Volvo N12 XH Intercooler 4×2 – 1985

N-12 XH intercooler 4x2 Ago 85 01 N-12 XH intercooler 4x2 Ago 85 02

Aos poucos vamos completando nossa coleção digital de Volvo N12, no rx desta feita com o XH 4×2 de 1985, doctor que substituiu o N12 27 da primeira safra. Um dos destaques desta série era o motor TD121F de 385 cv com “intercooler”. Em termos de desempenho, apenas os Scania V8 eram páreo para o poderoso Volvo N12.

Este material nos foi brindado pelo amigo Fernando Luiz de Araújo.

 

2 ideias sobre “Volvo N12 XH Intercooler 4×2 – 1985

  1. Olá Evandro, tudo bem? Primeiramente, desejo que tenha passado um ótimo Natal com sua família, em segundo lugar, gostaria de agradecer o belo presente que deu a nós, leitores do site, com todo material postado ultimamente.Realmente muita coisa boa mesmo! Sobre o fato do 6 cilindros Volvo ser batido apenas pelos Scania V8, isso acontece até hoje com a Volvo tirando 540cv do 13L enquanto a Scania para nos 480cv no motor de mesmo tamanho e obtém 560cv apenas no 16L. Você sabe algo, poderia comentar algo a tal respeito, se tem a ver com durabilidade, etc? Acredito que para o motorista/transportador a potência seja relevante, o fato do motor Volvo ser nacional e o Scania V8 é importado também influa na hora da compra. Isso pra mim já põe o FH na frente do Scania, mas num post do FH 1993 você comentou que ele era o melhor caminhão do Brasil. Poderia falar mais sobre isso, elencar mais motivos?

    Desde já, obrigado pelo site e pela atenção.
    Abraços

    • Odair, a potência máxima que se extrai de um motor depende de inúmeros fatores e dos limites e riscos que cada fabricante se permite assumir.
      Cada um tem uma estratégia quanto aos materiais empregados, as pressões de cilindro máximas admissíveis e as temperaturas de escapamento, entre outros fatores limitantes da potência, também aliados aos máximos níveis de NOx e particulados permitidos pela legislação em vigor.

      Alguns fabricantes são mais audaciosos e esticam um tanto mais o envelope, para extrair mais potência de uma determinada configuração. Num dado motor, quanto maior a potência volumétrica (cv/litro), via de regra, maiores são os estresses e as solicitações mecânicas nos componentes internos do motor e, teoricamente, menor a sua vida útil. Assim, é de se esperar que um Volvo FH 420 operando com semirreboque de 3 eixos tenha uma maior expectativa de vida que um FH 540 puxando um bitrenzão com 74 toneladas brutas. Para o motor, o que interessa é o fator de carga a que é submetido. Isso explica por que muitos motores industriais, como os empregados em tratores de esteira ou pás-carregadeiras, por exemplo, tenham a potência reduzida em relação aos seus similares automotivos. Com maior fator de carga, a potência precisa ser reduzida para o motor durar mais.

      O Scania V8 sempre foi um produto de nicho, uma ferramenta da marca voltada a reforçar a imagem da mesma. No mundo real, Scania V8 é sinônimo de “mico”, em especial no mercado de usados, como já comentamos anteriormente. Seu ronco e seu “appeal” são inigualáveis, mas o consumo e a manutenção (8 injetores, 8 pistões, 8…. contra 6 dos concorrentes…) remam sempre contra o “V-oitão”. Além disso, lembremos que os motores V8 têm 5 mancais para 8 pistões, enquanto que os 6 têm 7 mancais, uma construção mais robusta.

      Entre os transportadores com quem temos conversado ao longo do tempo, exceto os “Scanieiros” inverterados, são unânimes em afirmar que o FH é melhor de média (o atributo mais importante de todos para os frotistas!!!) e tem vida superior na hora da reforma. Recentemente conversei com um transportador do segmento de combustíveis, que relatou ter FH 440 em sua frota com mais de 700 mil km sem abrir e Scania R440 com menos de 500 mil km que já precisou de reforma. São dados como estes que nos fazem crer que o FH está muito bem acertado.

      Mas isso não quer dizer que não existam casos de Iveco Stralis, International 9800, ou Mercedes Axor se saindo bem em sua operação e deixando seus donos satisfeitos. Tudo depende! Do trajeto, da carga, do jeito de operar. Não existe um vencedor absoluto. Só tentamos enaltecer que, de um modo geral, o FH tem se saído muito bem e se destacado entre uma vasta maioria de operadores Brasil afora, tornando-o um caminhão muito desejado.

      Por outro lado, a Scania tem uma imagem e um legado muito forte, que impulsiona suas vendas. Produtos como o P360 e mesmo o novo P310 8×2 são campeões em suas categorias, muito bem aceitos pelo mercado.

      Obrigado por sua interessante indagação.

      Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Complete a conta. *