Volkswagen 6.90 – Julho de 1984

As marcas neste precioso manual de setembro de 1976 dão clara ideia de quanto foi útil ao pai de nosso amigo Reginaldo Bernardi, viagra
de Colombo, sildenafil PR, que nos fez a enorme gentileza de compartilhar seu rico acervo conosco.

Breve traremos as demais páginas para você.

ED1 ED2 ED3 ED4 ED5 ED6 ED7 ED8

 
As marcas neste precioso manual de setembro de 1976 dão clara ideia de quanto foi útil ao pai de nosso amigo Reginaldo Bernardi, ask de Colombo, doctor PR, que nos fez a enorme gentileza de compartilhar seu rico acervo conosco.

Suas páginas trazem informações interessantíssimas sobre os trens dianteiros empregados nos populares Mercedes dos anos setenta.

Breve traremos as demais páginas para você.

ED1 ED2 ED3 ED4 ED5 ED6 ED7 ED8

 
Depois de lançar o 6.80 com motor Perkins 4.236, cure a Volkswagen Caminhões queria aumentar a participação no segmento dos leves, dominado pelo Mercedinho L-608 D e pelo Ford F-4000, com a oferta de uma nova variante equipada com motor MWM D-229-4,  já prevista desde o início do programa.

Usando a mesma base mecânica do 6.80, que incluía o chassi com módulo seccional de 108 cm³ e o eixo traseiro Dana 70 HD, o novo VW oferecia a opção da caixa Clark 280 V, reforçada, em adição à transmissão básica 240 V, ambas de 5 velocidades avante.

Com produção iniciada em abril de 1983, o Volkswagen 6.90 recebe o título de primeiro caminhão leve da marca com motor MWM, encabeçando uma dinastia de sucesso, que produziu vários modelos líderes do segmento.

No entanto, a dobradinha VW-MWM se encerraria em 2011, na virada do Proconve Fase 5 (Euro 3), quando a MAN decidiu repotenciar sua linha Delivery com propulsores Cummins ISF de 3,8 litros.

VW 690 2VW 690 1

19 ideias sobre “Volkswagen 6.90 – Julho de 1984

    • Daniel, bom dia! Aqui por São Paulo, dizemos o mesmo. Parece que a frota está padronizada com Daily. Aliás, seu comentário sobre o 113 fez lembrar os Scania LK111 com carreta de 1 eixo da Panco (ex Seven Boys), fabricante de pães. Não me recordo se eles estão presentes no RS. Em tempo, breve postarei mais das suas interessantes fotos. Grande abraço.

      • Por aqui eu só vejo Mercedes-Benz 710 da Seven Boys, mas da Nutrella de vez em quando aparece um GMC 7-110 para fazer as entregas no Zaffari do meu bairro.

  1. Tem um site de leiloes que esta vendendo 5 113 cara chata da Elma Chips tem alguns Ivecos tambem.

  2. Evandro;

    Já que começamos a falar do 6-90…

    Outro dia comentávamos sobre a presença da Cummins na linha VW-MAN, se ela havia ganhado ou perdido coma adoção do propulsor MAN na linha média e semipesada, deixando a Cummins com o ISF e o ISL com os pesados e os leves. Honestamente acho que perdeu em variedade de produtos oferecidos mas ganhou na quantidade.

    A Cummins entrou na linha leve com o 7-150 e 8/9-160 e é um produto bem vendido e aceito no mercado. Praticamente solitário pois agora não tem mais F-4000. E tem a pesada que perdeu o complexo NGD9.3 e ganhou o Cummins.

    A quantidade de VW leves “Advantech” nas mais variadas configurações que tenho visto rodando é impressionante.

    Forte Abraço

    • Daniel, tem razão em seus bem colocados comentários.

      Nas estatísticas da Fenabrave, os VW Delivery figuram como campeões de venda, seguido do Cargo 816.

      Quanto aos motores MAN, eles equipam modelos igualmente líderes, como o VW 24.280, em grande parte devido à solução “sem Arla” e a força de seu antecessor, o VW 24.250, outro campeão por várias temporadas. Resta saber como o complexo propulsor MAN D08 biturbo EGR vai se comportar sob as nem sempre ideias condições brasileiras. A audácia e a aversão ao Arla 32, impelem para o Constellation. A prudência e o custo-benefício apontam para o Cargo 2429, com seu novo 6.7 Cummins SCR.

      Grande abraço.

      • Eu particularmente não gosto do SCR por depender de mais um fluido, que acaba complicando os processos logísticos, mas o EGR também é problemático por aumentar o consumo de combustível e a incidência de obstruções no coletor de admissão quando a fuligem do EGR se mistura aos vapores oleosos da PCV, precipita e adere às paredes do coletor.

        • Daniel, você tem toda razão quanto ao transtorno de mais um fluido a bordo. Mas estamos num ponto em que gostar ou não do SCR é como apreciar ou execrar uma estação do ano. Ele simplesmente existe e não há muito que podemos fazer sobre ele, a menos que continuemos adeptos dos caminhões que aparecem neste site, todos pré Euro-5… Creio que todas as desvantagens de carregar Arla 32 (sem falar do custo do SCR-cat na hora da troca, estimada a cada 10 mil horas) são ínfimas perto dos problemas, riscos e complexidade oferecido pelo EGR, alguns dos quais você bem listou. No entanto, quando o Euro 6 chegar, ao que tudo indica, teremos de conviver não com um, mas com os dois remédios amargos combinados, em nome do ar limpo. Forte abraço.

          • Tanto a Cummins quanto a Iveco estão correndo atrás de se livrar do EGR na Euro-6, aumentando a eficiência do processo catalítico do SCR e se aproveitando da não-interferência direta no processo de combustão para fazer mapeamentos mais precisos da injeção. Eu até te diria que se a nossa cultura dieselhead fosse mais forte, duvido que o EGR tivesse se firmado mesmo entre as pickups e vans.

            http://dzulnutz.blogspot.com/2012/08/euro-6-sem-egr-uma-luz-no-fim-do-tunel.html

          • Daniel, grato pelo comentário. Vamos mesmo ficar na torcida para que o EGR não permeie o Euro 6. O bom é que teremos tempo até a tecnologia amadurecer, antes de aportar por aqui. Abraço.

    • Daniel, bom dia! O 6.90 já está ficando raro. Aqui em SP, com a faina severa, eles praticamente desapareceram. Abraço.

    • Caro Luiz, boa tarde! O consumo depende do fator de carga (tipo de rota, peso, estilo de condução), entre outros fatores (como tipo de pavimento e de pneus, além da área frontal. Com seus dados é impossível responder esta pergunta. Mas, em consideração à sua pergunta, dá pra arriscar que deve ficar entre 5 e 7 km/litro nas condições mais típicas. Grato.

  3. Estou comprando um 6.90 bau com otima mecanica e bau, um pouco de funilaria a fazer , nela gastarei 2 mil para arrumar toda ai ja orcei nas oficinas que conheco para colocar turbo , ar cond. E dir. O pct completo incluindo a funilaria e os itens mencionados ficara em 33 mil pelo caminhao completo , achei um bom negocio lembrando q o ar e a turbina com kit completo sao novos o ar me sera dado garantia e conheco o pessoal , esse caminhao so sera usado para eventos e tera 3 saidas por mes cada uma com cerca de 400 km e peso nao superior a 1000 de carga, alguem opine se tenho uma melhor alternativa, obrigado.

  4. AMIGOS, por favor: Alguém saberia me informar se o MOTOR MWM 6.90 é confiável e se é de fácil manutenção entre outras coisas, agradeço qualquer informação.

Comentários encerrados.