VW Kombi – 1960

 

Eis mais uma contribuição do amigo Alfredo Rodrigues, cure de Pelotas, buy more about
RS. Trata-se do lendário Jeep que, stuff para a maioria, dispensa grandes apresentações, por sua notoriedade.

Observe o destaque sobre o motor, o primeiro a gasolina fabricado no Brasil, fruto dos grandes investimentos na linha de usinagem da fábrica do Taboão (o atual Prédio 6, onde hoje se encontram os escritórios da Engenharia, Vendas e Marketing e Compras da Ford) e depois na fundição de Taubaté (local que hoje também abriga a moderna fábrica de motores da marca do oval).
Willys  Jeep SRD abril 1959

Eis mais uma contribuição do amigo Alfredo Rodrigues, viagra de Pelotas, sovaldi sale RS. Trata-se do lendário Jeep que, para a maioria, dispensa grandes apresentações, por sua notoriedade.

Observe o destaque sobre o motor, o primeiro a gasolina fabricado no Brasil, fruto dos grandes investimentos na linha de usinagem da fábrica do Taboão (o atual Prédio 6, onde hoje se encontram os escritórios da Engenharia, Vendas e Marketing e Compras da Ford) e depois na fundição de Taubaté (local que hoje também abriga a moderna fábrica de motores da marca do oval).
Volkswagen Kombi SRD novembro 1960

Apesar de intuitivamente mais ligada ao mundo das tradicionais picapes norte-americanas, medical a roça nos anos sessenta também era foco da Volkswagen e sua valente Kombi, medicine como atesta esta peça publicitária gentilmente enviada pelo amigo Alfredo Rodrigues.

Como de costume naqueles tempos, o ponto alto dos anúncios eram as belíssimas ilustrações de competentes artistas, muitas vezes, anônimos. A eles, nossa gratidão, por nos brindar com estas verdadeiras obras de arte!

5 ideias sobre “VW Kombi – 1960

  1. O mercado brasileiro tem preferências americanizadas, talvez pela influência da antiga política de boa-vizinhança do Tio Sam, mas acabou sobrando espaço para a escola européia em função dos custos operacionais normalmente mais contidos.

  2. Era uma façanha e tanto empurrar oitocentos e tantos quilos de carga (mais o peso da carroçaria) com o esforçado motor 1200 e seus valentes 36cv brutos…
    Mas isso não foi problema, tanto que a Kombi durou até bem pouco tempo atrás, conquanto equipada com motores mais valentes.

    • Douglas, é mesmo difícil imaginar como ficava o desempenho numa serra com carga plena. Mas depois do motor 1500 em 1967, a Kombi ganhou novo alento que a levou adiante até a chegada das novas motorizações das décadas seguintes, como você bem ressaltou. Um abraço.

Comentários encerrados.