE AQUI NA REGIÃO NÃO SE TENHA MUITO CULTURA NO PLANTIO DE CANA, O MERCADO MAIS PROMISSOR PARA OS 6×4 POR AQUI É O MADEIREIRO, E ESSE É FORTE, POREM SEMPRE TEVE O DOMINIO DOS DIESEL NESSE CAMPO, PRINCIPALMENTE PELO TERRENO BEM MAIS ACIDENTADO QUE OS CANAVIAIS

    NO ENTANTO SE TRATAVA DE UM CAMINHÃO BEM PROMISSOR ,PASSANDO A IMAGEM DE UM CAMINHÃO BEM ROBUSTO, ACREDITO QUE SERIA INTERESSANTE AO INVÉS DE RETIRAR O VEICULO DO MERCADO, A MARCA TIVESSE O EXPLORADO POR MAIS TEMPO COM MOTOR DIESEL, COMO O MWM QUE JA ERA USADO NA ÉPOCA, SERIA UM GRANDE COMCORRENTE AOS MERCEDES 2213 E FORD 22000…

  5. Nossa…que prazer encontrar essas informações do 22160!!!! Na época do lançamento tinha saudosos 13 anos e, vivendo em sertãozinho-sp e meu sendo caminhoneiro de cana de açucar…pude acompanhar bem de perto tantos os “dojôes” a alcool como o “fuscão”…ah, o pessoal o apelidava de “dodge de capacete” pelo fato da mecanica ser a mesma !!!bons tempos….meu pai na época tinha um dodge 700 diesel…esses 22160..arrastando uma julieta e bem carregados passavam por nós como um carro!!! gastavam uma barbaridade de combustivel mas andavam que era uma beleza….mesmo sendo 6×4 hein!!!imaginem como andavam os dodges alcool 6×2….oh tempo bão sô!!!pena que não volta…só nos sonhos!!!Abraços a todos!!!

  6. Esse 22.160 é uma das muitas surpresas que encontro neste espaço!
    Não sabia que o saudável Chrysler 318, esse maravilhoso V-8 utilizado pela Dodge nacional entre 1969 até 1981 na linha Dart, esteve em produção além da metade dos anos 80. Por ser fã de carteirinha dessa marca, fico feliz em ver a aplicação dessa usina de força nos caminhões VW.

    Imagino a sensação de guiar um bicho desses, potência de sobra e um torque muito bom, contando, ainda, com o maior silêncio, se comparado aos diesel daqueles tempos. Claro, o consumo dele deve ser na ordem dos “metros por litro”, mas deve ser divertido que só!

    Mais uma vez, obrigado por compartilhar este precioso material, assim como tantos e tantos outros que encontro neste maravilhoso site!

  7. fui motorista canavieiro usina Quatá entre 1983-1984. meu Dodge e21 consumia 1 litro de alcool a cada 860mts, quando rebocando julieta o consumo era de 1litro para 520 metros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete a conta. *